Fonte da imagem, AFP via Getty Images

Comente a foto,

As Forças Armadas Dinamarquesas contam atualmente com cerca de 20.000 efetivos ativos, incluindo cerca de 9.000 soldados profissionais.

A Dinamarca anunciou planos para expandir o recrutamento militar para mulheres pela primeira vez e aumentar o tempo de serviço padrão.

Pretende também aumentar o seu orçamento de defesa em cerca de 6 mil milhões de dólares (4,6 mil milhões de libras) nos próximos cinco anos para atingir os objectivos da NATO.

O primeiro-ministro Mitter Frederiksen disse: “Não estamos nos rearmando porque queremos a guerra. Estamos nos rearmando porque queremos evitá-la.”

As tensões aumentaram na Europa desde a invasão massiva da Ucrânia pela Rússia em fevereiro de 2022.

Frederiksen, que revelou as reformas na quarta-feira, disse que o governo procurava alcançar a “plena igualdade de género”.

Entretanto, o Ministro da Defesa, Troels Lund Poulsen, afirmou: “Um recrutamento mais robusto, incluindo a plena igualdade de género, deve contribuir para resolver os desafios da defesa, da mobilização nacional e do pessoal das nossas forças armadas”.

As mulheres no país escandinavo já podem ser voluntárias no serviço militar.

O governo planeia agora introduzir o recrutamento obrigatório para mulheres a partir de 2026, tornando-o apenas no terceiro país europeu – juntamente com a Noruega e a Suécia – a exigir que as mulheres sirvam nas forças armadas.

Também diz que o serviço de recrutamento será estendido de quatro para 11 meses para homens e mulheres.

No ano passado, 4.700 pessoas serviram nas forças armadas, 25% das quais eram mulheres. Este número aumentará para 5.000 anualmente.

As Forças Armadas Dinamarquesas contam atualmente com cerca de 20.000 efetivos ativos, incluindo cerca de 9.000 soldados profissionais.

O país, com uma população total de quase seis milhões, também está a trabalhar para aumentar os seus gastos militares dos actuais 1,4% do PIB para 2%, a fim de atingir os objectivos estabelecidos pela aliança militar da NATO.

A Dinamarca foi um dos mais fortes apoiantes da Ucrânia, fornecendo-lhe armas e fundos avançados, e também treinando pilotos ucranianos em aviões de guerra F-16 de fabricação americana.

Dois países nórdicos – Finlândia e Suécia – aderiram recentemente à OTAN, enquanto a aliança trabalha para reforçar as suas defesas na Europa na sequência da invasão da Ucrânia pela Rússia.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.