Dorsay Alavi passou quase 20 anos acompanhando o grande jazz Wayne Shorter com uma câmera antes de estar pronta para lançar seu documentário de três horas no Amazon Prime, “Wayne Shorter: Zero Gravity”.

O vencedor de 12 Grammys foi um dos mais aclamados compositores e saxofonistas do jazz. Ele morreu no ano passado, aos 89 anos.

“Wayne foi apenas uma daquelas pessoas que convidou você para a vida dele”, disse Alavi Variedade. “Ele era um mentor espiritual, um mentor de vida. Ele tinha uma história de vida muito interessante, mas ao mesmo tempo era um ser humano interessante – uma daquelas pessoas que você não encontra com muita frequência na vida.

“Ele era muito humanista e tinha grande consideração por cada pessoa que encontrava; ele tinha um desejo real de fazer o bem no mundo e inspirar outros a sonhar grande, a não ter medo e a fazer mudanças que fossem boas para todos”, diz ela.

Publicidade

Shorter colaborou com alguns dos grandes nomes. Ele tocou com o Jazz Messengers de Art Blakey e o quinteto de Miles Davis na década de 1960, foi cofundador do grupo de jazz fusion Weather Report em 1970 e frequentemente fez parceria com a lenda do jazz Herbie Hancock, que é entrevistado ao longo do documento.

“Ele era um gênio”, diz Hancock. “Ele era um explorador. ‘Zero Gravity’ meio que indica seu espírito, que sempre foi tentar algo que parecia impossível. Quando o ouvi com Art Blakey, ele tinha uma velocidade incrível no instrumento, com todas aquelas ideias incríveis.”

Joni Mitchell, Carlos Santana, Don Was, Sonny Rollins, Terence Blanchard e Joe Zawinul estão entre os outros artistas entrevistados no filme. “Havia algo em Wayne que todos eles queriam ter em seus álbuns”, observa Alavi. “Ele trouxe muito para a mesa; Acho que todos ficaram encantados com as habilidades de Wayne e sua abordagem musical.”

A vida de Shorter foi marcada pela tragédia. Sua filha morreu de convulsão aos 14 anos e sua esposa Ana Maria morreu na queda do voo 800 da TWA em 1996. Hancock acredita que a fé budista de Shorter o ajudou a superar o choque e o desgosto. “Ele passava a maior parte do tempo consolando os amigos”, lembra Hancock.

Um dos aspectos mais incomuns do filme é o uso extensivo de animação para retratar o pensamento livre e a sensibilidade de longo alcance de Shorter. “A natureza exploradora de Wayne, seu amor pela ficção científica e pelo cosmos e sua abordagem filosófica da vida levaram às escolhas que fiz”, explica Alavi.

Publicidade

Ela usou três animadores diferentes para os três segmentos (chamados de “portais”, pois ela “queria transportar você para um determinado período da vida de Wayne”). “Seus desenhos foram inspiradores para mim porque Wayne era um artista visual, e senti que eles representavam melhor o estilo caprichoso de Wayne, seu espírito.”

Outra surpresa é a aparição do astrofísico Neil deGrasse Tyson, que se revela um grande fã de Shorter. “Eles eram quase como uma equipe de comédia”, diz Alavi, “especialmente lá embaixo, na sala de diversão de Wayne, com todas aquelas estatuetas”. Shorter era um colecionador de esculturas em miniatura de fadas e vários super-heróis de quadrinhos.

Shorter assistiu e aprovou a versão final do filme de Alavi. “Ah, sim”, ela observa, “Wayne viu tudo em sua última edição porque terminamos no final do início de 2019. Fiz questão de honrar a vida dele porque foi um grande privilégio que ele me deu, para retratar sua vida na tela.”

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.