Há uma enorme diferença entre meramente existir e viver verdadeiramente. A diferença se resume à atenção plena.

Mindfulness, simplesmente, é viver o momento presente, com consciência e sem julgamento. Trata-se de controlar nossos pensamentos dispersos e focar no agora.

Tornar-se uma pessoa mais consciente não acontece da noite para o dia, mas sim em 60 dias? É absolutamente alcançável.

Como Lachlan Brown, fundador do Hack Spirit e devoto da atenção plena e do budismo, vou compartilhar com você oito coisas simples que você pode começar a fazer hoje para se tornar uma pessoa mais feliz e consciente em apenas dois meses.

A vida é curta. Comece a vivê-lo com atenção.

1) Comece com meditação consciente

Quando falamos sobre mindfulness, a primeira coisa que vem à mente é a meditação. E há uma boa razão para isso.

A meditação é um método testado e comprovado de cultivar a atenção plena. É como um treino de ginástica para o seu cérebro – fortalece sua capacidade de se concentrar no momento presente e se livrar do estresse e das preocupações.

Como Lachlan Brown, dediquei anos ao estudo e à prática da atenção plena e do budismo. E tudo começou com meditação.

Então, como você pode incorporar a meditação em sua rotina diária?

É mais simples do que você imagina. Comece com apenas cinco minutos por dia. Encontre um lugar tranquilo, sente-se confortavelmente, feche os olhos e concentre-se na respiração. Quando os pensamentos surgirem – como invariavelmente acontecerão – reconheça-os sem julgamento e retorne o foco à respiração.

Com o tempo, você achará mais fácil permanecer no momento, não apenas durante a meditação diária, mas também ao longo do dia. Você se sentirá mais calmo, menos reativo e mais contente.

Mindfulness é uma jornada, não um destino. Portanto, seja paciente consigo mesmo e comemore cada pequeno passo que você dá para se tornar uma pessoa mais consciente e feliz.

2) Faça da gratidão um hábito diário

A gratidão é outra ferramenta poderosa na caixa de ferramentas da atenção plena. Criar o hábito diário de gratidão pode mudar seu foco do que está errado em sua vida para o que é certo, levando a uma maior sensação de contentamento e felicidade.

Fiz questão de terminar cada dia escrevendo três coisas pelas quais sou grato. Pode ser tão simples quanto uma boa xícara de café, uma palavra gentil de um amigo ou um lindo pôr do sol. Esse simples ato me ajudou a permanecer com os pés no chão e a apreciar as pequenas alegrias da vida.

Nas palavras de Thich Nhat Hanh, um renomado monge budista e especialista em mindfulness: “O milagre é não andar sobre as águas. O milagre é caminhar sobre a terra verde, habitando profundamente o momento presente e sentindo-se verdadeiramente vivo.”

Gratidão não significa ignorar os desafios da vida. Trata-se de encontrar equilíbrio e alegria no meio deles. E isso, meu amigo, é um passo fundamental para se tornar uma pessoa mais feliz e consciente.

3) Abrace a impermanência

Um dos principais ensinamentos do Budismo é o conceito de impermanência. Tudo na vida, incluindo a própria vida, é temporário e está em constante mudança. Isso pode parecer um pouco sombrio, mas na verdade é uma verdade libertadora quando adotada.

Freqüentemente, nos apegamos a coisas, pessoas ou situações, ansiando pela permanência em um mundo que é inerentemente impermanente. Esse apego é uma grande fonte de sofrimento.

Ao reconhecer e aceitar a impermanência, podemos aprender a abandonar esse desejo de controle e certeza. Podemos aprender a apreciar o momento presente sem nos apegarmos a ele ou temermos que ele passe.

Não é fácil aceitar a natureza transitória da vida. Pode ser desconfortável e até assustador. Mas é também um caminho poderoso para a liberdade e a paz. Como disse Buda: “A raiz do sofrimento é o apego”.

