Eldorado do Sul, Brasil – Mais chuvas começaram a cair no sábado no já inundado estado brasileiro do Rio Grande do Sul, onde muitos residentes restantes são pobres e têm capacidade limitada de se deslocar para áreas menos arriscadas.

Mais de 15 centímetros (cerca de seis polegadas) de chuva podem cair no fim de semana e potencialmente piorar as enchentes, de acordo com um boletim da tarde de sexta-feira do Instituto Nacional de Meteorologia do Brasil. Ela acrescentou que também existe uma grande possibilidade de os ventos se intensificarem e o nível das águas subir no Lago dos Patos, próximo a Porto Alegre, capital do estado, e arredores.

Moradores descansam em abrigo temporário para pessoas cujas casas foram inundadas por fortes chuvas, em Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil, quarta-feira, 8 de maio de 2024. (AP Photo/Carlos Macedo)

Na tarde de sábado, fortes chuvas caíram nas regiões Norte e Centro do estado e o nível das águas subiu.

Carlos Sampaio, 62 anos, mora em uma comunidade de baixa renda próxima ao estádio do Grêmio Futebol Clube, em Porto Alegre. Sua casa de dois andares poderia ser usada como bar esportivo.

Embora o primeiro andar tenha sido inundado, ele disse que não iria sair, em parte por causa do medo de saqueadores no bairro dominado pelo crime, onde a polícia carrega rifles de assalto enquanto patrulha as ruas inundadas. Mas Sampaio também não tinha para onde ir, disse ele à Associated Press.

“Estou analisando o quão seguro estou e sei que meus pertences não estão nada seguros”, disse Sampaio. “Enquanto eu puder lutar pelo que é meu, dentro da minha capacidade de não me deixar exposto, eu lutarei.”

As autoridades locais disseram na sexta-feira que pelo menos 136 pessoas morreram nas enchentes desde que começaram na semana passada e outras 125 estavam desaparecidas. O número de pessoas deslocadas das suas casas devido às fortes chuvas ultrapassou as 400 mil pessoas, incluindo 70 mil que procuraram refúgio em ginásios, escolas e outros locais temporários.

Cilindros de gás flutuam nas águas da enchente em um centro de distribuição de gás após fortes chuvas em Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil, sexta-feira, 10 de maio de 2024. (AP Photo/Andre Penner)

Cilindros de gás flutuam nas águas da enchente em um centro de distribuição de gás após fortes chuvas em Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil, sexta-feira, 10 de maio de 2024. (AP Photo/Andre Penner)

“Vim aqui na segunda-feira – perdi meu apartamento devido à enchente”, disse Matthews Vicari, motorista de Uber de 32 anos, dentro do abrigo onde está hospedado com seu filho. “Não passo muito tempo aqui. Tento sair e pensar em outra coisa.”

Alguns moradores do Rio Grande do Sul encontraram refúgio em segundas residências, incluindo Alexandra Zanella, co-proprietária de uma agência de conteúdo em Porto Alegre.

Zanella e o seu parceiro ofereceram-se como voluntários quando as cheias começaram, mas optaram por sair depois de repetidos cortes de energia e água. Ela seguiu para a cidade costeira de Capão da Canoa – até então não afetada pelas enchentes – onde a família de seu companheiro tem uma casa de veraneio.

“Fizemos uma viagem com minha cunhada, levamos nossos dois gatos, minha mãe e uma amiga dela e viemos para cá em segurança. Saímos de Porto Alegre com uma bagunça”, disse Zanella, 42, por telefone. É muito claro que quem tem “o privilégio de sair está em uma posição mais segura, e quem mora nas áreas pobres de Porto Alegre não tem outra escolha”.

Voluntários empurram uma cadeira de rodas transportando um evacuado de uma área inundada por fortes chuvas, em Porto Alegre, Brasil, terça-feira, 7 de maio de 2024. (AP Photo/Andre Penner)

Voluntários empurram uma cadeira de rodas transportando um evacuado de uma área inundada por fortes chuvas, em Porto Alegre, Brasil, terça-feira, 7 de maio de 2024. (AP Photo/Andre Penner)

O clima em toda a América do Sul é afetado pelo fenômeno climático El Niño, um evento natural que aquece periodicamente as águas superficiais do Oceano Pacífico equatorial. No Brasil, o El Niño tem causado historicamente secas no norte e fortes chuvas no sul, e os efeitos este ano foram particularmente graves.

Os cientistas dizem que condições meteorológicas extremas estão a ocorrer com mais frequência devido às alterações climáticas, causadas pela queima de combustíveis fósseis que emitem gases com efeito de estufa que causam o aquecimento global, e concordam esmagadoramente que o mundo precisa de reduzir significativamente a queima de carvão, petróleo e gás para limitar aquecimento global. .

Também são necessárias respostas de política social, disse Natalie Unterstil, presidente do Instituto Talanoa, um think tank de política climática com sede no Rio de Janeiro.

Galinhas ficam no telhado de uma casa inundada após fortes chuvas em Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil, sexta-feira, 10 de maio de 2024. (AP Photo/Andre Penner)

Galinhas ficam no telhado de uma casa inundada após fortes chuvas em Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil, sexta-feira, 10 de maio de 2024. (AP Photo/Andre Penner)

“Fornecer uma resposta eficaz às mudanças climáticas no Brasil exige que combatamos a desigualdade”, disse Unterstiel.

No Brasil, as pessoas pobres muitas vezes vivem em casas construídas com materiais menos resistentes, como a madeira, e em áreas não regulamentadas, mais vulneráveis ​​a danos causados ​​por condições climáticas extremas, como áreas baixas ou encostas íngremes.

