Não há dúvidas de que o tipo de dinâmica familiar em que crescemos pode ter um impacto duradouro no nosso desenvolvimento.

E daí se você sentir que foi esquecido?

Talvez você não tenha recebido a atenção ou o apoio prático e emocional de que precisava.

Ser a criança ignorada em uma família pode levar a todo tipo de dor emocional oculta mais tarde na vida.

Pode deixar você com sentimentos de negligência e baixa autoestima quando adulto, que aparecem no seu dia a dia.

Aqui estão 9 sinais de que você era a “criança invisível” da família, segundo a psicologia.

1) Você era uma criança fácil

As crianças invisíveis são muitas vezes crianças muito fáceis.

Eles não sentiam necessariamente que havia espaço dentro de sua família para se comportar de maneira diferente.

Talvez você tivesse um membro da família no grupo que roubou os holofotes. Eles tinham uma grande personalidade que chamava toda a atenção.

Você pode ter sentido a pressão para se comportar bem e assumir responsabilidades desde muito jovem. Por exemplo, porque você teve que cuidar de um irmão ou até mesmo de um dos pais.

Alguém da família pode ter uma deficiência, doença ou necessidades emocionais que ocupam todo o espaço.

Outros podem ter lhe dito que você era maduro além da sua idade.

De acordo com psicólogo holístico Dra. Nicole LePera:

“Muitas vezes a criança invisível é vista como “madura para a idade”. Eles geralmente sentem que seus pais estão estressados ​​ou que estão ocupados com outro irmão e se adaptam sendo livres de problemas ou perfeitos.”

2) Dificuldade em expressar emoções

Quando você sente que precisa permanecer pequeno para ser aceito, é comum ter dificuldade para comunicar emoções.

Você pode se preocupar com a possibilidade de ser um fardo ou uma inconveniência para os outros expressar como está se sentindo. Você pode ficar quieto por medo de julgamento ou rejeição dos outros.

Mas você também pode ter aprendido que o que você tem a dizer ou o que sente não importa tanto.

De acordo com Central Psicológica:

“Se você cresceu em uma família onde suas necessidades, desejos e voz foram desconsiderados, então provavelmente você questionou seu direito de existir. Sua identidade não está totalmente desenvolvida quando você foi criado de maneira tão negligente. Sem ninguém espelhando seu valor e especialidade, você tem uma sensação de vazio onde sua identidade pertence. Isso é semelhante a um buraco no seu coração, ainda mais.”

O apoio da nossa família nos ajuda a descobrir e a nos expressar.

Se você fosse uma criança invisível, isso poderia ser algo contra o qual você lutaria.

Esse hábito de suprimir suas emoções pode fazer você se sentir entorpecido, vazio e às vezes bastante solitário.

3) Sentir-se solitário ou estranho

Os solitários podem ser criados a partir de um saudável senso de independência emocional e prática. Mas também podem ser uma prisão de isolamento indesejada.

Em vez de ser uma escolha consciente, você pode se retirar porque se sente um estranho que não é totalmente aceito.

Este é um padrão que começa na infância, dentro da unidade familiar.

Com atenção constante em outros lugares, você não se sentia parte de uma equipe, sentia que precisava voar sozinho constantemente e cuidar de si mesmo.

A hiperindependência costuma ser uma resposta de estresse ao trauma. Você evita pedir ajuda e apoio a outras pessoas se descobrir que não é possível ou seguro fazê-lo.

Isso pode afetar a maneira como você forma relacionamentos mais tarde na vida.

Pode parecer mais desafiador criar conexões significativas porque baixar a guarda é assustador. Você luta para confiar ou se abrir.

4) Ser filho do meio

Existem algumas sobreposições entre ser a criança invisível e a chamada síndrome do filho do meio.

A ideia é que, como uma criança nascida no meio ou em uma família grande, você perca a atenção e o foco que seus irmãos gostam.

Como apontado por Central Psicológica:

“O estereótipo é que os pais ignoram o filho do meio porque o mais velho tem a maior responsabilidade ou é o pioneiro, enquanto o mais novo recebe toda a atenção como o bebé da família.”

Embora o júri ainda não tenha decidido quando se trata de provas psicológicas concretas, há estudos que sugerem os filhos do meio não só se sentem mais negligenciados, mas também:

  • são mais propensos a desenvolver problemas de adaptação perfeccionismo
  • são menos voltados para a família do que seus irmãos mais velhos
  • têm relacionamentos distantes com seus pais
  • são menos próximos de suas mães
  • são mais propensos a se envolver em comportamento delinquente

5) Sempre tentando provar seu valor

Se a atenção nunca foi dada gratuitamente, você pode sentir que é algo que precisa trabalhar para conseguir.

Isso pode levar a uma mentalidade agitada na idade adulta. Você pode sentir que está sempre se esforçando.

Pode manifestar-se através de um comportamento competitivo e de um forte desejo de vencer sempre. Você pode sentir necessidade de dominar ou se afirmar para não ser esquecido novamente.

No fundo, o que você está fazendo é pular obstáculos na esperança de tentar provar seu valor.

Psicóloga clínica Jennifer Kromberg chamadas esse tipo de busca competitiva de atenção é a armadilha da atenção.

