Juno captura duas plumas vulcânicas ativas na lua Io de Júpiter

Em 3 de fevereiro, a espaçonave Juno da NASA capturou imagens de duas plumas vulcânicas na lua de Júpiter, Io, possivelmente indicando atividade de duas aberturas de um único vulcão ou de dois vulcões separados. A equipa da Juno planeia analisar este evento em conjunto com dados de missões anteriores para melhorar a nossa compreensão da dinâmica vulcânica de Io. Crédito: NASA/JPL-Caltech/SwRI/MSSS, AndreaLuck © CC BY

NASAA sonda Juno de Io observou duas plumas vulcânicas em Io, sugerindo atividade vulcânica significativa em Júpiteré lua.

Num feito astronómico significativo, a sonda Juno da NASA ampliou mais uma vez a nossa compreensão da dinâmica do sistema solar ao capturar duas plumas vulcânicas que se erguem acima do horizonte da lua de Júpiter, Io.

Este evento, registado no dia 3 de fevereiro, apresenta uma visão fascinante da atividade vulcânica que caracteriza Io, um dos corpos geologicamente mais ativos do nosso sistema solar. As imagens, capturadas pelo instrumento JunoCam da Juno a uma distância de aproximadamente 3.800 quilómetros, mostram plumas que podem ter-se originado de duas aberturas pertencentes a um único vulcão massivo ou de dois vulcões distintos localizados próximos um do outro.

Esta descoberta abre novos caminhos para análise, uma vez que a equipa da Juno planeia comparar estas observações com outros dados recolhidos pela Juno e por missões anteriores para aprofundar a nossa compreensão da natureza vulcânica de Io.

Nave espacial Juno da NASA entrando na órbita de Júpiter

Uma ilustração mostra a espaçonave Juno da NASA entrando na órbita de Júpiter em 4 de julho de 2016, depois de viajar por quase cinco anos e mais de 2,7 bilhões de quilômetros. Crédito: NASA/JPL/SwRI

Antecedentes da Missão de Juno

Lançada em 5 de agosto de 2011, a espaçonave Juno embarcou em uma missão para explorar Júpiter, o maior planeta do nosso sistema solar. Os objetivos da Juno são multifacetados, visando desvendar os segredos da atmosfera, do ambiente magnético e da estrutura de Júpiter.

Ao estudar Júpiter, os cientistas esperam obter informações sobre a formação do sistema solar, compreendendo como os gigantes gasosos se formam e o papel que estes planetas massivos desempenham na construção de sistemas planetários.

Após uma viagem de quase cinco anos, Juno entrou na órbita de Júpiter em 4 de julho de 2016, e desde então tem conduzido observações de perto do planeta e das suas luas. O conjunto de instrumentos científicos da Juno, incluindo a JunoCam, uma câmara colorida de luz visível, forneceu imagens sem precedentes da atmosfera de Júpiter e imagens detalhadas das suas luas, incluindo Io.

Região Polar Norte da Lua Joviana Io

Esta imagem que revela a região polar norte da lua jupiteriana Io foi tirada em 15 de outubro de 2023, pela sonda Juno da NASA. Três dos picos das montanhas visíveis na parte superior da imagem, perto da linha divisória dia-noite, foram observados aqui pela primeira vez pela JunoCam da sonda. Crédito: Dados de imagem: NASA/JPL-Caltech/SwRI/MSSS, Processamento de imagem por Ted Stryk

Io: uma potência vulcânica

Io destaca-se como a lua mais vulcanicamente ativa do sistema solar, uma distinção que tem fascinado os cientistas desde que a sua natureza vulcânica foi revelada pela primeira vez pela sonda Voyager em 1979.

Esta lua mais interna de Júpiter é ligeiramente maior que a lua da Terra e está sujeita a intensas interações gravitacionais com Júpiter e suas outras luas grandes. Estas interações geram o aquecimento das marés, que é responsável pela atividade geológica de Io, incluindo as suas centenas de vulcões, alguns dos quais expelem plumas de enxofre e dióxido de enxofre, gás e poeira, para o espaço.

A atividade vulcânica em Io remodela continuamente a sua superfície, tornando-a um tema principal de estudo para a compreensão do vulcanismo extraterrestre.

O significado da descoberta de Juno

A observação de plumas vulcânicas em Io pela JunoCam de Juno acrescenta uma evidência vital à nossa compreensão da dinâmica vulcânica de Io. Estas plumas podem elevar-se centenas de quilómetros acima da superfície de Io, oferecendo uma demonstração espectacular do poder da natureza para além da Terra. A análise destas plumas, em conjunto com outros dados recolhidos pela Juno e por missões anteriores, tem o potencial de revelar novos conhecimentos sobre os mecanismos que impulsionam o vulcanismo de Io, a composição do seu interior e como a sua atividade influencia o sistema jupiteriano. Esta descoberta sublinha a importância da exploração e estudo contínuos dos corpos celestes do nosso sistema solar, uma vez que cada descoberta nos aproxima de desvendar os mistérios do cosmos.

À medida que a missão Juno continua a explorar Júpiter e as suas luas, as suas descobertas, como as plumas vulcânicas em Io, não só melhoram a nossa compreensão do universo, mas também inspiram futuras missões para investigar mais profundamente estes mundos distantes. Através das lentes de Juno, obtemos uma visão mais abrangente do sistema solar, lembrando-nos da natureza dinâmica e em constante mudança do espaço.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.