De acordo com os estudos da semiótica e suas abordagens, é possível afirmar:e acordo com os estudos da semiótica e suas abordagens, é possível afirmar:

Publicidade

I. Toda vez que nos comunicamos, o fazemos a partir dos signos; essa ação levará o receptor a elaborar outra mensagem também utilizando signos e assim sucessivamente.

II. É possível observar que a comunicação não acontece em fluxo, numa sequência, se dá “como um sistema estruturado de signos e códigos”

III. O signo é uma coisa que representa uma outra coisa: seu objeto. Ele só pode funcionar como signo se carregar esse poder de representar, substituir uma outra coisa diferente dele.

IV. O signo não é o objeto. Ele apenas está no lugar do objeto. Portanto, ele só pode representar esse objeto de um certo modo e numa certa capacidade.

Publicidade

V. Há muitos e diversos tipos de signos e qualquer definição de signo deverá ter em conta não só a polissemia do termo signo, mas sobretudo a diversidade dos próprios signos.


De acordo com os estudos da semiótica e suas abordagens, podemos afirmar o seguinte:

I. Toda vez que nos comunicamos, o fazemos a partir dos signos; essa ação levará o receptor a elaborar outra mensagem também utilizando signos e assim sucessivamente. Essa afirmação é verdadeira. Segundo a semiótica, a comunicação ocorre por meio de signos, que são elementos que representam algo para alguém. A comunicação é um processo contínuo no qual os signos são usados para transmitir mensagens e gerar novas interpretações.

II. É possível observar que a comunicação não acontece em fluxo, numa sequência, se dá “como um sistema estruturado de signos e códigos”. Essa afirmação é verdadeira. A comunicação não ocorre de forma linear, mas sim como um sistema estruturado de signos e códigos que possuem relações e regras específicas. A semiótica analisa essas estruturas e busca compreender como os signos e códigos são utilizados para criar significados.

III. O signo é uma coisa que representa outra coisa: seu objeto. Ele só pode funcionar como signo se carregar esse poder de representar, substituir uma outra coisa diferente dele. Essa afirmação é verdadeira. Segundo a semiótica, o signo é uma entidade que representa ou substitui algo diferente dele, chamado de objeto. O signo possui um poder de representação, ou seja, tem a capacidade de remeter ao objeto que ele representa.

Publicidade

IV. O signo não é o objeto. Ele apenas está no lugar do objeto. Portanto, ele só pode representar esse objeto de um certo modo e numa certa capacidade. Essa afirmação é verdadeira. A semiótica enfatiza que o signo não é o próprio objeto, mas sim algo que está no lugar do objeto. O signo possui uma relação arbitrária com o objeto, ou seja, não há uma conexão intrínseca entre o signo e o objeto que ele representa. Além disso, o signo tem limitações em relação à representação do objeto, sendo capaz de representá-lo apenas de um certo modo e em uma certa capacidade.

V. Há muitos e diversos tipos de signos, e qualquer definição de signo deverá ter em conta não só a polissemia do termo signo, mas sobretudo a diversidade dos próprios signos. Essa afirmação é verdadeira. A semiótica reconhece a existência de diversos tipos de signos, incluindo palavras, imagens, gestos, sons, entre outros. A definição de signo deve levar em consideração não apenas a polissemia do termo signo, que se refere à multiplicidade de sentidos que um mesmo signo pode ter, mas também a diversidade intrínseca dos próprios signos, que podem variar em sua forma, função e contexto de uso.

Publicidade
Share.

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.