“Isso porque esta competição vem de um lugar de privação emocional – a pessoa que luta por atenção não está tentando conseguir mais de uma coisa boa, mas tentando desesperadamente obter atenção suficiente para preencher uma parte que falta em si mesma.”

Do lado de fora, as pessoas podem vê-lo como determinado, motivado ou até agressivo. Mas muitas vezes é desencadeado pelo próximo sinal da nossa lista.

6) Baixa autoestima

As pessoas falam muito sobre a importância do amor próprio.

Somos lembrados de como precisamos cuidar de nós mesmos e cultivar um profundo senso de autoestima que vem de dentro. Esta é, de facto, uma parte saudável do nosso crescimento e desenvolvimento.

No entanto, a realidade é que obtemos muito do nosso senso de identidade dos outros. Não só não há nada de errado com isso, como é perfeitamente natural.

Quando você sentir que foi esquecido, você pode questionar suas próprias habilidades. Então você luta contra a autoconfiança e a autoestima.

Você pode negligenciar seu autocuidado e, em vez disso, priorizar os outros como consequência (mais sobre isso mais tarde).

Você pode achar difícil aceitar elogios porque não vê em si mesmo o que os outros fazem.

Quando confrontado com bondade, você pode se sentir indigno ou até mesmo endividado.

Quando falta o amor próprio, não é de admirar que você o procure em outro lugar para tentar se sentir valorizado?

7) Procurando validação (às vezes nos lugares errados)

Como acabamos de dizer, é normal desejar uma certa aceitação e reconhecimento daqueles que nos rodeiam.

Mas as crianças invisíveis podem procurar isto mais do que outras.

É como se eles estivessem constantemente em busca da falta de validação que sentiram enquanto cresciam. Muitas vezes este é um hábito subconsciente.

Ao crescer, você pode ter se sentido como:

  • Seus sentimentos e opiniões foram rejeitados ou ignorados pelos familiares
  • Você raramente foi elogiado ou reconhecido por conquistas
  • Você não se sentiu amado ou apoiado

Então, como adulto, você realmente busca essa validação em outro lugar. Isso pode ser através da aceitação de amigos ou parceiros românticos.

Às vezes você pode até se envolver em comportamentos de risco para chamar a atenção. Às vezes, também pode parecer um pouco carente ou pegajoso devido a um estilo de apego ansioso.

Como explicado por Para a psicóloga Nicole Lippman-Barile, esses estilos de apego prejudiciais são formados na infância:

“É essencialmente como fomos emocionalmente cuidados – ou não cuidados – quando crianças enquanto crescíamos… Ser inseguro quando criança é semelhante a ser inseguro quando adulto, no sentido de que a ansiedade e o medo de ser abandonado ainda estão presentes.”

Quando você não tem confiabilidade, apoio e uma sensação de segurança quando criança, isso pode continuar a moldar a forma como você forma relacionamentos quando adulto.

8) Assumir muita responsabilidade

Já vimos que muitas crianças invisíveis acabam assumindo o fardo da responsabilidade ainda na infância. Mas muitos também adotam essa abordagem mais tarde na idade adulta.

Freqüentemente, assumem a responsabilidade de fazer os outros felizes ou se sentirem seguros.

Eles assumem facilmente esse papel de cuidado altruísta, mas às custas de suas próprias necessidades.

Eles podem se tornar altruístas a ponto de negligenciarem totalmente qualquer autocuidado.

O maior problema é que não podemos nos responsabilizar pelos outros, apenas por nós mesmos.

Sempre que tentamos, podemos facilmente esbarrar no próximo item da nossa lista.

9) Comportamento que agrada as pessoas

Agradar as pessoas muitas vezes resulta do sentimento de insegurança. Podemos pensar que precisamos sempre manter os outros felizes para sermos aceitos por eles.

É também um padrão que pode se tornar um hábito se você crescer sentindo que não pode fazer nada para balançar o barco.

Lembre-se de que muitas crianças invisíveis priorizam o melhor comportamento possível em todos os momentos. Isso envolve colocar as necessidades dos outros acima das suas.

É também outra forma de buscar validação e pode se manifestar de diversas maneiras:

  • Excesso de desculpas
  • Lutando para estabelecer e manter limites
  • Assumir a culpa quando algo não é sua culpa
  • Ser excessivamente agradável
  • Lutando para dizer não
  • Sempre se expondo para os outros
  • Sentir que as pessoas se aproveitam de você

Como destacado em Psicologia Hoje, isto se deve, mais uma vez, a necessidades infantis não atendidas:

“Talvez alguém que agradasse às pessoas tivesse um pai cujo amor fosse condicional. Esta criança pode ter tido que conquistar o amor e o carinho dos pais, ou os pais não estavam disponíveis emocionalmente, ou a disponibilidade dos pais era inconsistente.”

Consciência é o primeiro passo para a cura

Nunca é fácil superar as feridas do passado.

Podemos nos sentir vítimas do passado, sem nenhuma maneira de voltar atrás para mudar o que aconteceu.

Mas ainda podemos encontrar aceitação no presente e isso começa com o reconhecimento da nossa dor.

À medida que conscientizamos a maneira como nossa infância nos molda, podemos encontrar maneiras de curar nossa criança interior para encontrar uma nova paz no presente.

Você gostou do meu artigo? Curta-me no Facebook para ver mais artigos como este em seu feed.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.