Galáxia Espiral ESO 422–41

Esta imagem do Telescópio Espacial Hubble captura a galáxia espiral ESO 422-41 na constelação de Columba, mostrando seus detalhados braços espirais e núcleo luminoso. A imagem faz parte de uma longa tradição de observações astronômicas, que remonta à era dos grandes levantamentos fotográficos na década de 1970. Crédito: ESA/Hubble e NASA, C. Kilpatrick

Imagem detalhada da galáxia espiral do Hubble ISSO 422-41 destaca tanto a sua estrutura repleta de estrelas como o seu significado histórico em pesquisas astronómicas.

Esta Imagem da Semana do Hubble mostra a galáxia espiral ESO 422-41, que está localizada a aproximadamente 34 milhões de anos-luz da Terra, na constelação de Columba. A estrutura irregular e cheia de estrelas dos braços espirais da galáxia e o brilho do seu núcleo denso são apresentados aqui com detalhes intrincados pela Advanced Camera for Surveys do Hubble. As imagens desta galáxia têm, no entanto, uma história de décadas.

Contexto histórico das observações astronômicas

O nome ESO 422-41 vem da sua identificação no Atlas do Céu Austral do Observatório Europeu do Sul (B). Nos tempos anteriores aos levantamentos automatizados do céu com observatórios espaciais como o Gaia da ESA, muitas estrelas, galáxias e nebulosas foram descobertas por meio de grandes levantamentos fotográficos.

Os astrônomos usaram os grandes telescópios mais avançados da época para produzir centenas de fotografias, cobrindo uma área do céu. Mais tarde estudaram as fotografias resultantes, tentando catalogar todos os novos objetos astronômicos revelados.

Avanços nas técnicas astronômicas

Na década de 1970, um novo telescópio instalado nas instalações do ESO em La Silla, no Chile, realizou um levantamento deste tipo do céu meridional, que ainda não tinha sido examinado com tanta profundidade como o céu norte. Na época, a principal tecnologia para gravação de imagens eram placas de vidro tratadas com produtos químicos. A coleção resultante de chapas fotográficas tornou-se o Atlas do Céu Austral do ESO (B).

Astrónomos do ESO e de Uppsala, na Suécia, colaboraram no estudo das placas, registando centenas de galáxias — sendo a ESO 422-41 apenas uma delas — enxames estelares e nebulosas. Muitos eram novos na astronomia.

Evolução do levantamento do céu

Desde então, o levantamento astronômico do céu passou por pesquisas digitais auxiliadas por computador, como o Sloan Digital Sky Survey e o Legacy Surveys, para pesquisas feitas por telescópios espaciais, incluindo Gaia e o Wide-Field Infrared Survey Explorer.

Mesmo assim, os levantamentos fotográficos do céu contribuíram imensamente para o conhecimento astronômico durante décadas, e os arquivos de placas de vidro servem como uma importante referência histórica para grandes áreas do céu. Alguns ainda são usados ​​ativamente hoje, por exemplo, para estudar estrelas variáveis ​​ao longo do tempo. E os objetos que estas pesquisas revelaram, incluindo o ESO 422-41, podem agora ser estudados em profundidade por telescópios como o Hubble.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.