Abraçar a impermanência é viver em harmonia com a forma como as coisas são, e não como queremos que sejam. E é disso que se trata, em essência, a atenção plena.

4) Pratique a alimentação consciente

Todos nós temos que comer, certo? Mas com que frequência prestamos realmente atenção ao que comemos, ao sabor e ao que nos faz sentir?

Comer consciente significa trazer total atenção à experiência de comer e beber, tanto dentro quanto fora do corpo. Trata-se de perceber cores, cheiros, texturas, sabores, temperaturas e até sons da nossa comida sem julgamento.

Em nosso mundo acelerado, é fácil comer enquanto estamos distraídos – trabalhando, assistindo TV ou verificando nossos telefones. Mas quando fazemos isso, perdemos grande parte da alegria que a comida pode trazer. Além disso, é mais provável que comamos demais e é menos provável que percebamos quando estamos saciados.

A alimentação consciente nos traz de volta ao aqui e agora, aumentando nossa apreciação pela comida e ao mesmo tempo nos ajudando a fazer escolhas mais saudáveis.

É uma prática simples, mas pode ser profundamente impactante. Experimente na sua próxima refeição. Desligue as distrações, reserve um momento para apreciar a comida que está diante de você e saboreie cada mordida. Você pode se surpreender com a diferença que isso faz.

5) Viva com máximo impacto e mínimo ego

Este é importante. O ego pode ser um grande obstáculo no caminho para a atenção plena. Muitas vezes é o nosso ego que nos mantém presos a padrões prejudiciais de pensamento e comportamento.

Passei muito tempo lutando com esse conceito em minha própria jornada de atenção plena. É por isso que dediquei uma seção inteira a isso em meu livro, Segredos ocultos do budismo: como viver com impacto máximo e ego mínimo.

Aprender a dar um passo atrás e observar nosso ego em ação pode mudar o jogo. Permite-nos ver como influencia nossos pensamentos, emoções e ações, muitas vezes não para melhor.

Quando aprendemos a tirar nosso ego do comando, nos libertamos para viver de forma mais autêntica. Tornamo-nos mais abertos a novas experiências, mais compassivos com os outros e mais gentis conosco mesmos.

Reduzir a influência do nosso ego não significa negar quem somos. Trata-se de reconhecer que somos mais do que os nossos pensamentos, mais do que os nossos sentimentos e certamente mais do que o nosso ego. E essa compreensão pode levar a uma sensação mais profunda de paz e felicidade.

6) Cultive a compaixão

A compaixão está no cerne da atenção plena e do budismo. Trata-se de reconhecer o sofrimento em nós mesmos e nos outros e responder com bondade e compreensão.

Muitas vezes nos julgamos com severidade, sendo apanhados pela autocrítica e pela conversa interna negativa. Isso pode levar a sentimentos de indignidade e infelicidade.

Mas e se nos tratássemos com a mesma gentileza que demonstramos para com um bom amigo? É aqui que entra a autocompaixão. Trata-se de sermos gentis conosco mesmos quando estamos lutando, em vez de nos culparmos.

E isso não para com a autocompaixão. A compaixão também se estende aos outros. Ao praticar a empatia e a compreensão, podemos promover relacionamentos mais fortes e significativos.

Como disse uma vez o Dalai Lama: “Se você quer que os outros sejam felizes, pratique a compaixão. Se você quer ser feliz, pratique compaixão.”

Cultivar a compaixão nem sempre é fácil. Requer paciência, compreensão e perdão. Mas as recompensas são imensas – paz de espírito, relacionamentos mais fortes e um sentimento mais profundo de ligação connosco próprios e com os outros.

7) Pratique a respiração consciente

Respirando. É algo que fazemos a cada minuto de cada dia, sem sequer pensar nisso. Mas o que acontece quando começamos a prestar atenção nisso?

A respiração consciente é uma prática simples, mas poderosa. Envolve focar sua atenção na respiração, inspirar e expirar, sem julgar ou tentar mudar isso.

