A experiente escritora e diretora dinamarquesa Birgitte Stærmose, recentemente creditada pelo programa da Netflix “In From the Cold”, “The Spanish Princess” de Starz e pela foto de encerramento de Göteborg 2023 “Camino”, deve se apresentar no programa Dokument do Festival de Cinema de Berlim, sua foto híbrida “Pós-guerra”.

Variedade garantiu com exclusividade o trailer do panfleto anti-guerra do helmer produzido pela Magic Hour Films na Dinamarca (“Burma VJ”) em coprodução com a sueca Vilda Bomben Film (“Excess Will Save Us”), a finlandesa Bufo (“Fallen Leaves ”) e Kabineti do Kosovo.

Uma meditação sobre os efeitos de longo prazo da guerra, “Afterwar” é o longa-metragem derivado do curta-metragem de Stærmose, “Out of Love”. A história de um grupo de crianças de rua em Pristina tentando sobreviver após a guerra do Kosovo ganhou vários prêmios em 2010, incluindo uma Menção Especial Berlinale Generation 14Plus.

Com 15 anos de produção, “Afterwar” foi co-criado com quatro dos atores amadores de “Out of Love” – ​​​​Gëzim Kelmendi, Xhevahire Abdullahu, Shpresim Azemi e Besnik Hyseni.

Através de uma fusão semelhante de documentário e ficção, baseada na performance encenada e no realismo bruto, o diretor oferece um olhar mais atento sobre a vida das crianças que se tornaram adultos, enquanto ainda lutam para sobreviver. Assombrados pelo seu passado, sonham com um futuro melhor para si, para as suas famílias e para a humanidade como um todo.

“Fazer o curta-metragem com eles quando crianças foi uma experiência que me mudou como ser humano e como cineasta”, diz Stærmose, que manteve contato com alguns deles ao longo dos anos e acompanhou outros nas redes sociais. “Fiquei muito curiosa para descobrir como o destino deles quando crianças os afetou quando jovens adultos”, conta ela Variedade, enquanto expande a gênese de “Afterwar”.

“O que significa crescer pobre e crescer numa sociedade pós-guerra? Você pode escapar desse destino? Eu queria contar uma história que estivesse mais próxima da verdade sobre o tipo de limbo em que a guerra pode deixar as pessoas. Essa guerra não é apenas um momento no tempo. Os seus efeitos perduram nas pessoas que sobreviveram à guerra, durante gerações. As consequências humanas da guerra são enormes e tendemos a ignorar isso. É muito difícil para nós realmente encararmos esse fato”, afirma.

Sobre o seu estilo cinematográfico híbrido, Stærmose diz que é antes de tudo uma realizadora de ficção, mas a realidade do Kosovo, que considerou “intensa e fascinante” quando a experimentou pela primeira vez em 2006, despertou o seu desejo de “ser formalisticamente ousada”. “Foi como se o ‘Designer de Produção’ não tivesse chegado. Em Copenhague, onde moro, o ‘Designer de Produção’ trabalha horas extras há décadas!” ela brinca.

A matéria-prima para a narração foi baseada em entrevistas com o elenco sobre temas totalmente abstratos (como ‘com o que você sonha?’) e realistas, inspirados no questionário de Proust. O conteúdo foi então encenado em cenas escritas e monólogos, criados em plena colaboração com o elenco.

“Trabalho intencionalmente na elevação da realidade”, explica Stærmose, sublinhando que “quase não filmou nada do que aconteceu na realidade, apenas o material encenado”. “Eu criei elementos na narrativa e usei atores misturados perfeitamente com o ‘elenco real’. Às vezes, um membro da família é a pessoa real, às vezes, um ator.”

As locações também foram utilizadas como ferramenta para realçar a realidade e transformá-la em algo maior. “É um estilo de cinema de confronto, mas eu queria ter certeza de que o público não encararia as declarações (dos protagonistas) com mera piedade”, acrescenta ela.

Birgitte Stærmose
Crédito: Jette Jørs

Os temas principais de “Afterwar” sobre dignidade, vergonha e sonhos surgiram das perguntas feitas nas entrevistas, mas o mais importante é que refletem a vida atual dos protagonistas, diz o dirigente. “Quando você tem vinte e poucos anos, você luta pela sua identidade, para ganhar o respeito dos outros, e tem imensa esperança e sonhos para o futuro”, ela insiste.

Embora “Out of Love” tenha sido escrito pelo célebre roteirista e dramaturgo dinamarquês Peter Asmussen (“Breaking the Waves”, “Day and Night”), sua morte em 2016 forçou Stærmose a seguir seus passos com “Afterwar”.

“Resumindo, Peter e eu trabalhamos com base no princípio de dar às crianças palavras maiores do que elas mesmas usariam, sentindo que continham esses grandes sentimentos não expressos e vida emocional interior. Quando tive que escrever o novo roteiro, tentei ficar mais próximo das entrevistas e de suas palavras do que Peter estava no filme original”, observa Stærmose. “Eu tinha medo de perder a autenticidade e também senti que as palavras das crianças que se tornaram adultos tinham que ser usadas com bastante exatidão, para homenagear sua capacidade adulta de refletir em uma escala maior.”

Ao lado dos monólogos encenados, ela acrescentou cenas atuadas com diálogos, criando histórias ficcionais completas para cada um dos personagens, “histórias ficcionais que de alguma forma estavam enraizadas em sua realidade coletiva”, afirma.

Questionado sobre os maiores desafios durante as filmagens, Stærmose acha difícil escolher um aspecto específico. “Foi um filme incrivelmente difícil de fazer, então não sei por onde começar!” ela comenta, antes de detalhar as filmagens nas ruas, nas montanhas abaixo de 20 graus negativos, fazendo cenas de ficção bastante grandes e ambiciosas com uma pequena equipe de documentário, conseguindo o primeiro dia de filmagem do último episódio do COVID, mantendo o projeto passando por uma pandemia em um muito orçamento pequeno, tendo que ser incrivelmente flexível e improvisado em todos os momentos, mantendo ao mesmo tempo um objetivo cinematográfico rigoroso, confiando no experimento e confiando no processo durante um período tão longo.”

Apoiando totalmente a visão de Stærmose estava a produtora Lise Lense-Møller, fundadora da Magic House Films que se uniu aos coprodutores Visar Arifaj no Kosovo, Fredrik Lange na Suécia, Misha Jaari, Mark Lwoff na Finlândia e o produtor associado norueguês Andrea Berentsen Ottmar (“ A Pior Pessoa do Mundo”). Até o momento, Lense-Møller estava negociando direitos globais com um agente de vendas internacional.

“Afterwar” é um dos 20 títulos que concorrem ao Prêmio Berlinale de Documentário e seu belo prêmio em dinheiro de US$ 43 mil.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.