“Não podemos dizer que o pior já passou”, disse o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leyte, nas redes sociais na sexta-feira. No dia anterior, estimou-se que seriam necessários 19 mil milhões de riais (3,7 mil milhões de dólares) para reconstruir o país.

A escala da devastação pode ser semelhante à do furacão Katrina, que atingiu Nova Orleans em 2005, escreveu Sergio Valle, economista-chefe da MB Associates, em nota na sexta-feira.

Moradores descansam em ginásio convertido em abrigo para pessoas cujas casas foram inundadas pelas fortes chuvas, em Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil, 8 de maio de 2024. (AP Photo/Carlos Macedo)

Moradores descansam em ginásio convertido em abrigo para pessoas cujas casas foram inundadas pelas fortes chuvas, em Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil, 8 de maio de 2024. (AP Photo/Carlos Macedo)

O Rio Grande do Sul tem o sexto maior PIB per capita entre os 26 estados e o Distrito Federal do Brasil, segundo o Instituto Nacional de Estatística. Muitos dos residentes do estado são descendentes de imigrantes italianos e alemães.

“No imaginário popular, o povo gaúcho é visto como branco e abastado, mas essa não é a realidade”, disse Marilia Clos, pesquisadora do CIPO, um think tank climático. “É muito importante dissipar esta fantasia, porque se baseia num objectivo político” de apagar as populações negras e pobres, disse ela.

Na cidade de Canoas, uma das cidades mais afetadas do estado, a casinha de madeira de Paolo Cesar Wolf ficou totalmente submersa, junto com todos os seus pertences. O caminhoneiro, que é negro, hoje mora na traseira de um caminhão emprestado com seis vizinhos, que ali cozinham, comem e dormem.

Pessoas que perderam suas casas devido às enchentes vivem em uma carreta de caminhão em Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil, sexta-feira, 10 de maio de 2024. (AP Photo/Andre Penner)

Pessoas que perderam suas casas devido às enchentes vivem em uma carreta de caminhão em Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil, sexta-feira, 10 de maio de 2024. (AP Photo/Andre Penner)

Wolf, 54 anos, pensa em deixar a zona rural onde mora desde a infância, mas não tem para onde ir e não quer deixar seus quatro filhos adultos para trás.

“É tarde demais para alguém como eu se mudar para outro lugar”, disse Wolf, vestindo uma jaqueta doada enquanto estava na estrada.

O Instituto Meteorológico espera que a chegada de uma massa de ar frio e seco reduza as chances de chuva a partir de segunda-feira. Mas também significa que as temperaturas deverão cair drasticamente, para quase zero na quarta-feira. Isso torna a hipotermia uma preocupação para quem está úmido e sem eletricidade.

Celebridades, incluindo a supermodelo gaúcha Gisele Bündchen, compartilharam links e informações sobre onde e como doar para ajudar as vítimas das enchentes. Igrejas, empresas, escolas e cidadãos comuns reuniram-se em todo o país para oferecer apoio.

Voluntários se reúnem para ajudar moradores a evacuar área inundada por chuvas torrenciais, em Porto Alegre, Brasil, terça-feira, 7 de maio de 2024. (AP Photo/Andre Penner)

Voluntários se reúnem para ajudar moradores a evacuar área inundada por chuvas torrenciais, em Porto Alegre, Brasil, terça-feira, 7 de maio de 2024. (AP Photo/Andre Penner)

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados distribui cobertores e colchões. Está enviando itens adicionais, como abrigos de emergência, utensílios de cozinha, cobertores, lâmpadas solares e kits de higiene, de seus estoques no norte do Brasil e em outras partes da região.

O governo federal brasileiro anunciou na quinta-feira um pacote de 50,9 bilhões de reais (US$ 10 bilhões) para funcionários, beneficiários de programas sociais, estados, municípios, empresas e produtores rurais do Rio Grande do Sul.

No mesmo dia, a Força Aérea Brasileira lançou de paraquedas mais de duas toneladas de alimentos e água em áreas inacessíveis devido ao fechamento de estradas. A Marinha enviou três navios para ajudar os afetados, incluindo o navio multiuso Atlantic, que afirma ser considerado o maior navio de guerra da América Latina. Chegou ao litoral do estado no sábado.

O porta-voz de segurança nacional da Casa Branca, John Kirby, disse na sexta-feira que os Estados Unidos enviaram 20 mil dólares para produtos de higiene pessoal e limpeza e forneceriam mais 100 mil dólares em ajuda humanitária através de programas regionais existentes.

Moradores descansam em abrigo temporário para pessoas cujas casas foram inundadas por fortes chuvas, em Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil, quarta-feira, 8 de maio de 2024. (AP Photo/Carlos Macedo)

Moradores descansam em abrigo temporário para pessoas cujas casas foram inundadas por fortes chuvas, em Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil, quarta-feira, 8 de maio de 2024. (AP Photo/Carlos Macedo)

___

Eleonor Hughes reportou do Rio de Janeiro.

___

A cobertura climática e ambiental da AP recebe apoio financeiro de diversas fundações privadas. A AP é a única responsável por todo o conteúdo. Procure pontos de acesso Padrões Para trabalhar com instituições de caridade, lista de apoiadores e áreas de cobertura financiadas em AP.org.

window.fbAsyncInit = function() { FB.init({appId: ‘870613919693099’, xfbml: true, versão: ‘v2.9’ }); }; (função(d, s, id){ var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)(0); if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = “fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(documento, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Adalberto André

“Praticante freelancer de cultura pop. Estudioso de mídia social orgulhoso. Fanático por viagens. Especialista em comida. Especialista em café.”

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.