Mas zoom / Ilustração artística da espaçonave OSAM-1 (parte inferior) acoplada ao satélite Landsat 7 (topo) em órbita.

NASA

A NASA cancelou uma missão acima do orçamento e atrasada para demonstrar tecnologia automatizada de manutenção de satélites em órbita, interrompendo um projeto que custou US$ 1,5 bilhão e provavelmente teria custado quase US$ 1 bilhão a mais para chegar à plataforma de lançamento.

A missão On-Orbit Service, Assembly and Manufacturing 1, conhecida como OSAM-1, teria encontrado um antigo satélite Landsat em órbita e tentado reabastecê-lo, ao mesmo tempo que demonstrava como um braço robótico poderia construir uma antena no espaço. A espaçonave para a missão OSAM-1 foi parcialmente construída, mas a NASA anunciou na sexta-feira que as autoridades decidiram cancelar o projeto “após uma revisão independente e aprofundada do projeto”.

A agência espacial citou “desafios técnicos, de custo e de cronograma contínuos” para a decisão de cancelar o OSAM-1.

Missão assustadora

O custo da missão disparou desde que a NASA lançou oficialmente o projeto em 2016. O âmbito original da missão previa apenas uma demonstração de reabastecimento, mas em 2020, as autoridades concentraram-se no objetivo da montagem em órbita. Isso envolveu a adição de um equipamento complexo chamado Space Infrastructure Dexterous Robot (SPIDER) – essencialmente um braço robótico de 16 pés (5 metros) – para montar sete elementos estruturais em uma única antena de comunicações de banda Ka.

A adição do SPYDER significa que a missão será lançada com três braços robóticos, incluindo dois acessórios necessários para manter o satélite Landsat 7 em órbita para uma demonstração de reabastecimento. Com esta mudança de escopo, o nome da missão mudou de Restore-L para OSAM-1.

a Um relatório do Inspetor Geral da NASA no ano passado Descreva atrasos nas tarefas e custos excessivos. Desde 2016, a agência espacial pediu ao Congresso US$ 808 milhões para comprar o Restore-L e o OSAM-1. Os legisladores responderam dando à NASA quase 1,5 mil milhões de dólares para financiar o desenvolvimento da missão, quase o dobro do que a NASA disse que queria.

O Restore-L, e posteriormente o OSAM-1, sempre teve apoio do Congresso. A missão foi gerenciada pelo Goddard Space Flight Center da NASA em Maryland. A ex-senadora Barbara Mikulski (D-Md.) Foi uma grande apoiadora das missões da NASA lançadas por Goddard, incluindo o Telescópio Espacial James Webb. Ela era a principal democrata no Comitê de Dotações do Senado quando o Congresso começou a financiar o Restore-L no final de 2015.

A certa altura, a NASA previu que a missão Restore-L custaria entre 626 milhões e 753 milhões de dólares e poderia estar pronta para lançamento no segundo semestre de 2020. Mas isso não aconteceu e a missão continua a enfrentar atrasos e aumentos de custos. A última programação pública do OSAM-1 mostrou uma data de lançamento em 2026.

Em 2020, depois que a missão Restore-L foi reconfigurada como OSAM-1, a NASA estabeleceu oficialmente um orçamento para a missão renomeada. Na época, a NASA disse que custaria US$ 1,78 bilhão para projetar, construir, lançar e operar. Um painel de revisão independente criado pela NASA no ano passado para examinar a missão OSAM-1 estimou que o projeto total poderia custar até US$ 2,35 bilhões, de acordo com Jimmy Russell, porta-voz da NASA.

As realidades do mercado de serviços de satélite também mudaram desde 2016. Há muitas empresas a trabalhar em tecnologias comerciais de serviços de satélite, e a indústria de satélites deixou de reabastecer naves espaciais sem motor, como o OSAM-1 teria demonstrado com as suas imagens da Terra lunar. 7. Satélites.

Em vez disso, as empresas estão se concentrando mais em prolongar a vida útil dos satélites de outras maneiras. A Northrop Grumman desenvolveu o Veículo de Extensão da Missão, que pode ser acoplado a um satélite e fornecer manobrabilidade sem interromper o abastecimento da espaçonave do cliente. Outras empresas estão de olho em satélites projetados desde o início com portos de reabastecimento. Os militares dos EUA desejam colocar depósitos de combustível e navios-tanque em órbita para servir regularmente os seus satélites, dando-lhes a capacidade de manobrar e queimar constantemente propulsores sem se preocuparem com a falta de combustível.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.