O desgosto é uma das coisas mais difíceis pelas quais uma pessoa pode passar.

Eu amei ferozmente, profundamente, completamente – e então acabou. Fiquei cuidando de um coração que parecia ter sido rasgado em dois. Mas me ensinou resiliência, força e um nível de amor próprio que eu nunca soube que era capaz.

Isto é para todas as mulheres que resistiram à tempestade de um coração partido e saíram do outro lado mais fortes do que nunca. Aqui estão 8 características que fazem de você uma potência absoluta, mesmo quando seu coração está em pedaços.

1) Abraçando a dor

A primeira coisa que fiz foi me inclinar para a dor.

É uma sensação angustiante, não é? Como se alguém tivesse feito um buraco direto no seu peito.

Mas o problema é o seguinte: você não pode evitá-lo. Você não pode empurrá-lo para baixo ou se esconder dele.

O que você pode fazer é abraçá-lo. Deixe isso tomar conta de você, deixe doer. Porque essa dor? Isso faz parte do processo de cura.

É cru, é real e é um sinal de que você é humano. E ser humano é sentir – mesmo quando o que sentimos não é tão bom.

Portanto, não se intimide com a dor. Abrace isso. É o primeiro passo para sair mais forte do outro lado.

2) Buscando apoio

Você sabe, não vou sentar aqui e fingir que fiz tudo sozinho.

Porque eu não fiz.

Procurei pessoas em quem confio, aquelas que estiveram ao meu lado nos bons e maus momentos. Meus amigos, minha família, até um terapeuta.

Foi difícil admitir que precisava de ajuda. Que eu estava sofrendo e não conseguiria lidar com isso sozinho.

Mas deixe-me dizer, foi uma das melhores coisas que já fiz. Ter alguém com quem conversar, com quem compartilhar meus sentimentos, apenas sentar comigo enquanto eu chorava – fez toda a diferença.

Não tenha medo de procurar apoio. Você não precisa fazer isso sozinho.

3) Encontrando força na solidão

Foi numa noite de terça-feira. Lembro-me porque foi a primeira vez em semanas que não tive planos com amigos ou família.

Sentei-me no sofá, com uma xícara de chá na mão, olhando para a TV, mas sem realmente assistir. A casa estava silenciosa, silenciosa demais. O silêncio era ensurdecedor.

Eu me senti sozinho. E isso me assustou. Eu estava acostumado a fazer parte de um ‘nós’ e agora era apenas ‘eu’.

Mas, naquela solidão tranquila, algo incrível aconteceu. Isso me ocorreu: eu estava sozinho, mas não estava sozinho.

Comecei a gostar da minha própria companhia, comecei a descobrir partes de mim que estavam escondidas sob o ‘nós’.

Encontrei força na solidão.

Estar sozinho não significa necessariamente se sentir solitário. Pode ser uma oportunidade poderosa para autodescoberta e crescimento pessoal.

4) Nutrir o amor próprio

Você sabia que os elefantes choram seus mortos? Eles até retornarão ao lugar onde um ente querido morreu para sofrer. É uma demonstração de emoção linda, embora de partir o coração.

Encontrei consolo nesse fato quando estava passando pelo pior do meu desgosto. Isso me lembrou que o amor e a perda são experiências universais, compartilhadas por todos os seres vivos.

Mas também me fez perceber algo importante: eu estava de luto pela perda do meu relacionamento, mas tinha esquecido de amar a única pessoa que ainda estava ao meu lado – eu mesmo.

Então, comecei uma jornada de amor próprio. Cuidei de mim como cuidaria de um amigo querido. Eu me mimava, reservava tempo para meus hobbies, comia boa comida e dormia bastante.

Amar a si mesmo parece simples, mas é um poderoso ato de desafio em um mundo que muitas vezes nos diz que não somos suficientes. É uma parte crucial da cura e do fortalecimento.

5) Abraçando a mudança

A mudança pode ser assustadora. É como entrar no desconhecido, sem saber o que o espera do outro lado.

