Em 28 de Fevereiro, Ismail Haniyeh, o líder político do Hamas baseado no Qatar, convocou publicamente uma marcha do Ramadão em Jerusalém, na Mesquita de Al-Aqsa, conhecida pelos Judeus como o Monte do Templo. Algumas autoridades israelitas acreditam que a ala militar do Hamas pretende que estes protestos se transformem em violência. O Hamas poderá querer evitar chegar a um acordo de cessar-fogo por receio de ser acusado de o violar caso os protestos se tornem violentos.

O Hamas acredita, de acordo com pessoas familiarizadas com as conversações, que qualquer ação na mesquita demonstraria a sua força, apesar da campanha militar de Israel em Gaza, que durou meses, e poderia aumentar a pressão sobre Netanyahu para pôr fim aos combates.

Mas o Hamas pode ter apresentado novas exigências durante as negociações por outra razão.

Na quinta-feira passada, as forças israelitas abriram fogo em Gaza enquanto uma multidão se reunia perto de um longo comboio de camiões de ajuda. A cena caótica levou à morte de mais de 100 pessoas.

As autoridades americanas criticaram fortemente a forma como Israel lidou com o comboio e o seu fracasso em fornecer segurança ao desesperado povo palestino.

Alguns responsáveis ​​informados sobre as conversações dizem que os líderes do Hamas podem acreditar que as mortes em torno do comboio humanitário reforçaram a sua posição negocial e enfraqueceram a posição internacional de Israel.

Adam Rasgon Ele contribuiu com reportagens de Jerusalém.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.