As placas tectônicas não são algo que a maioria das pessoas associaria a Marte. Na verdade, o núcleo morto do planeta é uma das principais razões para a famosa falta de campo magnético. E uma vez que os núcleos planetários activos são um dos principais factores impulsionadores das placas tectónicas, parece óbvio por que razão essa concepção geral se mantém. No entanto, Marte tem algumas características que consideramos correspondentes às placas tectônicas – vulcões. Um novo artigo de pesquisadores da Universidade de Hong Kong (HKU) analisa como diferentes tipos de placas tectônicas poderiam ter formado diferentes tipos de vulcões na superfície de Marte.

Normalmente, quando você pensa em vulcões em Marte, você pensa em enormes vulcões-escudo como o Olympus Mons, semelhantes aos vistos em alguns locais da Terra, como o Havaí. Estas formam-se quando erupções repetidas depositam camadas de lava durante milhões de anos. Essas erupções não são afetadas pela forma como as placas subjacentes se movem por baixo delas. Mas criam uma paisagem subjacente diferente da de qualquer outra parte do planeta.

Uma das principais diferenças é que os vulcões possuem alta concentração de sílica. A maior parte do resto do Planeta Vermelho tem uma concentração de sílica relativamente baixa e consiste principalmente de basalto. No entanto, eles têm níveis nitidamente mais elevados de sílica, e o Dr. Joseph Michalski e seus colegas da HKU acham que sabem por quê.

A PBS tem uma história geológica de Marte.
Crédito – Canal PBS Eons no YouTube

Na era arqueana, há 3 mil milhões de anos, na Terra, os geólogos teorizaram que um tipo de placas tectónicas conhecidas como “tectónica vertical” forçou a crosta do planeta a colapsar no manto do planeta. Lá, foi reformado, injetado com alta concentração de sílica e depois expelido de volta à superfície devido à erupção de vulcões.

Isso explicaria convenientemente por que os níveis de sílica dos vulcões em Marte são mais elevados do que no resto do planeta. Para apoiar as suas descobertas, o artigo descreve sinais de vários outros tipos de vulcões, como estratovulcões e cúpulas de lava, que também contêm altas concentrações de sílica e podem resultar deste tipo de tectónica teorizada.

Na Terra, outros processos geológicos activos desgastaram a rocha que poderia ter sido formada por estes processos há milhares de milhões de anos. Mas não há tanta atividade geológica em Marte, por isso fornece uma imagem mais clara da geologia resultante destes processos.

SciShow Space discute a possibilidade de Marte ainda ter vulcões ativos.
Crédito – Canal SciShow Space no YouTube

Este conjunto de trabalhos contribui para a nossa compreensão geral da geologia de Marte, e a descoberta de tantos vulcões adicionais certamente interessará aos areólogos nos próximos anos. Mas, por enquanto, esta nova teoria da história geológica de Marte é mais um passo na nossa compreensão do Planeta Vermelho.

Saber mais:
UHK – Diversos vulcões antigos em Marte descobertos pelo cientista planetário da HKU podem conter pistas sobre a atividade tectônica pré-placa na Terra
Michalski et al. – Vulcanismo diverso e reciclagem crustal no início de Marte
UT – Marte é surpreendentemente vulcanicamente ativo
UT – Cientistas encontram pistas de placas tectônicas em Marte

Imagem principal:
Vulcões em Marte

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.