Conceito De Arte De Dados Geoespaciais Do Mapa Do Smartphone ilustração
Publicidade

A evolução dos dados geoespaciais, alimentada pelos avanços tecnológicos, levou à sua aplicação generalizada e à democratização da criação de dados. Uma pesquisa colaborativa descreve impactos significativos em vários setores e a necessidade contínua de integrar fontes de dados tradicionais e geradas por usuários para uma análise abrangente. Os esforços futuros visam ampliar o crowdsourcing geoespacial e maximizar os seus benefícios sociais. Crédito: SciTechDaily.com

Os dados geoespaciais passaram por transformações significativas devido à internet e aos smartphones, revolucionando a acessibilidade e as atualizações em tempo real.

Uma equipa internacional colaborativa analisou esta evolução, destacando oportunidades e desafios de crescimento.

‘Mudança sísmica’ para dados científicos crowdsourced apresenta oportunidades promissoras

O conceito de dados geoespaciais, ou informações relacionadas a localizações na superfície da Terra, evoluiu. Com o advento da Internet e dos smartphones amplamente disponíveis, as direções que antes estavam disponíveis apenas em um mapa de papel agora são atualizadas no seu telefone em tempo real para contabilizar o tráfego. Essa evolução foi e continuará a ser impulsionada pela forma como os dados são recolhidos, de acordo com uma colaboração internacional de investigação que representa 18 instituições em quatro países.

A equipe revisou o estado atual dos dados geoespaciais, destacando áreas potenciais de crescimento, bem como possíveis desafios, para servir como uma referência fundamental para orientar aplicações para uso acadêmico e social.

Seu trabalho foi publicado no Jornal de Sensoriamento Remoto.

Publicidade
Crowdsourcing de dados geoespaciais para observações da Terra e humanas
Publicidade

Dezoito especialistas na área desenvolveram uma revisão abrangente resumindo como o crowdsourcing de dados geoespaciais pode beneficiar as observações da Terra e humanas. Crédito: Xiao Huang, Universidade Emory

Mudança de criação e análise de dados

“O cenário da criação e análise de dados passou por uma mudança sísmica nos últimos tempos”, disse o co-autor Xiao Huang, professor assistente da Emory University. “Esta mudança de paradigma foi precipitada por vários factores-chave, incluindo o acesso generalizado à Internet, a omnipresença dos smartphones e um aumento geral na cultura participativa.”

De acordo com Huang, a mudança foi profunda em todos os tipos de indústria. Ele apontou o planejamento urbano, o transporte e o monitoramento ambiental como particularmente impactados, com “visões em tempo real sem precedentes e perspectivas orientadas pela comunidade, muitas vezes levando a processos de tomada de decisão mais responsivos e adaptativos”, graças aos dados gerados pelos usuários. O mesmo tipo de dados também está informando o setor comercial, com estratégias de marketing e desenvolvimento de produtos centradas no cliente mais bem informadas.

Democratização de Dados

“O significado desta mudança reside no empoderamento de indivíduos comuns para contribuir e influenciar campos tradicionalmente dominados por especialistas e autoridades”, disse Huang. “Esta democratização não só diversificou os tipos de dados disponíveis, mas também levou a uma visão mais rica e multifacetada do comportamento humano e das mudanças ambientais.”

Apesar de tal mudança, no entanto, os investigadores afirmaram que ainda é necessária uma perspectiva abrangente e abrangente para ligar as várias fontes de dados, tais como plataformas de redes sociais, com domínios de aplicação, tais como saúde pública ou detecção remota.

Unindo fontes de dados e aplicativos

“Nosso objetivo é preencher essa lacuna e fornecer uma visão holística do uso e do potencial do crowdsourcing de dados geoespaciais”, disse Huang. “Neste estudo, conduzimos uma análise exaustiva dos atuais esforços, possibilidades e obstáculos associados aos dados geoespaciais de crowdsourcing através de duas perspectivas fundamentais: observações humanas e observações da Terra.”

As observações da Terra referem-se ao trabalho de grandes entidades, como instituições académicas ou órgãos governamentais, para registar dados, em oposição às observações humanas feitas nas redes sociais, por exemplo. Ao combinar estas duas perspectivas, os investigadores identificaram sete desafios específicos: garantir a qualidade dos dados e precisão; proteger a privacidade dos dados; treinar e educar não especialistas; sustentar a coleta de dados; navegar por questões legais e éticas; e interpretação de dados. O seu artigo resume a situação actual em cada área, bem como um potencial caminho a seguir.

