Missão LISA (Antena Espacial de Interferômetro Laser)

A missão LISA (Laser Interferometer Space Antenna), liderada pela ESA (Agência Espacial Europeia) com contribuições da NASA, irá detectar ondas gravitacionais no espaço utilizando três naves espaciais, separadas por mais de um milhão de milhas, voando numa formação triangular. Os lasers disparados entre os satélites, mostrados neste conceito artístico, medirão como as ondas gravitacionais alteram as suas distâncias relativas. Crédito: AEI/MM/Exozet

LISA, uma missão colaborativa entre a ESA e NASAtem como objetivo detectar ondas gravitacionais do espaço, oferecendo novos insights sobre o cosmos por meio de tecnologia avançada e cooperação internacional.

O primeiro observatório espacial projetado para detectar ondas gravitacionais passou por uma grande revisão e prosseguirá com a construção de equipamentos de voo. Em 25 de janeiro, a ESA (Agência Espacial Europeia), anunciou a adoção formal da LISA, a Antena Espacial de Interferômetro Laser, em sua programação de missões, com lançamento previsto para meados da década de 2030. A ESA lidera a missão, com a NASA servindo como parceira colaborativa.

Colaboração do papel e da missão da NASA

“Em 2015, o terreno LIGO observatório abriu a janela para as ondas gravitacionais, perturbações que varrem o espaço-tempo, a estrutura do nosso universo”, disse Mark Clampin, diretor da Divisão de Astrofísica na sede da NASA em Washington. “LISA nos dará uma visão panorâmica, permitindo-nos observar uma ampla gama de fontes dentro da nossa galáxia e muito, muito além dela. Estamos orgulhosos de fazer parte deste esforço internacional para abrir novos caminhos para explorar os segredos do universo.”


A missão LISA permitirá observações de ondas gravitacionais produzidas pela fusão de buracos negros supermassivos, vistas aqui numa simulação de computador. A maioria das grandes galáxias contém buracos negros centrais pesando milhões de vezes a massa do nosso Sol. Quando estas galáxias colidem, eventualmente os seus buracos negros também o fazem. Crédito: Centro de Voo Espacial Goddard da NASA/Scott Noble; dados de simulação, d’Ascoli et al. 2018

A NASA fornecerá vários componentes-chave do conjunto de instrumentos do LISA, juntamente com suporte científico e de engenharia. As contribuições da NASA incluem lasers, telescópios e dispositivos para reduzir perturbações causadas por cargas eletromagnéticas. A LISA utilizará este equipamento para medir mudanças precisas de distância, causadas por ondas gravitacionais, ao longo de milhões de quilômetros no espaço. A ESA fornecerá a nave espacial e supervisionará a equipa internacional durante o desenvolvimento e operação da missão.

Ondas gravitacionais: revelando segredos cósmicos

As ondas gravitacionais foram previstas pela teoria geral da relatividade de Albert Einstein há mais de um século. Eles são produzidos pela aceleração de massas, como um par de buracos negros em órbita. Como essas ondas removem a energia orbital, a distância entre os objetos diminui gradualmente ao longo de milhões de anos e, por fim, eles se fundem.

Estas ondulações no tecido do espaço passaram despercebidas até 2015, quando o LIGO, o Observatório de Ondas Gravitacionais com Interferómetro Laser, financiado pela Fundação Nacional de Ciência dos EUA, mediu ondas gravitacionais provenientes da fusão de dois buracos negros. Esta descoberta promoveu um novo campo da ciência chamado “astronomia multimensageira”, no qual as ondas gravitacionais poderiam ser usadas em conjunto com outros “mensageiros” cósmicos – luz e partículas – para observar o universo de novas maneiras.

Juntamente com outras instalações terrestres, o LIGO observou desde então dezenas de outras buraco negro fusões, bem como fusões de estrelas de nêutrons e Estrêla de Neutróns-sistemas de buracos negros. Até agora, os buracos negros detectados através de ondas gravitacionais têm sido relativamente pequenos, com massas de dezenas a talvez cem vezes a do nosso Sol. Mas os cientistas pensam que as fusões de buracos negros muito mais massivos eram comuns quando o Universo era jovem, e apenas um observatório baseado no espaço poderia ser sensível às ondas gravitacionais provenientes deles.

A contribuição única da LISA para a astronomia

“O LISA foi projetado para detectar ondas gravitacionais de baixa frequência que os instrumentos na Terra não conseguem detectar”, disse Ira Thorpe, cientista do estudo da NASA para a missão na sede da agência. Centro de Voo Espacial Goddard em Greenbelt, Maryland. “Estas fontes abrangem dezenas de milhares de pequenos sistemas binários na nossa própria galáxia, bem como buracos negros massivos que se fundem à medida que galáxias colidem no Universo primitivo.”

Mapa sintético de todo o céu construído a partir de ondas gravitacionais

Ondas gravitacionais de uma população simulada de sistemas binários compactos na nossa galáxia foram usadas para construir este mapa sintético de todo o céu. Tais sistemas contêm anãs brancas, estrelas de nêutrons ou buracos negros em órbitas estreitas. Mapas como este utilizando dados reais serão possíveis assim que a missão LISA se tornar ativa na próxima década. O centro da nossa galáxia, a Via Láctea, está no centro desta imagem de todo o céu, com o plano galáctico estendendo-se no meio. Pontos mais brilhantes indicam fontes com sinais gravitacionais mais fortes e cores mais claras indicam aquelas com frequências mais altas. Manchas coloridas maiores mostram fontes cujas posições são menos conhecidas. Crédito: Goddard Space Flight Center da NASA

O LISA consistirá em três espaçonaves voando em uma vasta formação triangular que segue a Terra em sua órbita ao redor do Sol. Cada braço do triângulo se estende por 2,5 milhões de quilômetros. A espaçonave rastreará massas internas de teste afetadas apenas pela gravidade. Ao mesmo tempo, eles dispararão lasers continuamente para medir suas separações em uma extensão menor que o tamanho de um hélio. átomo. Ondas gravitacionais provenientes de fontes espalhadas por todo o universo produzirão oscilações nos comprimentos dos braços do triângulo, e o LISA irá capturar essas mudanças.

Inovações Tecnológicas e Perspectivas Futuras

A tecnologia central para a missão LISA foi validada pela missão LISA Pathfinder da ESA, que demonstrou o controlo preciso e as medições laser necessárias para a detecção de ondas gravitacionais. Este marco tecnológico abre caminho para que o LISA explore aspectos do universo anteriormente inacessíveis, oferecendo insights sobre a dinâmica de corpos celestes massivos e a estrutura do próprio espaço-tempo.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.