Nem todas as derrotas são iguais e nenhuma derrota no futebol é pior do que uma derrota de brincadeira.

“Na prorrogação, foram os filhos de Klopp contra o Blue Bottle Jobs de £ 1 bilhão”, disse o co-comentarista da Sky Sports Gary Neville, estabelecendo de forma sucinta e incontestável a narrativa dominante de uma final surreal da Carabao Cup com apenas uma cabeçada de Virgil van Dijk. Acertou no canto mais distante da rede de Dorde Petrovic.

O Liverpool não apenas venceu o Chelsea em Wembley (de novo), mas também o fez de uma forma que validou a cultura de ‘monstros mentais’ que Jurgen Klopp cultivou – aparentemente em todas as faixas etárias de Kirkby, bem como no time titular – ao longo do ano passado. . Nove anos, enquanto falhas fatais no luxuoso projecto de investimento de Stamford Bridge, financiado por Todd Bohle e Clearlake Capital nos últimos dois anos, são impiedosamente expostas.

No Estádio de Wembley, após a partida, um desesperado Mauricio Pochettino assumiu a tarefa de apontar as nuances da narrativa. O treinador do Chelsea disse quando questionado sobre a fala de Neville: “Não ouvi o que ele disse, mas se compararmos as idades dos dois grupos, penso que é semelhante”. “Olha, tenho um bom relacionamento com Gary, não sei como posso aceitar a opinião dele, mas respeito a opinião dele.

“Somos uma equipe jovem. Não há nada que se compare ao Liverpool porque eles também terminaram com jogadores jovens. É impossível comparar, e ele sabe que a dinâmica é completamente diferente. Estávamos jogando contra Liverpool e Chelsea, e Chelsea e Liverpool, e não acho que seja justo falar dessa maneira.”

A dinâmica juventude versus experiência em Wembley não era tão clara como Neville deixou claro. A idade média dos jogadores do Liverpool em campo é superior à idade média dos jogadores do Chelsea no início da partida e no início da prorrogação. Van Dijk, um jogador de 32 anos que já conquistou 11 títulos importantes, foi o jogador de destaque e marcou duas cabeçadas decisivas na final, das quais apenas uma sobreviveu à revisão do VAR.


Cole Palmer foi rejeitado por Caoimhin Kelleher (Julian Feeney/Getty Images)

Mas o contra-argumento se torna mais difícil de sustentar quando o outro time inclui dois jovens de 19 anos, Bobby Clarke e James McConnell, que jogaram cada um menos de 10 jogos profissionais e outro (Jayden Dans) que está fazendo sua segunda aparição pelo primeiro time. O Chelsea sem dúvida perdeu para muitas crianças. A questão mais importante é: eles embalaram tudo?

O Chelsea mostrou sinais inconfundíveis de nervosismo em Wembley. Axel Disasi desencadeou por duas vezes os ataques de transição do Liverpool ao errar a bola sob pressão mínima. Malo Gusto, normalmente muito confiante, controlou passes direto para fora do jogo em diversas ocasiões. Levi Colwell tentou um passe para Ben Chilwell na frente e teve que ser acalmado por Enzo Fernandes, que fez passes desleixados com uma frequência surpreendente.

Além disso, Conor Gallagher enfrentou uma combinação estranhamente semelhante de azar e compostura diante do gol que se abateu sobre Mason Mount, também graduado em Cobham, contra os mesmos adversários no mesmo estádio em 2022.


Gallagher perdeu várias chances (Mike Hewitt/Getty Images)

No entanto, à medida que o tempo passava no final dos 90 minutos, parecia que o Chelsea iria vencer mais, já que Cole Palmer escolheu um time do Liverpool cujas pernas pareciam ter desbotado. Neste ponto, Klopp tomou uma decisão que nenhum outro treinador de elite teria tomado: colocar o destino do troféu principal nas mãos de jovens não comprovados, em vez de ficar sentado com experiência e jogar nos pênaltis.

Sua seleção transformou a final da Carabao Cup na sequência espiritual da bizarra vitória do Chelsea por 4 a 1 sobre o Tottenham Hotspur, de nove jogadores, em novembro: uma situação em que uma vitória convincente é o único resultado aceitável e qualquer coisa menos que isso traz uma humilhação total. Pochettino teve que liderar seu time durante 20 minutos tensos e sem objetivo naquela noite antes de superar o medo de parecer ridículo – de ser alvo de uma pegadinha perdida – e vencer o jogo.

O momento “isso é o que somos, companheiro” de Klopp parecia ter mergulhado o Chelsea em uma crise mental semelhante em Wembley, que durou a maior parte da prorrogação e foi exacerbada pela diminuição dos níveis de energia. No final da primeira parte da patética exibição inicial na prorrogação, Chilwell, Disasi e Moses Caicedo puderam ser vistos prostrados em campo e recebendo atenção por suas convulsões.

Não perder substituiu a vitória como principal prioridade do Chelsea. Pochettino afirmou: “A equipa começou a sentir que os pênaltis podem estar a nosso favor”, reconhecendo a fragilidade que sofreu frente a este grupo de jogadores no rescaldo do jogo.


O rosto de Pochettino resume o humor do Chelsea (Getty)

As finais determinam os clubes, jogadores e treinadores que competem por elas. Klopp perdeu seu quinhão ao longo dos anos, mas nunca por negatividade, e é essa adesão estrita à ideia de quem é o Liverpool que o levará até hoje em Wembley. A identidade do Chelsea como especialista em vencedores de finais começou a diminuir nos últimos anos de posse de Roman Abramovich. São agora sete derrotas em finais da taça nas últimas oito visitas ao Estádio Nacional, e seis consecutivas.

Crescerão as dúvidas sobre a capacidade de Pochettino de reverter esta tendência. Durante cinco anos no Tottenham, ele construiu equipes impressionantes que não conseguiam vencer e, apesar de sua declarada ênfase no poder da energia positiva, o Chelsea foi destruído pelo domínio incomparável de Klopp no ​​momento psicológico.

O Liverpool com força total é muito melhor que o Chelsea, mas venceu a final da Carabao Cup não por talento superior, mas por mentalidade superior, juntamente com um inconfundível senso de identidade que une o time titular e a academia – em outras palavras, coisas que Buhle e Clerlake fez o que o dinheiro não pode fazer: simplesmente comprar.

“Eles precisam sentir dor”, disse Pochettino sobre os jogadores do Chelsea. A dor dessa perda humorística será difícil de se livrar, pois será imortalizada nas duras palavras de Neville.

(Imagem superior: as mudanças de Pochettino não foram tão eficazes quanto as mudanças de Klopp. Foto: Mike Hewitt/Getty Images)



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.