Justin Hartley é mais conhecido por seu papel como Kevin Pearson no aclamado festival da NBC “This Is Us”. Mas sua nova série da CBS, “Tracker”, está apresentando-o sob uma nova luz. Baseado no romance best-seller de Jeffery Deaver, “The Never Game”, “Tracker”, que tem produção executiva de Hartley e sua empresa ChangeUp Production, é centrado em seu personagem sobrevivente, lobo solitário, Colter Shaw. Estóico e indiferente, Colter viaja pelo país com seu trailer Airstream preso à sua caminhonete, rastreando pessoas e objetos mediante o pagamento de uma taxa. Um típico drama processual, “Tracker” investiga um novo mistério a cada episódio, com Colter, que se autodenomina um “recompensador” (embora seja essencialmente um caçador de recompensas), usando seu treinamento especializado para descobrir pistas que outros perderam. Embora alguns episódios sejam mais intrigantes do que outros, o enigma verdadeiramente convincente da série, a educação conturbada de Colter, não recebe o destaque que merece.

O piloto, intitulado “Klamath Falls” – e dada a tão desejada plataforma de lançamento pós-Super Bowl na CBS – segue Colter em uma missão de US$ 20.000 para determinar o paradeiro de um garoto de 14 anos que desaparece após ser contatado por seu pai biológico distante. Este episódio de abertura ilustra minuciosamente a preocupação de Colter com pequenos detalhes, domínio de incontáveis ​​armas e conhecimento abrangente das porcentagens de sobrevivência. Infelizmente, quando a série não está ativamente focada nas várias pistas dos casos, o diálogo afetado entre os personagens torna um desafio para os espectadores se conectarem à narrativa.

Muitos dramas processuais de longa duração, como “9-1-1” e a franquia “Law & Order”, apresentam elencos robustos com cenários e histórias complexas. No entanto, “Tracker” tem um elenco modesto cujo relacionamento é complicado pelo fato de Colter estar constantemente na estrada. Seus administradores consistem em esposa e equipe, Velma (Abby McEnany) e Teddi (Robin Weigert) Bruin, que trabalham fora de casa, desenterrando casos para Colter, garantindo que ele receba as recompensas e incentivando-o a permanecer na tarefa. Bobby Exley (Eric Graise), um duplo amputado que Colter pode ter resgatado no passado, é outro membro essencial da equipe. Um hacker habilidoso, Bobby desenterra informações sobre vítimas e suspeitos sem esforço, enquanto diz uma ou duas frases espirituosas. Finalmente, há Reenie Greene (Fiona Rene), uma advogada que não permite que a tensão sexual latente entre ela e Colter influencie sua capacidade de tirá-lo de problemas legais. Como todos esses personagens estão espalhados por diferentes cantos do país, a série nem sempre parece coesa.

Como procedimento, “Tracker” funciona bem. Embora a abertura da série não seja exatamente fascinante, o episódio 2, “Springland”, segue Colter rastreando uma mulher desaparecida em uma cidade turística. A hostilidade que ele encontra por parte de todos, incluindo o xerife e uma família rica, é palpável. Quando a verdade por trás do desaparecimento da mulher é revelada, ocorre uma reviravolta genuinamente surpreendente. Episódios como este mostram como os espectadores podem ser facilmente atraídos por esses tipos de dramas, ao mesmo tempo que destacam o quão desafiador pode ser entregar capítulos envolventes de forma consistente.

Ainda assim, o aspecto mais fascinante de “Tracker” não são as inúmeras investigações do recompensador. Em vez disso, como é mostrado no piloto, a infância traumática de Colter, vivendo fora da rede e sendo criado por um pai que lida com doenças mentais e paranóia, merece um olhar mais atento. Um incidente envolvendo Colter e seus irmãos durante uma das explosões de seu pai mudou a família Shaw para sempre. Mas é claro, sendo o recluso que é, Colter não tem pressa em confrontar seu passado ou desvendar qualquer trauma que o cerca.

No geral, “Tracker” funciona bem para um drama de rede, mas não se destaca. Se não fosse pelo poder estelar de Hartley, seria esquecível, especialmente porque Colter Shaw não tem o carisma de Kevin Pearson. Mesmo em meio a brigas de faca, tiroteios e encontros perigosos, o programa não oferece nada que já não tenha sido visto em um cenário televisivo cada vez mais lotado. Embora a série seja fácil de mergulhar, sem um caso central consistente, também é tão simples se afastar dela e recorrer a séries de longa duração com seguidores cult ou outros novatos processuais que dominaram a reviravolta e destacaram um grupo principal de pistas encantadoras.

“Tracker” estreará em 11 de fevereiro na CBS após o Super Bowl, com novos episódios indo ao ar semanalmente aos domingos.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.