• Por Chris Mason
  • Editor político, BBC News

Há muito barulho e muitos números.

E, para muitos de nós, não dormimos muito.

E mais resultados virão neste fim de semana.

Mas como estão as coisas agora?

Primeiro, os maus resultados eleitorais estão a tornar-se um hábito perigoso para os conservadores.

As eleições para o governo local foram realizadas no ano passado.

De várias eleições parciais.

O quadro para Rishi Sunak continua sombrio.

Se o seu mandato foi estabelecido com os dois objectivos de estabilizar o navio do governo e reavivar a sorte dos conservadores, é justo dizer que ele alcançou o primeiro deles.

Ele exerce uma variedade de alavancas políticas. Ele define ideias com entusiasmo. E não fizeram diferença para a sorte dele ou do seu partido.

Em contraste – e obscurecendo ainda mais o estado de espírito dos Conservadores – está a capacidade relativamente recente dos Trabalhistas de vencer eleições gerais onde deveriam.

Eles eram bons em acumular muitos votos em lugares onde já ganharam, e nem de longe votos suficientes em lugares onde não ganharam.

Isso parece estar mudando.

Contudo, surpreendentemente, não há sinais de uma revolta conservadora contra o primeiro-ministro.

Por que? Porque as consequências para eles são terríveis, mas não piores do que se temia.

Título do vídeo, ASSISTA: Eleições locais na Inglaterra e no País de Gales… em 60 segundos

Uma figura importante sugeriu que os deputados conservadores eram “notavelmente frios”.

Um ex-ministro disse que os resultados “não foram catastróficos” – embora aceitasse discretamente que apontavam para uma derrota nas eleições gerais.

Os trabalhistas estão confiantes de que os resultados indicam que estão no caminho certo para obter a maioria quando todo o país for às urnas.

Os Liberais Democratas veem provas da sua capacidade de capitalizar a angústia dos Conservadores; Reforma na Inglaterra também.

E a tendência de ascensão constante do Partido Verde na política local continua.

Em essência, estes resultados confirmam o status quo – um Partido Trabalhista moderado, os Conservadores taciturnos, os partidos menores animados.

O que nos leva ao panorama geral – sim, os Conservadores estão num dilema e os Trabalhistas estão numa posição forte.

Mas, lembrem-se, para vencerem as eleições gerais, os Trabalhistas teriam de se sair surpreendentemente bem, em qualquer comparação histórica, e conseguiram.

Este facto central – bem como a sorte relativa dos partidos – moldará a conversa entre agora e as eleições gerais.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.