O ícone indie Kim Gordon, cujo excelente álbum solo “The Collective” foi lançado na semana passada, é o curador de filmes deste mês da Galerie, o novo clube de cinema online lançado pela Indian Paintbrush. Abaixo, Gordon compartilha uma curadoria profundamente pessoal de oito filmes que influenciam e refletem o áudio, a arte visual e o estilo pessoal. Embora seja mais conhecido como músico e membro cofundador do Sonic Youth, a arte de Gordon há muito se estendeu a várias outras disciplinas, sendo o cinema apenas uma delas.

Morvern Callar”, dir. Lynne Ramsay, 2002

Adoro a maneira como Lynne Ramsay usa a dinâmica sonora. Neste filme a música é como se fosse outro personagem. A mixtape que seu falecido namorado fez e deixou para ela (dizendo “Guarde a música para você”) se torna um fio condutor ao longo do filme. Ele é a música – ela não apenas o mantém vivo para ela, mas também o substitui.

Nuvens de Sils Maria”, dir. Olivier Assayas, 2014

A relação neste filme entre os dois personagens principais, Maria e Valentine, é muito multifacetada. Quando Jo-Ann entra em cena, ela traz outro metaaspecto para a coisa toda. A dinâmica do relacionamento vai mudando junto com a peça que Maria ensaia e sua atitude. Há também uma tensão subjacente que a paisagem traz. Gosto quando Val está dirigindo pela estrada sinuosa da montanha ouvindo uma música de Primal Scream e de repente ela se transforma em uma espécie de colagem sobreposta de imagens que imitam um videoclipe, retratando sua náusea. É por causa da estrada curva ou do relacionamento dela com Maria?

Casamento do meu irmão”, dir. Charles Burnett, 1983

Este filme é aparentemente tão simples, mas revela muito socioeconomicamente sobre a comunidade negra baseada em uma família com estrutura matriarcal. Conta uma história universal, mas com uma janela para a vida negra em Los Angeles que não é hiperbólica ou repleta de clichês. Eu senti como se tivesse entrado em um mundo ao qual de outra forma não teria acesso, crescendo nos anos 70 em um bairro branco de classe média em Los Angeles.

Personal Shopper”, você disse. Olivier Assayas, 2016

Kristen Stewart carrega todo esse filme praticamente sozinha. A cena das mensagens de texto no trem é incrível no suspense que cria. Também adoro como Olivier não usa músicas típicas do gênero terror, mas sim confia em sons, como o barulho exagerado do barulho das escadas na casa onde Maureen passa a noite enquanto espera por um sinal do espírito de seu irmão do além. Além disso, é engraçado ter alguém que se autoproclama um médium, mas não tem certeza sobre nada que está recebendo.

A Última Senhora”, dir. Catarina Breillat, 2007

Um melodrama de época. Quando vi esse filme pela primeira vez ri muito. O exagero de tudo, desde a saturação da cor até ao entrelaçamento dos corpos dos amantes, sempre tão emaranhados, retratando a paixão e a sensualidade feminina e o abandono a um grau ridículo. Tive o prazer de conhecer Catherine e conversamos sobre pintura. Ela disse que se considerava mais uma pintora do que uma cineasta – ela adorava o processo de ajuste de cores – e falou de seu amor pelos pintores da Renascença e pelo uso do vermelho. Li uma entrevista onde ela disse que gostava de pintar ela mesma o sangue neste filme, fazendo o que sempre fez como artista.

The Black Power Mixtape 1967–1975”, dir. Göran Hugo Olsson, 2011

Este filme utiliza imagens de 16 mm do movimento Black Power na América, filmadas por jornalistas suecos entre 1967 e 1975. É incrível assistir e relacionar-se com os dias atuais, uma conexão que é enfatizada pelo uso de observações, reações e trechos de voz de músicos contemporâneos e outros. É incrível perceber quão pouco mudou. Particularmente alarmante é o ônibus de turismo sueco que passa pelo Harlem. Um ótimo filme!

Bastardos”, dir. Clara Denis, 2013

Quando vi este filme pela primeira vez no Festival de Cinema de Nova York, pensei que era um dos filmes mais devastadoramente brutais que já vi. Mas também achei lindo. Na segunda visualização, pude realmente apreciar o quão maravilhosamente filmado foi. As cores escuras e suaves combinam com o mistério disso. Todos os filmes de Claire Denis têm muito de misterioso e tácito, mas este realmente vive no escuro. A maneira como ela usou o som gravado de situações reais, como o carro destruído passando na caçamba de um caminhão quando a câmera fica ligada e ouvimos o barulho do metal e do vento combinados por uns bons 30 segundos ou mais. Ele se integra muito bem ao resto da trilha sonora.

A empregada doméstica”, dir. Eu sou Sang-soo, 2010

Neste filme sul-coreano sobre a divisão de classes, foi interessante ver a família da classe alta ficar tão encantada com o mundo ocidental. É assim que se parece o luxo moderno. A menina está cercada por bonecas de aparência caucasiana – nenhuma delas é asiática. O champanhe é a bebida preferida, junto com o vinho caro. O protagonista masculino toca música clássica no piano todas as manhãs. No final do filme, eles estão falando em inglês. O começo era previsível, mas o final foi surpreendente.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.