Vi “Let It Be” pela primeira vez quando era criança, no verão de 1970, poucas semanas depois de seu lançamento. Minha família estava saindo de uma daquelas viagens de “férias”. Durante os quilômetros que dirigimos, ouvimos a rádio Top 40, o que significava que várias vezes ao dia eu ouvia “The Long and Winding Road”, que achei a música mais linda que já ouvi. (Até hoje, adoro a versão de bolo de camadas orquestrais do coro celestial de Phil Spector e nunca entendi a aversão de Paul McCartney a ela.) Eu sabia que a primeira coisa que faria quando voltássemos seria ir ver “ Let It Be” – e, na verdade, foram os primeiros Beatles coisa Eu tinha idade suficiente para me conectar enquanto isso acontecia.

Os Beatles, em seus primeiros anos, eram parecidos (mesmos cabelos e ternos, mesmos sorrisos em formato de limão), e mesmo depois de terem entrado na zona psicodélica com “Revolver” e “Sgt. Pepper”, eles se vestiram e pentearam com uma harmonia coordenada e espalhafatosa. Eles eram unificado. E isso fazia um sentido supremo, já que eles eram os avatares pop do amor grandiosos. Eles cantaram sobre o amor e fizeram dele um mantra; o amor era a força centrífuga que mantinha sua música unida. Mas “Let It Be”, começando com aquele título queixoso (que parecia dizer aos fãs de todo o planeta que o sonho havia acabado), tinha uma vibração muito diferente.

Filmado em 16 mm transferido para 35 mm, o documentário de Michael Lindsay-Hogg dentro do estúdio de gravação era curto e agradável (apenas 81 minutos de duração), mas também era escuro, granulado e inconstante. O filme pegou os Beatles em vários momentos de tensão (principalmente uma desavença entre Paul e George), mas mesmo quando eles estavam dançando juntos, eles pareciam separados. Eles não eram mais parecidos (pareciam frequentar quatro cabeleireiros hippies diferentes – ou, no caso de John Lennon, nenhum). As músicas eram ásperas e irregulares. Os Beatles não eram mais rapazes peludos, eram homens. E em suas identidades adultas díspares, eles pareciam incorporar algo sobre como toda a cultura estava se fragmentando.

“Let It Be” arrancou a máscara da mitologia dos Beatles. Chegando apenas um mês após a separação oficial do grupo, o filme parecia contar uma grande história de dissolução. Em “A Hard Day’s Night”, os quatro pareciam deuses brincando. E sim, eles gravaram a perfeita e sublime “Abbey Road” depois da crua e inacabada “Let It Be”. No entanto, em “Let It Be”, os rostos dos Beatles agora apareciam na tela como se fossem ex-deuses estrelando o primeiro reality show de rock ‘n’ roll.

Isso, porém, foi então. Quando Peter Jackson mergulhou de volta nas 57 horas de filmagem que Michael Lindsay-Hogg filmou para “Let It Be” e as reuniu em “The Beatles: Get Back” (2021), seu extraordinário documentário de oito horas, o épico expandido de Jackson revelou que as lendárias sessões de gravação de janeiro de 1969 não foram o deprimente da lenda. Houve muitos momentos engraçados, espirituosos e comunitários. Dito isto, o que dizer do “Let It Be” original? Após a revelação de “Get Back”, ainda pareceria a ressaca do dia seguinte da saga dos Beatles?

O filme está fora de circulação desde a década de 1980. Agora está sendo relançado pela Disney+ em uma versão restaurada pela equipe de Jackson, usando a mesma magia tecnológica que fez “Get Back” parecer e soar como uma epifania do tempo presente. A restauração permite que “Let It Be” fique mais nítido, mais brilhante, mais vivo, sem trair o filme original. As primeiras cenas filmadas nos estúdios Twickenham ainda transmitem aquele tom sombrio. Mas apenas um toque.

Para mim, porém, a revelação de ver “Let It Be” hoje, quando tudo sobre os Beatles agora é história antiga, é que, à medida que você vivencia o filme de novo (ou pela primeira vez), não é o mito dos Beatles. isso cai. É o mito de “Let It Be”. Agora acho que é um dos documentários de rock mais alegres já feitos.

O que mudou? Não é apenas a atualização de Jackson. É que os Beatles, vistos com uma retrospectiva de meio século, não parecem mais tão separados. Deles identidades permanecem separados – a essa altura, eles estavam trancados em suas próprias vidas como adultos complicados – mas o que vemos agora, sabendo de tudo isso em nossos ossos, é a profundidade emocional persistente e nas entrelinhas da conexão entre eles. Agora sentimos como a música, cada nota gloriosamente irregular dela, surge do amor que sentem um pelo outro.

O filme tem momentos que te fascinam, que te fazem desmaiar, que te elevam ao paraíso do rock. Como John dançando uma valsa com Yoko ao som da melancolia elétrica e melancólica de “I Me Mine” (Yoko, do começo ao fim, parece tão serenamente solidária e engajada que a ideia de que ela era uma presença intrusiva agora parece loucura). Ou o fervor feliz com que os Beatles deitaram músicas antigas como “Shake, Rattle and Roll” (eles ainda apreciam seu passado). Ou a maneira como “Two of Us” evolui de uma cantiga vacilante para uma ode transcendente ao amor fraternal. Ou a dose dupla de vibração romântica confessional crepitante, de John e Paul, de “Dig a Pony” e “I’ve Got a Feeling”. Ou Paul, mais bonito do que qualquer outro no rock, fazendo sua interpretação indelével da faixa-título olhando para a câmera. Ou a forma como o concerto final no terraço e a tentativa dos bobbies de Londres de encerrá-lo funcionam como uma paródia comprimida de 15 minutos de toda a contracultura dos anos 60 – os hippies versus os quadrados, exceto que na versão dos Beatles há sem bandidos. A mensagem de “Let It Be” é que mesmo que você são separados, vocês podem vir juntos.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.