Mas depois do desgosto, depois das lágrimas e do luto, percebi que a mudança era inevitável. Minha vida não seria a mesma e estava tudo bem.

Comecei pequeno. Reorganizando meus móveis, experimentando novas receitas, adquirindo novos hobbies. Cada mudança foi uma pequena vitória, um passo em direção à minha nova vida.

A cada pequena mudança, eu me sentia cada vez mais forte. Mais resiliente. Mais confiante em minha capacidade de lidar com tudo o que a vida colocou em meu caminho.

A mudança não é algo a ser temido. É uma oportunidade de crescimento e autodescoberta. E abraçá-lo de frente é uma das coisas mais corajosas que você pode fazer.

6) Estabelecendo limites

Eu admito; Eu não era perfeito em meu relacionamento. Cometi erros, e um dos maiores foi não estabelecer limites claros.

Deixo as necessidades do meu parceiro ofuscarem as minhas. Fiz sacrifícios com os quais não me sentia confortável, tudo em nome do amor.

Quando meu coração se partiu, percebi que amar não significa sacrificar a própria felicidade. Isso não significa deixar alguém ultrapassar seus limites.

Comecei a estabelecer limites. Aprendi a dizer não quando algo não estava de acordo com meus valores ou necessidades. Foi difícil, mas também fortalecedor.

Definir limites claros é crucial para o respeito próprio e o crescimento pessoal. É um sinal de força e amor próprio e é um passo essencial para curar um coração partido.

7) Praticando paciência

A cura leva tempo. Não é algo que você possa apressar ou forçar. Confie em mim, eu tentei.

Eu queria superar isso. Acordar uma manhã e não sentir a dor no peito. Mas cada dia trazia uma nova onda de emoções, e alguns dias eram mais difíceis que outros.

Eu aprendi a ser paciente comigo mesmo. Para me permitir sentir a dor, a raiva, a tristeza. Compreender que a cura não é linear e que não há problema em ter dias ruins.

A paciência se tornou minha aliada. Deu-me forças para enfrentar cada dia, sabendo que cada passo, por menor que fosse, estava me aproximando da cura.

Praticar a paciência é um ato de amor próprio e resiliência. Ele permite que você supere suas emoções em seu próprio ritmo, dando-lhe espaço para se curar e se fortalecer.

8) Cultivando a esperança

Ao longo desta jornada, a única coisa que me fez continuar foi a esperança.

Espero que eu me curasse, que encontrasse o amor novamente, que meu coração se recuperasse.

Nem sempre foi fácil. Houve dias em que questionei tudo, em que o mundo parecia escuro e sombrio. Mas eu mantive aquela pequena centelha de esperança.

Comecei a imaginar um futuro onde fosse feliz, onde fosse inteiro. Comecei a acreditar nesse futuro e, aos poucos, ele começou a se tornar realidade.

A esperança é a força vital que alimenta a resiliência. É a luz no fim do túnel, o farol na tempestade. É o que nos faz continuar em tempos difíceis.

Cultivar a esperança é talvez a característica mais poderosa de uma mulher forte. É a crença num amanhã melhor, a fé na nossa própria força e resiliência. É o que nos ajuda a ressurgir das cinzas de um coração partido, mais fortes do que nunca.

Pensamentos finais

O desgosto é inevitável. É uma experiência universal que nos une a todos.

Mas a forma como navegamos através desse desgosto, como renascemos das cinzas, é isso que realmente nos define.

Você pode ter se visto em algumas dessas características. Talvez você tenha abraçado a dor, buscado apoio, encontrado força na solidão, nutrido o amor próprio, abraçado a mudança, estabelecido limites, praticado a paciência e cultivado a esperança.

E se ainda não o fez, tudo bem também. A cura não é linear. É uma jornada que se desenrola no seu próprio tempo.

O importante é lembrar que o desgosto não nos quebra. Isso nos transforma em versões mais fortes e resilientes de nós mesmos.

Reserve um momento para refletir sobre sua jornada até agora e a força que você demonstrou. Você é mais forte do que pensa. E essa? Isso é algo para se orgulhar.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.