Conglomerado Estelar Alfa Persei
Publicidade

O aglomerado estelar Alpha Persei: Uma imagem óptica do aglomerado estelar Alpha Persei do segundo Digitized Sky Survey (DSS-II). Este aglomerado é um dos primeiros formados na família Alpha Persei e é o homônimo da família. Crédito: Pesquisa Digitizada do Céu II do ESO/STScI

Muitos aglomerados estelares próximos, originários de apenas três “famílias”, têm uma história de formação marcada por explosões de supernovas que também deixaram vestígios na Terra.

Astrónomos da Universidade de Viena rastrearam as origens dos aglomerados estelares jovens próximos até três regiões massivas de formação estelar. Usando dados da missão Gaia, eles descobriram que as explosões de supernovas moldaram significativamente a nossa via Lácteaestruturas de gás, incluindo a bolha local em torno do nosso sistema solar.

Colisor 135 Aglomerado Estelar
Publicidade

O aglomerado estelar Collinder 135: Uma imagem óptica do aglomerado estelar Collinder 135 do segundo Digitized Sky Survey (DSS-II). Este cluster é um dos primeiros formados na família Collinder 135 e é o homônimo da família. Crédito: Pesquisa Digitizada do Céu II do ESO/STScI

Muitos aglomerados estelares próximos originam-se de apenas três “famílias”

Uma equipa internacional de astrónomos liderada pela Universidade de Viena decifrou a história da formação de enxames estelares jovens, alguns dos quais podemos ver a olho nu à noite. A equipa, liderada por Cameren Swiggum e João Alves da Universidade de Viena e Robert Benjamin da Universidade de Wisconsin-Whitewater, relata que a maioria dos aglomerados estelares jovens próximos pertencem a apenas três famílias, que se originam de regiões de formação estelar muito massivas.

Esta investigação também fornece novos conhecimentos sobre os efeitos das supernovas (explosões violentas no final da vida de estrelas muito massivas) na formação de estruturas gigantes de gás em galáxias como a nossa Via Láctea. Os resultados foram publicados recentemente na renomada revista Natureza.

Cluster de 6 estrelas mais messier
Publicidade

Publicidade

O aglomerado de estrelas Messier 6: Uma imagem óptica do aglomerado de estrelas Messier 6, também conhecido como “aglomerado de borboletas”, do segundo Digitized Sky Survey (DSS-II). Este aglomerado é um dos primeiros formados na família Messier 6 e é o homônimo da família. Crédito: Pesquisa Digitizada do Céu II do ESO/STScI

Explorando a estrutura da Via Láctea

“Os aglomerados estelares jovens são excelentes para explorar a história e a estrutura da Via Láctea. Ao estudar os seus movimentos no passado e, portanto, a sua origem, também obtemos informações importantes sobre a formação e evolução da nossa galáxia”, afirma João Alves, da Universidade de Viena, coautor do estudo.

Usando dados precisos do Agência Espacial EuropeiaCom a missão Gaia da ESA (ESA) e observações espectroscópicas, a equipa traçou as origens de 155 aglomerados de estrelas jovens num raio de cerca de 3.500 anos-luz em torno do Sol. A sua análise mostra que estes aglomerados estelares podem ser divididos em três famílias com origens e condições de formação comuns.

Aglomerado Estelar NGC 2451A
Publicidade

O aglomerado estelar NGC 2451A: Uma imagem óptica do aglomerado estelar NGC 2415A do segundo Digitized Sky Survey (DSS-II). É um membro da família Messier 6. Crédito: Pesquisa Digitizada do Céu II do ESO/STScI

“Isto indica que os jovens aglomerados estelares se originam de apenas três regiões de formação estelar muito ativas e massivas”, diz Alves. Essas três famílias de estrelas recebem o nome de seus aglomerados estelares mais proeminentes: Collinder 135 (Cr135), Messier 6 (M6) e Alpha Persei (αPer).

“Estas descobertas oferecem uma compreensão mais clara de como os aglomerados estelares jovens na nossa vizinhança galáctica estão interligados, tal como os membros de uma família ou ‘linhagens sanguíneas’,” afirma o autor principal Cameren Swiggum, estudante de doutoramento na Universidade de Viena. “Ao examinar os movimentos 3D e as posições passadas destes aglomerados estelares, podemos identificar as suas origens comuns e localizar as regiões da nossa galáxia onde as primeiras estrelas nestes respetivos aglomerados estelares se formaram há até 40 milhões de anos.”

Cluster Estelar IC 2602
Publicidade

O aglomerado estelar IC 2602: Uma imagem óptica do aglomerado estelar IC 2602, também conhecido como “Plêiades do Sul”, do segundo Digitized Sky Survey (DSS-II). É um membro da família Alpha Persei. Crédito: Pesquisa Digitizada do Céu II do ESO/STScI

Essas enormes explosões provavelmente também criaram nossa “bolha local”

O estudo descobriu que mais de 200 explosões de supernovas devem ter ocorrido dentro destas três famílias de enxames estelares, libertando enormes quantidades de energia nos seus arredores. Os autores concluíram que esta energia provavelmente teve um impacto significativo na distribuição de gás na Via Láctea local.

“Isso poderia explicar a formação de uma superbolha, uma bolha gigante de gás e poeira com um diâmetro de 3.000 anos-luz em torno da família Cr135”, explica Swiggum.

Conglomerado Estelar IC 2391
Publicidade

Publicidade

O aglomerado estelar IC 2391: Uma imagem óptica do aglomerado estelar IC 2391, também conhecido como “aglomerado Omicron Velorum”, do segundo Digitized Sky Survey (DSS-II). É um membro da família Messier 6. Crédito: Pesquisa Digitizada do Céu II do ESO/STScI

Nosso sistema solar também está embutido nessa bolha, a chamada Bolha Local, que é preenchida com gás muito fino e quente. “A bolha local provavelmente também está ligada à história de uma das três famílias de aglomerados estelares”, acrescenta Swiggum. “E provavelmente deixou vestígios na Terra, como sugerido pelas medições de isótopos de ferro (60Fe) na crosta terrestre.”

Aglomerado Estelar NGC 2547
Publicidade

O aglomerado estelar NGC 2547: Uma imagem óptica do aglomerado estelar NGC 2547 do segundo Digitized Sky Survey (DSS-II). É um membro da família Collinder 135. Crédito: Pesquisa Digitizada do Céu II do ESO/STScI

“Podemos praticamente transformar o céu numa máquina do tempo que nos permite traçar a história da nossa galáxia natal”, diz João Alves. “Ao decifrar a genealogia dos aglomerados estelares, também aprendemos mais sobre a nossa própria ancestralidade galáctica.” No futuro, a equipa de João Alves planeia investigar mais precisamente se e como o nosso sistema solar interagiu com a matéria interestelar na nossa galáxia natal, a Via Láctea.

Referência: “A maioria dos aglomerados de estrelas jovens próximos formaram-se em três complexos massivos” por Cameren Swiggum, João Alves, Robert Benjamin, Sebastian Ratzenböck, Núria Miret-Roig, Josefa Großschedl, Stefan Meingast, Alyssa Goodman, Ralf Konietzka, Catherine Zucker, Emily L. Hunt e Sabine Refffert, 10 de junho de 2024, Natureza.
DOI: 10.1038/s41586-024-07496-9

Esta investigação foi apoiada pelo ERC Advanced Grant ISM-FLOW (Alves), pela Agência Austríaca de Promoção da Investigação (FFG), pela Fundação Alemã de Investigação (DFG) e NASA.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.