Você já parou para se perguntar por que certas coisas o estimulam mais do que outras, ou por que você reage a situações de maneiras que não consegue entender?

Você pode ficar surpreso ao saber que muitas vezes isso tem a ver com coisas que aconteceram quando você era criança.

Os psicólogos dizem que mesmo que não nos lembremos de tudo, os nossos primeiros anos têm uma grande influência sobre quem somos agora, incluindo as coisas contra as quais lutamos.

Infelizmente, isso significa que se você teve uma infância infeliz, os efeitos disso podem se manifestar no seu comportamento hoje.

Vamos examinar mais de perto como uma infância infeliz ainda pode nos afetar hoje de maneiras que não percebemos, de acordo com a psicologia:

1) Dificuldade em formar apegos

Uma das coisas mais importantes que acontece na infância é o desenvolvimento do nosso estilo de apego – a relação emocional que se desenvolve entre um bebé e o seu cuidador principal.

Geralmente, uma infância feliz leva a um estilo de apego saudável e seguro. Da mesma forma, uma infância infeliz tende a resultar num estilo de apego inseguro.

Se você não cresceu em um ambiente amoroso, consistente e de apoio, é provável que tenha alguns problemas de confiança, decorrentes do fato de que os adultos em sua vida quando criança não eram exatamente confiáveis.

Hoje, essa falta de confiança pode manifestar-se de diferentes maneiras: as pessoas com um estilo de apego inseguro podem ser evitativas, pegajosas e excessivamente carentes, ou desorganizadas e geralmente têm dificuldade em lidar com o stress da vida.

Seja como for que se manifeste, o resultado final é que há uma luta geral para formar relacionamentos significativos.

É tarde demais então? De jeito nenhum. De acordo com psicoterapeuta Marni Feuerman em Very Well Mind:

“A estratégia para criar um estilo de apego adulto seguro e conquistado envolve reconciliar as experiências da infância e dar sentido ao impacto que o passado de uma pessoa tem no seu presente e futuro.”

O importante é que você está aqui hoje lendo isso e, com sorte, percebendo como é importante curar as feridas da infância. Esse é o primeiro passo para a recuperação.

2) Medo do abandono

Falar da teoria do apego inseguro leva-me a um dos seus efeitos mais subtis, mas prejudiciais – o medo de ser abandonado.

Não posso dizer que tive uma infância infeliz, mas houve algumas fases bastante infelizes, a maior delas foi o divórcio dos meus pais.

Não foi minha culpa, isso eu entendi, mas isso me deixou com problemas de abandono.

Só percebi isso quando já cresci e tive meus próprios relacionamentos. Eu me perguntei por que eu estaria em turnos:

  • Pegajoso e ciumento
  • Pessoas agradáveis
  • Não querendo ser vulnerável
  • Rejeitar preventivamente (eu pensaria que meu parceiro me deixaria de qualquer maneira, então eu iria em frente e iria embora, mesmo que não tivéssemos grandes problemas)

Felizmente, eu estava autoconsciente o suficiente para parar e pensar por que estava me comportando dessa maneira. E tudo se resumia ao fato de que uma parte da minha infância não foi estável.

Tudo se resumiu ao fato de um dos meus pais ter ido embora, e isso cimentou em mim a crença de que as pessoas sempre irão embora.

Se isso ressoa em você, talvez seja hora de lidar com esse medo.

Procure a ajuda de um terapeuta se precisar, porque sejamos honestos: é difícil enfrentar nossos medos e quebrar padrões de pensamento ao longo da vida. Não há vergonha em pedir ajuda.

3) Baixa autoestima e autoestima

Outro efeito de uma infância infeliz é que prejudica a autopercepção.

Pense nisso – se tudo o que você recebeu foi negligência, crítica ou, em casos extremos, abuso, então a mensagem subjacente que você recebe é esta:

“Você não é importante. Você não é digno de amor e cuidado.

Claro, não é verdade, mas parecerá verdadeiro para sua mente jovem e flexível.

Infelizmente, é uma mensagem que você ainda pode levar até hoje. Portanto, pode ser útil fazer uma autoverificação rápida e perguntar a si mesmo o seguinte:

  • Você tem dificuldade em expressar suas opiniões e se defender?
  • Você permite que os outros o tratem mal?
  • Você tem medo do fracasso?
  • Você tem dificuldade para receber elogios ou elogios?
  • Você costuma se comparar com os outros e sente que está aquém?
  • Você costuma precisar da validação de outras pessoas para se sentir bem com suas decisões ou realizações?
  • Você costuma se criticar ou se concentrar em suas falhas?
  • Você é excessivamente sensível às críticas dos outros?

Se você respondeu sim a várias dessas perguntas, considere isso uma deixa para começar a reconstruir seu senso de autoestima. É hora de descartar aquela mensagem prejudicial que você recebeu quando criança e descobrir o quão valioso e digno você realmente é.

4) Ansiedade e depressão

Você sabia que, de acordo com este estudoexiste uma correlação entre experiências adversas na infância e depressão crônica?

O estudo conclui: “Em particular, múltiplas experiências traumáticas, abuso emocional e abuso sexual podem levar a um curso de depressão mais crónico e grave”.

Esta declaração sublinha o impacto duradouro que o trauma da infância pode ter no bem-estar mental de um indivíduo.

Também diz aos adultos que passaram por momentos difíceis quando crianças que seus sentimentos fazem sentido e que não é culpa deles se sentirem assim.