Publicidade

Potencial de dados crowdsourced

“Os dados geoespaciais de crowdsourcing têm um papel crítico e um vasto potencial na melhoria das observações humanas e da Terra”, disse Huang. “Estes dados, fornecidos pelo público em geral através de várias plataformas, oferecem observações espaço-temporais de alta resolução que os métodos tradicionais podem perder. Este documento de revisão abrangente sublinha a democratização da recolha de dados e as suas implicações para vários sectores, enfatizando a necessidade de integrar estas fontes de dados não tradicionais para uma compreensão e tomada de decisões mais abrangentes e diferenciadas.”

Direções Futuras no Crowdsourcing

Os investigadores identificaram três direções principais para o futuro: expandir o âmbito do crowdsourcing geoespacial através do aproveitamento do poder da multidão; ser pioneiro em um ecossistema de crowdsourcing sustentável, da motivação à retenção; e traduzir dados geoespaciais de crowdsourcing em impacto no mundo real.

“Nosso objetivo é aumentar o escopo e o impacto do crowdsourcing geoespacial, incorporando a dimensão temporal, integrando recursos avançados inteligência artificial e aprendizado de máquinae utilizando tecnologias avançadas, garantindo ao mesmo tempo a inclusão, especialmente de regiões sub-representadas”, disse Huang. “Encorajamos o pioneirismo num ecossistema de crowdsourcing sustentável, promovendo uma comunidade forte e motivada de cientistas cidadãos, oferecendo incentivos eficazes e educação abrangente, e colmatando as divisões digitais. Este esforço culmina na tradução dos ricos dados geoespaciais de crowdsourcing em impactos tangíveis no mundo real, informando decisões políticas, avançando a investigação científica e capacitando comunidades e indivíduos a nível global.”

Referência: “Crowdsourcing de dados geoespaciais para observações terrestres e humanas: uma revisão” por Xiao Huang, Siqin Wang, Di Yang, Tao Hu, Meixu Chen, Mengxi Zhang, Guiming Zhang, Filip Biljecki, Tianjun Lu, Lei Zou, Connor YH Wu, Yoo Min Park, Xiao Li, Yunzhe Liu, Hongchao Fan, Jessica Mitchell, Zhenlong Li e Alexander Hohl, 22 de janeiro de 2024, Jornal de Sensoriamento Remoto.
DOI: 10.34133/sensor remoto.0105

Os coautores incluem o autor correspondente Siqin Wang, Spatial Sciences Institute, University of California, Los Angeles; Di Yang, Centro de Ciência da Informação Geográfica de Wyoming, Universidade de Wyoming; Tao Hu, Departamento de Geografia, e Connor Yuhao Wu, Departamento de Ciência de Gestão e Sistemas de Informação, ambos da Universidade Estadual de Oklahoma; Meixu Chen, Departamento de Geografia e Planejamento, Universidade de Liverpool; Meixu Zhang, Escola de Medicina Carilion, Virginia Tech; Guiming Zhang, Departamento de Geografia e Meio Ambiente, Universidade de Denver; Filip Biljecki, Departamento de Arquitetura, Universidade Nacional de Singapura; Tianjun Lu, Departamento de Ciências da Terra e Geografia, California State University-Dominguez Hills; Lei Zou, Departamento de Geografia, Texas A&M, College Station; Yoo Min Park, Departamento de Geografia, Universidade de Connecticut; Xiao Li, Unidade de Estudos de Transporte, Universidade de Oxford; Yuzhe Liu, Centro MRC para Meio Ambiente e Saúde, Colégio Imperial de Londres; Hongchao Fan, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia; Jessica Mitchell, Laboratório de Análise Espacial, Universidade de Montana; Zhenlong Li, Departamento de Geografia, Universidade da Carolina do Sul; e Alexander Hohl, Departamento de Geografia, Universidade de Utah.

O Fundo Inicial do Corpo Docente da Faculdade de Artes e Ciências da Emory University apoiou esta pesquisa.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.