Edward Snowden criticou as conclusões de uma recente investigação da Reuters, que relatou que o Pentágono lançou uma campanha secreta para “semear dúvidas sobre a segurança e eficácia das vacinas” no estrangeiro.

O relatório, divulgado na sexta-feira, diz que a campanha teve como alvo as Filipinas numa tentativa de contrariar a influência da China. De acordo com a Reuters, “através de contas falsas na Internet destinadas a fazer-se passar por filipinos, os esforços de propaganda dos militares transformaram-se numa campanha antivacinas” na primavera de 2020 até meados de 2021, no meio da pandemia do coronavírus.

A agência de notícias identificou mais de 300 contas no X, antigo Twitter, que participaram numa campanha para difundir teorias de que a vacina chinesa Sinovac não teve sucesso no combate aos efeitos do vírus Corona. “Quase todos eles foram criados no verão de 2020 e centrados no slogan #Chinaangvirus – Tagalog para a China é o vírus”, informou a Reuters. Uma postagem dizia: “Da China – EPI, máscara facial, vacina: falso. Mas o coronavírus é real”.

Snowden é um crítico veemente das “notícias falsas” e de sua disseminação nas redes sociais. O Departamento de Justiça acusou um ex-contratado da Agência de Segurança Nacional (NSA) de espionagem em 2013, após o vazamento de milhares de registros ultrassecretos, expondo a vigilância da agência sobre informações privadas de cidadãos.

Edward Snowden falando remotamente na WIRED25: WIRED comemora seu 25º aniversário – dia 2, em 14 de outubro de 2018, em São Francisco, Califórnia. Na sexta-feira, Snowden republicou uma investigação da Reuters que concluiu que o Pentágono estava envolvido em…


Philip Farone / Getty Imagens para WIRED25
Publicidade

Ele continua a ser uma figura polarizadora, com alguns elogiando o seu trabalho como denunciante, expondo práticas de vigilância e recolha de informações, enquanto outros dizem que ele ameaçou a segurança nacional e é um traidor. Desde o vazamento, ele mora na Rússia e obteve a cidadania russa em 2022.

Publicidade

Na postagem de X na manhã de sábado, ele compartilhou de novo o artigo da Reuters com a legenda “Puta merda”. Ele iniciou um tópico, com a próxima postagem dizendo: “Isso será ensinado nas aulas de história”.

Publicidade

Uma terceira postagem no tópico de Snowden compartilhou uma captura de tela do final da investigação, dizendo: “V Documento de estratégia não classificado No ano passado, os principais generais do Pentágono escreveram que os militares dos EUA poderiam minar adversários como a China e a Rússia usando “desinformação espalhada através das redes sociais, narrativas falsas disfarçadas de notícias e atividades subversivas semelhantes”. (to) Enfraquecer a confiança da sociedade ao minar os fundamentos do governo.

Publicidade

“Se o governo está respirando a palavra ‘desinformação’ novamente”, escreveu Snowden, “é melhor que todos os jornalistas presentes dêem as costas à plataforma. Eles estão roubando centenas de milhões de dólares dos contribuintes (pelo menos!) para envenenar o Internet.”

A Reuters escreveu que esta campanha de desinformação começou durante a presidência de Donald Trump e continuou depois que o presidente Joe Biden assumiu o cargo, enquanto a última administração tentava separar-se da campanha.

Publicidade

“A Casa Branca de Biden emitiu um decreto na primavera de 2021 proibindo os esforços antivacinas, o que também desacreditou as vacinas produzidas por outros concorrentes, e o Pentágono iniciou uma revisão interna”, descobriu a Reuters.

Semana de notícias Entrei em contato com o Pentágono por e-mail para comentar no sábado. Semana de notícias Snowden enviou uma mensagem para sua conta X para comentar no sábado.

Um funcionário do Ministério da Defesa reconheceu à Reuters a existência do programa, mas recusou-se a fornecer detalhes à agência de notícias.

Publicidade

Uma porta-voz do Pentágono disse à Reuters que os militares dos EUA “utilizam uma variedade de plataformas, incluindo redes sociais, para combater estes ataques maliciosos que visam os Estados Unidos e os seus aliados e parceiros”. Ela disse que a China iniciou uma “campanha de desinformação para culpar falsamente os Estados Unidos pela propagação da Covid-19”.

Conhecimento incomum

A Newsweek está empenhada em desafiar a sabedoria convencional e encontrar conexões na busca por pontos comuns.

A Newsweek está empenhada em desafiar a sabedoria convencional e encontrar conexões na busca por pontos comuns.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.