Essa prática pode ajudá-lo a se tornar mais fundamentado no momento presente. Pode servir como uma âncora, trazendo você de volta ao aqui e agora sempre que sua mente começar a divagar.

Jon Kabat-Zinn, um renomado especialista em mindfulness, disse: “A respiração é a ponte que conecta a vida à consciência, que une seu corpo aos seus pensamentos”.

Em momentos de estresse ou ansiedade, tente reservar alguns momentos para se concentrar apenas na respiração. Observe como é a sensação ao entrar em seu corpo e como é a sensação ao sair. Este simples ato pode desacelerar pensamentos acelerados e trazer uma sensação de calma e clareza.

Mindfulness não significa esvaziar sua mente de pensamentos. Trata-se de se tornar um observador desses pensamentos sem se deixar levar por eles. E a respiração consciente pode ser uma maneira muito eficaz de fazer isso.

8) Não faça nada

Sim, você leu certo. Uma das maneiras mais eficazes de se tornar uma pessoa mais consciente é não fazer absolutamente nada regularmente.

Na nossa sociedade ocupada e obcecada pela produtividade, a ideia de não fazer nada pode parecer contra-intuitiva e até mesmo um desperdício. Mas é nestes momentos de quietude que podemos estar verdadeiramente presentes.

Reserve alguns minutos todos os dias para simplesmente sentar e estar. Sem distrações, sem tarefas. Só você e seus pensamentos. Pode parecer desconfortável no início, mas com o tempo você começará a apreciar esses momentos de tranquilidade.

Não fazer nada nos permite afastar-nos do fluxo constante de pensamentos e estímulos que normalmente ocupam nossas mentes. Pode nos ajudar a ganhar perspectiva e reconhecer que somos mais do que nossos pensamentos e emoções.

Não se trata de ser preguiçoso ou improdutivo. Trata-se de reservar um tempo intencionalmente para apenas ser, permitindo-nos espaço para respirar, refletir e simplesmente existir no momento. E neste espaço tranquilo, a atenção plena pode florescer.

Conclusão

E aí está, oito práticas que podem ajudá-lo a se tornar uma pessoa mais consciente e feliz em apenas 60 dias. Lembre-se de que a atenção plena não se trata de chegar a um destino, mas de embarcar em uma jornada para toda a vida. Trata-se de viver plenamente o presente, com aceitação e sem julgamento.

Se você estiver interessado em se aprofundar na atenção plena e no budismo, convido você a conferir meu livro, Segredos ocultos do budismo: como viver com impacto máximo e ego mínimo. Está repleto de insights e dicas práticas para ajudá-lo a viver uma vida de maior paz, felicidade e autenticidade.

Lembre-se de que estar atento não significa mudar quem você é; trata-se de reconhecer e abraçar seu verdadeiro eu. E o primeiro passo nessa jornada é simplesmente começar. Então por que não começar hoje?

Perdeu seu senso de propósito?

Nesta era de sobrecarga de informação e pressão para satisfazer as expectativas dos outros, muitos lutam para se conectarem com o seu propósito e valores fundamentais. É fácil perder a bússola interior.

Jeanette Brown criou este PDF gratuito de descoberta de valores para ajudar a esclarecer suas motivações e crenças mais profundas. Como experiente coach de vida e professora de autoaperfeiçoamento, Jeanette orienta as pessoas em grandes transições, realinhando-as com seus princípios.

Seus exercícios de valores exclusivamente perspicazes iluminarão o que o inspira, o que você representa e como pretende operar. Isso serve como um filtro refrescante para desligar o ruído social, para que você possa fazer escolhas baseadas no que é mais importante para você.

Com seus valores claramente ancorados, você ganhará direção, motivação e bússola para tomar decisões a partir do seu melhor – em vez de emoções passageiras ou influências externas.

Pare de vagar sem propósito. Redescubra o que faz você ganhar vida com o guia de clareza de valores de Jeanette Brown.

Você gostou do meu artigo? Curta-me no Facebook para ver mais artigos como este em seu feed.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.