John Sinclair, o ativista da contracultura e ex-empresário do MC5 que ajudou a definir a política radical daquele conjunto proto-punk, morreu na terça-feira aos 82 anos.

A morte de Sinclair por insuficiência cardíaca congestiva no Hospital Receptor de Detroit foi relatada pela primeira vez pelo Detroit News e confirmada por um representante de sua família.

Muito antes do impacto instantâneo da mídia social, Sinclair ajudou a gerar o movimento de jornais alternativos nitidamente politizados como uma fonte rápida de informações sobre o “underground”, como a contracultura era chamada na época, com publicações de Detroit como Fifth Estate (que ainda existe), a Ann Arbor Sun, a Detroit Artists Workshop Press e sua ramificação Work Magazine. Mais tarde na vida, ele trabalhou como intérprete e artista de gravação com foco no que chamava de “poesia jazzística”, gravando mais de 30 álbuns com diferentes nomes de bandas, incluindo os Blues Scholars, que incluíam seu amigo de longa data Wayne Kramer, o Guitarrista e cofundador do MC5 que faleceu em fevereiro deste ano.

“Sinclair é um daqueles caras do tipo ‘muitas coisas para muitas pessoas’”, disse Kramer Painel publicitário em 2018. “Ele tem muitas paixões, muitos interesses, muitas causas que mantém… Nem sempre é um santo ou o cara mais fácil de conviver, e às vezes a gente o odiava. Mas eu diria que ele foi um mentor e um amigo.”

Foi através do MC5 que Sinclair encontrou sua maior fama.

Em 1966, a banda de rock Motor City conseguiu um show regular no Grande Ballroom de Detroit, onde conheceram Sinclair – um escritor político radical e líder do Partido dos Panteras Brancas apelidado de “Rei dos Hippies” – e no ano seguinte o tornaram o empresário do grupo. Por sua vez, Sinclair transformou-os na banda oficial dos Panteras Brancas e alimentou suas políticas radicais. Depois de trazer o MC5 para a Convenção Nacional Democrata de 1968 em Chicago (onde eles se tornaram a única banda a se apresentar lá antes que a polícia interrompesse o massivo comício anti-guerra do Vietnã), Sinclair conseguiu que a banda assinasse com a Elektra para o álbum de estreia ao vivo de 1969, “Kick Fora os congestionamentos.

“Ele foi uma parte muito importante no que o MC5 se tornou”, disse Kramer.

John Sinclair nasceu em Flint, Michigan, em 2 de outubro de 1941. Depois de se matricular no Albion College em 1960, ele desistiu durante o primeiro ano. Quando frequentou o Flint College da Universidade de Michigan tornou-se parte do jornal escolar da universidade A palavracom seu interesse em escrever e publicar atuando como objetivos claros para seu futuro.

Após sua formatura em 1964, Sinclair começou a trabalhar como redator para a revista de jazz DownBeat, e em 1965, mergulhou na poesia, ganhando notas altas com suas leituras na agora lendária Berkeley Poetry Conference. Em 1967, ele e sua esposa, Leni Sinclair, fundaram o jornal underground, o Ann Arbor Sol. Além de se tornar um líder do Partido dos Panteras Brancas na mesma época, a crescente defesa da maconha por parte de Sinclair começou a colocá-lo em apuros.

Com duas condenações anteriores por porte de maconha em seu nome, Sinclair foi preso em 1969 por posse de dois baseados (ele tentou vendê-los a um policial disfarçado) e condenado a 10 anos de prisão. A severidade da sentença levou muitos no mundo da música a se manifestarem em seu nome.

No festival de Woodstock daquele verão, o chefão de Yippie, Abbie Hoffman, foi expulso do palco por Pete Townshend por tentar fazer um discurso sobre Sinclair durante o set do Who (o grupo não teve problemas com Sinclair, e na verdade o cantor Roger Daltrey mais tarde usou frequentemente um “Camiseta gratuita de John Sinclair; o problema era interromper o set deles). E John Lennon não apenas gravou sua música, “John Sinclair” para o álbum de 1972 dele e de Yoko Ono, “Some Time in New York City”, como o casal, junto com os nativos de Detroit Bob Seger e Stevie Wonder, participaram de um comício pela liberdade em 1971 em Ann Arbor em solidariedade a Sinclair.

Sinclair foi libertado da prisão dois dias após o comício.

“John estava na vanguarda do movimento pela maconha”, disse Matt Lee As notícias de Detroit. “Mas não acho que as pessoas percebessem o quão conhecedor ele era da música americana e ele era um especialista certificado em todas as formas de jazz e ritmo e blues americanos.”

Além de lançar álbuns, ler poesia e escrever ensaios sobre cannabis, ele criou a Fundação John Sinclair em 2004, uma organização sem fins lucrativos com sede em Amsterdã para garantir a preservação e apresentação de todo o seu trabalho nas artes, letras e cannabis. esforços de legalização.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.