Anitta refletiu sobre crescer nas favelas brasileiras e quebrar as “regras” para realizar seus sonhos no evento Power of Women Presented by Lifetime da Variety, na quinta-feira, realizado no Cooper Hewitt, Smithsonian Design Museum, em Nova York.

A superestrela brasileira recebeu o prêmio das mãos de Bruna Marquezine, que celebrou a “autenticidade e paixão ardente pela música” de Anitta.

“Você é um agente de mudança – um verdadeiro embaixador da nossa cultura em todo o mundo”, disse Marquezine. “Você é uma mulher destemida que superou diversas barreiras sociais e culturais para chegar onde está – abrindo portas para muitas outras mulheres em nosso país e servindo como inspiração e símbolo de empoderamento feminino, coragem e liberdade.”

Em seu discurso, Anitta refletiu sobre sonhar grande enquanto crescia nas favelas, onde disse que as pessoas são “tratadas como lixo” do Brasil.

“Nascemos acreditando que essas coisas não são possíveis para nós, porque não temos. Não há estrutura. Não há oportunidades”, disse Anitta em seu discurso. “Nascemos e crescemos no gueto deste país… não temos as ferramentas que deveríamos ter para estar em todos os lugares com que sonhamos.”

Anitta representa a instituição de caridade CUFA (Central Única das Favelas), que tem sede na cidade natal de Anitta, no Rio de Janeiro. A CUFA visa promover uma sociedade mais justa e livre de pobreza, proporcionando aos residentes empobrecidos programas educacionais sem fins lucrativos e ajuda assistida pelo governo.

Os programas da CUFA vão desde o ensino de competências técnicas e informáticas a adolescentes, enquanto outros oferecem atividades culturais – desde a participação em ligas desportivas reconhecidas internacionalmente e workshops de música – para todas as idades. Grande parte dos seminários e programas musicais focam na cultura funk e hip-hop que inspirou o último LP de Anitta, “Funk Generation”.

Em outra parte de seu discurso, Anitta falou sobre quebrar as “regras” que lhe ensinaram enquanto crescia como mulher no Brasil.

“Havia tantas regras. Tantas regras sobre como ser mulher, como se comportar, como encontrar o melhor marido, como ficar bem para o público, ser a garota fofa com quem todo mundo quer se casar”, disse Anitta. “E eu simplesmente não era essa pessoa. Eu queria sacudir a bunda, queria ser livre, queria ganhar meu próprio dinheiro.”

Ela também destacou aqueles que a ajudaram a chegar a esse ponto de sua carreira, incluindo sua empresária Rebeca León e seu novo selo, Republic Records.

Nela Variedade Na reportagem de capa, Anitta falou sobre sua redefinição de carreira, o que a levou a gravar o funk brasileiro “Funk Generation”. O álbum, lançado em 26 de abril, inclui participações de Sam Smith, Bad Gyal e outros, e surge depois que Anitta superou uma série de problemas de saúde.

“Agora eu aprecio muito a morte”, disse Anitta Variedade. “Achei que ia morrer. E se o fizesse, queria ter a certeza de ter deixado para trás um trabalho que realmente representasse a mim e aos sons que adoro. Eu já tinha conseguido os sucessos; Eu já fiz isso pelos números. A morte e o fato de não sabermos o que o amanhã nos reserva me fazem sentir mais vivo. Agora quero tentar algo que me faça sentir um artista novamente.”

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.