Compreender esta ligação ajuda-nos a ver por que algumas pessoas lutam mais contra o sentimento de desânimo e por que é tão importante ser gentil e apoiar uns aos outros.

Se há uma coisa que você deve tirar disso, é que existe ajuda por aí.

Conversar com alguém que entende ou ingressar em um grupo onde as pessoas compartilham suas histórias pode ajudar muito a se sentir apoiado e a dar sentido a essas experiências ruins.

5) Desafios com regulação emocional

Nossas experiências de infância também moldam a maneira como regulamos nossas emoções. Felizmente, com todos os estudos sobre inteligência emocional realizados nos últimos anos, agora sabemos mais sobre como ela se desenvolve.

Uma descoberta importante é que a regulação emocional está profundamente ligada a fatores familiares. Um estudar declarado:

“O relacionamento parental afeta significativamente a regulação emocional das crianças, à medida que as crianças aprendem com o ambiente.”

Tudo isso para dizer que, se seus modelos não fossem exatamente modelos de inteligência emocional, é provável que você também tenha adquirido os hábitos deles.

Caso em questão: meu pai tinha um temperamento bastante explosivo. Enquanto crescia, via suas reações à frustração ou à raiva como a norma, sem perceber que havia maneiras mais saudáveis ​​de lidar com essas emoções.

Em contraste, minha mãe era do tipo obstinada. Ela iria se calar em situações desagradáveis, mas cara, ela poderia nutrir rancor até o reino vir.

Não me entenda mal, eu amo muito meus pais. Mas agora posso ver que não eram os melhores modelos para regulação emocional.

E isso realmente influenciou a forma como lidei com os conflitos quando adulto. Tive que fazer muito trabalho interno para aprender maneiras saudáveis ​​de expressar e regular minhas emoções.

O que quero dizer é que compreender a raiz dos nossos hábitos emocionais pode ser desconfortável, mas é um primeiro passo poderoso em direção à mudança. E se eu consegui, você definitivamente também consegue!

6) Dificuldade em sentir alegria

A infância deveria ser um momento de dias despreocupados e alegres, não é mesmo? No entanto, nem todos nós conseguimos isso.

Se sua infância foi repleta de mais dias ruins do que bons, pode ser difícil encontrar alegria ou prazer, mesmo quando adulto.

Psicologia hoje explica tão bem esta situação:

“Uma infância má mina a nossa capacidade de lidar com a situação de uma forma diferente: tornando difícil ou impossível acumular energia de afirmação da vida desde o início (…) Como resultado, uma pessoa pode experimentar um vazio ou escuridão onde outros armazenaram ter esperança.”

Então, se você muitas vezes sente que está perdendo felicidade ou esperança, não é porque você é apenas uma velha Debbie Downer. É que você teve um começo mais difícil do que alguns outros.

Mas aqui estão algumas boas notícias: é possível recuperar o atraso.

Com os cuidados certos – talvez conversando com alguém que possa ajudar, como um conselheiro, ou encontrando pequenas coisas que o façam sorrir – você pode começar a se sentir melhor e aprender como trazer mais luz e alegria para sua vida.

7) Tendência à auto-sabotagem

Dadas todas as questões acima, esta provavelmente não é surpreendente. A auto-sabotagem é comum em pessoas que tiveram uma infância infeliz por causa das inseguranças e medos que os traumas infantis trouxeram consigo.

A questão é que a auto-sabotagem é muito sorrateira; muitas vezes não sabemos o que estamos fazendo.

Mais uma vez, a chave é ter autoconsciência. De acordo com o Dr. Ryan S. Sultan em Notícias médicas hoje“Superar a auto-sabotagem requer introspecção, paciência e prática.”

8) Sintomas somáticos

Finalmente, uma infância infeliz pode, na verdade, resultar em manifestações físicas de sofrimento psicológico.

Em seu interessante livro sobre trauma, “O corpo mantém a pontuação: cérebro, mente e corpo na cura do trauma”, aponta o autor Bessel van der Kolk:

“Os corpos das vítimas de abuso infantil ficam tensos e na defensiva até encontrarem uma maneira de relaxar e se sentirem seguros. Para mudar, as pessoas precisam tomar consciência de suas sensações e da forma como seus corpos interagem com o mundo ao seu redor. A autoconsciência física é o primeiro passo para libertar-se da tirania do passado.”

É uma grande surpresa saber que o que acontece conosco quando somos pequenos pode aparecer na forma como nossos corpos se sentem e agem hoje.

Pense assim: se você fica com medo com frequência, seu corpo é como uma mola bem enrolada, sempre pronta para pular. Ou se você está sempre bravo, é como se seu corpo estivesse preso no modo de raiva, tenso e pronto para lutar.

Mas se começarmos a prestar mais atenção ao nosso corpo, percebendo como nos posicionamos, respiramos ou onde nos sentimos tensos, podemos realmente começar a nos sentir melhor.

Fazer coisas como alongamento, respirar fundo ou praticar esportes pode nos ajudar a entrar em sintonia com nós mesmos e a liberar parte da tensão acumulada.

Pensamentos finais

Uma infância infeliz não precisa condená-lo a uma vida infeliz. Mas a chave aqui é a autoconsciência, como mencionei anteriormente.

Quando você está ciente de que certas coisas que você faz hoje são resultado das mensagens que recebeu quando criança, você está em melhor posição para fazer as mudanças necessárias.

Você gostou do meu artigo? Curta-me no Facebook para ver mais artigos como este em seu feed.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.