A Boeing (BA) divulgou lucros na quarta-feira que superaram as expectativas de Wall Street após um primeiro trimestre tumultuado.

A Boeing relatou um prejuízo básico (ou ajustado) no primeiro trimestre de US$ 1,13 por ação sobre uma receita de US$ 1,72 estimada em US$ 16,57 bilhões, acima dos US$ 16,25 bilhões, mas um declínio de 8% em relação ao ano anterior.

A fabricante de aviões relatou um fluxo de caixa operacional negativo de US$ 3,36 bilhões, em comparação com uma perda de US$ 318 milhões no ano passado, e um fluxo de caixa negativo de US$ 3,92 bilhões, em comparação com uma perda de US$ 787 milhões no ano passado. A Boeing disse que os resultados refletem níveis mais baixos de entrega comercial e não fornecem planos de produção atualizados.

“Nossos resultados do primeiro trimestre refletem as medidas imediatas que tomamos para reduzir a produção do 737 para melhorar a qualidade”, disse o presidente e CEO da Boeing, Dave Calhoun, em comunicado. “Dedicaremos o tempo necessário para fortalecer nossos sistemas de gestão de qualidade e segurança, e este trabalho nos posicionará para um futuro forte e sustentável”.

Após o lançamento, as ações da Boeing subiram 3% nas negociações de pré-mercado.

No início de 2024, a Boeing sofreu uma explosão de plugue de porta de última geração. Isso levou à paralisação de sua frota de 737 Max 9, a uma revisão dos processos de produção e segurança do 737 da fabricante de aviões e a uma redução na produção geral de aeronaves. Isso levou a um novo denunciante documentando problemas de produto com o 787 Dreamliner e a eventual saída do CEO Dave Calhoun. As ações da Boeing tiveram o segundo pior desempenho no S&P 500 (^GSPC) neste trimestre.

A Boeing se recusou a fornecer orientação para 2024 em seu comunicado.

A Boeing anunciou isso no início deste mês, com base nas entregas do primeiro trimestre Um total de 83 voos foram entreguesincluindo 67 jatos 737, três jatos 767 e 13 jatos de fuselagem larga 787 Dreamliner. O número total de 83 voos caiu 47% em relação ao ano anterior Boeing entregou 130 aeronaves113 737 e 11 787 Dreamliners são os dois maiores componentes.

As entregas da Boeing foram retardadas pelo excesso de escrutínio dos processos de montagem de aeronaves em suas fábricas em Washington e na Carolina do Sul, levando a custos mais elevados. Os impactos nas entregas da Boeing e na produção de aeronaves também poderiam ter efeitos enormes no fluxo de caixa e nas reservas da Boeing.

A partir da esquerda, Sam Salepour, engenheiro de qualidade da Boeing;  Ed Pearson, diretor executivo da Fundação para Segurança da Aviação e ex-engenheiro da Boeing;  Joe Jacobson, engenheiro aeroespacial e consultor técnico da Aviation Safety Foundation e ex-engenheiro da FAA;  e Shawn Bruchnicki, Ph.D, professor assistente de prática profissional de engenharia de sistemas integrados na Universidade Estadual de Ohio, antes de testemunhar perante o subcomitê de Segurança Interna e Assuntos Governamentais do Senado que investiga a cultura de segurança quebrada da Boeing.  17 de abril de 2024, em Washington.  (Foto AP/Kevin Wolff)A partir da esquerda, Sam Salepour, engenheiro de qualidade da Boeing;  Ed Pearson, diretor executivo da Fundação para Segurança da Aviação e ex-engenheiro da Boeing;  Joe Jacobson, engenheiro aeroespacial e consultor técnico da Aviation Safety Foundation e ex-engenheiro da FAA;  e Shawn Bruchnicki, Ph.D, professor assistente de prática profissional de engenharia de sistemas integrados na Universidade Estadual de Ohio, antes de testemunhar perante o subcomitê de Segurança Interna e Assuntos Governamentais do Senado que investiga a cultura de segurança quebrada da Boeing.  17 de abril de 2024, em Washington.  (Foto AP/Kevin Wolff)

O engenheiro de qualidade da Boeing, Sam Salepour, e outros especialistas em aviação, engenharia e tecnologia prestam juramento antes de testemunhar em uma audiência no Senado que investiga a cultura de segurança da Boeing em 17 de abril de 2024, em Washington. (Foto AP/Kevin Wolff) (Imprensa Associada)

Na semana passada, a Boeing foi o foco de duas audiências distintas no Senado. Um investigou as práticas de segurança da Boeing e recebeu alegações sobre o 787 Dreamliner de um engenheiro da Boeing que se tornou denunciante chamado Sam Salepour. Separadamente, outro comitê do Senado realizou uma audiência que pedia uma investigação mais profunda por parte do Departamento de Justiça para determinar se a Boeing violou as regras. Um acordo de acusação diferida.

Além disso, companhias aéreas parceiras como a United (UAL) e a Delta (DAL) procuraram novos aviões de outros fabricantes de aviões, como a Airbus (AIR.PA), que se beneficiou dos problemas recentes da Boeing.

No entanto, a Boeing ainda recebeu 131 pedidos totais no primeiro trimestre, deixando sua carteira de pedidos em 5.591 aeronaves no valor de cerca de US$ 44 bilhões. Apesar de todos os problemas da Boeing, ela e a Airbus ainda oferecem apenas jatos executivos de fuselagem larga.

Da mesma forma, o negócio de defesa da Boeing é muito importante para muitos governos, principalmente os Estados Unidos. Além de caças, helicópteros militares e jatos-tanque, a Boeing fabrica vários drones para uso aéreo e marítimo.

Imprensa Subramanian é repórter do Yahoo Finance. Você pode segui-lo Twitter E assim por diante Instagram.

Para obter os últimos relatórios e análises de lucros, fofocas e expectativas sobre lucros e notícias sobre lucros da empresa, clique aqui

Leia as últimas notícias financeiras e de negócios do Yahoo Finance



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.