• O Comac C919 não é muito diferente do que a Airbus e a Boeing já têm no mercado e “não vai abalar o barco em particular”, disse Christian Scherer, CEO do negócio de companhias aéreas comerciais da Airbus.
  • “Parece um Airbus de fuselagem estreita”, disse Scherer, observando, ironicamente, que o C919 “não é muito diferente” da Airbus e da Boeing já existentes no mercado.

Fevereiro. Uma aeronave C919 da Commercial Aircraft Corp of China (COMAC) operada pela China Eastern Airlines durante o Singapore Airshow em Cingapura, terça-feira, 20, 2024.

Bloomberg | Bloomberg | Boas fotos

CINGAPURA – A companhia aérea doméstica da China pode ser o mais recente desafio para os jatos de passageiros da Airbus e da Boeing, mas um executivo da Airbus disse que não está preocupado.

O Comac C919 “não vai abalar o barco particularmente”, disse Christian Scherer, CEO da divisão de companhias aéreas comerciais da Airbus, em uma mesa redonda de mídia à margem do Singapore Airshow.

“Parece um Airbus de fuselagem estreita”, disse Scherer, observando, ironicamente, que o C919 “não é muito diferente” da Airbus e da Boeing já existentes no mercado.

Scherer reconheceu que o C919 é um “esforço legítimo” da China – mas “o mercado é grande o suficiente para a concorrência e saudamos a concorrência”.

“Não queremos enfiar a cabeça na areia… é normal ver mais concorrência”, acrescentou Scherer.

Uma porta-voz da Comac não respondeu imediatamente ao pedido de comentários da CNBC.

Considerado um concorrente do 737 e do Airbus 320 da Boeing, o Comac C919 é um jato de fuselagem estreita desenvolvido pela Commercial Aviation Corporation of China, ou Comac. Foi certificado pela Administração de Aviação Civil da China em setembro de 2022 e entrou em serviço comercial com a China Eastern Airlines em maio do ano passado.

O Comac C919 usa o mesmo motor do Airbus A320neo, um avião de passageiros de fuselagem estreita equipado com motores CFM International LEAP.

À margem do Air Show na terça-feira, a COMAC anunciou que assinou um acordo com a chinesa Tibet Airlines e finalizou um pedido de 40 jatos C919 e 10 ARJ21 da fabricante chinesa de aviões.

O jato ARJ21 é uma aeronave turbofan de curto e médio alcance que pode voar distâncias curtas e é utilizado para voos regionais.

Embora o C919 só tenha sido certificado pelas autoridades chinesas, especialistas da indústria disseram que poderia ser um dos primeiros candidatos ao duopólio aeroespacial comercial entre a Boeing e a Airbus.

“Os contatos da indústria com quem estamos conversando para acreditar nos problemas da Boeing, especificamente no 737 Max, dão à Commock uma oportunidade inicial”, disse Chris Olin, analista da Northcoast Research, anteriormente à CNBC.

– Nessa Anwar da CNBC contribuiu para esta história.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.