A acusação e A defesa contestou se Alec Baldwin violou as “regras fundamentais de segurança de armas de fogo” durante suas declarações de abertura no caso de homicídio culposo do ator na morte acidental da diretora de fotografia Halyna Hutchins.

A promotora Erlinda Johnson abriu o caso do estado dizendo: “Quando alguém brinca de faz de conta com uma arma de verdade, em um ambiente de trabalho real — e enquanto brinca de faz de conta com essa arma, viola as regras fundamentais de segurança com armas de fogo — a vida das pessoas está em perigo, e alguém pode ser morto.”

Ela então chamou o caso de “simples” e “direto”, argumentando que as evidências mostrariam que Baldwin “brincou de faz de conta com uma arma de verdade e violou as regras fundamentais de segurança com armas de fogo”.

O advogado de Baldwin, Alex Spiro, chamou a morte de Hutchins de uma “tragédia indizível”, mas afirmou: “Alec Baldwin não cometeu nenhum crime. Ele era um ator atuando, interpretando o papel de Harland Rust. Um ator interpretando um personagem pode agir de maneiras que são letais, que não são letais apenas em um set de filmagem. Essas regras cardeais — elas não são regras cardeais em um set de filmagem. E eu não preciso contar muito mais sobre isso porque todos vocês já viram tiroteios em filmes. E a razão pela qual isso pode acontecer é porque a segurança é garantida antes o ator.”

O caso contra Baldwin finalmente começou três anos depois que Hutchins morreu em um acidente no set em 21 de outubro de 2021. O incidente ocorreu quando a arma cenográfica que Baldwin estava usando disparou enquanto o ator ensaiava uma cena com Hutchins e o diretor do filme, Joel Souza (que também ficou ferido).

Baldwin, que se declarou inocente da acusação de homicídio culposo, afirmou que nunca puxou ou colocou o dedo no gatilho da arma quando ela disparou. Em vez disso, ele alegou que, durante o ensaio, puxou o cão do revólver para trás sem engatilhar totalmente a arma, e a arma disparou quando ele soltou o cão.

Publicidade

Ao expor o caso do estado, Johnson disse ao júri que eles ouviriam depoimentos de várias pessoas que diriam que a arma que Baldwin estava segurando — uma réplica de um revólver de ação simples de 1873 — estava funcionando quando chegou até ele. Ferrugem set (testemunhas incluem representantes do fabricante da arma, Pietta Firearms, e da empresa que distribui os produtos da Pietta nos EUA, EMF). Johnson também enfatizou que, embora o júri ouvisse frequentemente o termo “arma cenográfica” sendo usado, eles aprenderiam que uma “arma cenográfica é uma arma real — não é um brinquedo, não é feita de borracha”.

Johnson continuou dizendo que o júri veria imagens de Baldwin disparando a arma e ela funcionando “perfeitamente bem” no Ferrugem definido. Ela também disse que havia imagens de vídeo mostrando que os protocolos de segurança de armas de fogo não foram seguidos: “Você verá (Baldwin) usando a arma como um ponteiro — para apontar para pessoas, para apontar para coisas. Você o verá engatilhar o martelo quando ele não deveria engatilhar o martelo. Você o verá colocar o dedo no gatilho quando seu dedo não deveria estar no gatilho. Você ouvirá sobre inúmeras violações de segurança de armas de fogo com este réu e seu uso desta arma de fogo.”

E, disse Johnson, as evidências mostrariam que cada vez que Baldwin manuseava a arma, ele “não fazia uma verificação de segurança” com Ferrugem a armeira Hannah Gutierrez-Reed, que foi condenada por homicídio culposo no início deste ano e sentenciada a 18 meses de prisão.

Johnson disse ao júri que eles ouviriam que o motivo pelo qual Baldwin não realizou uma verificação de segurança com a “inexperiente” Gutierrez-Reed foi “porque ele não queria ofendê-la”.

Quando chegou a sua vez de falar, Spiro atribuiu a culpa pela morte de Hutchins a outro indivíduo, dizendo que havia outros na mesma situação. Ferrugem set que eram “responsáveis ​​por garantir a segurança do set e da arma de fogo — essas pessoas falharam em seus deveres”. Em contraste, ele disse, o trabalho de Baldwin, como ator, era atuar.

“É por isso que a arma tem que estar segura antes de cair nas mãos do ator”, disse Spiro em um ponto. “Sua mente está em outro lugar, no ser de outro, a um século de distância, um fora da lei. Ele deve ser capaz de pegar essa arma e usá-la como a pessoa que ele está atuando faria. Agitar, apontar, puxar o gatilho como os atores fazem — de maneiras que seriam letais no mundo real, mas são não letal em um set de filmagem.”

Ele argumentou, em vez disso, que a “questão mais crítica” era “como uma bala de verdade foi parar em um set de filmagem”, onde balas falsas e de festim (“balas falsas inertes que parecem balas de verdade”, como Spiro colocou) são usadas para close-ups e tomadas de ação. “Você não ouvirá nenhuma evidência, nem uma palavra, de que Alec Baldwin teve algo a ver com aquela bala de verdade sendo levada para aquele set”, disse Spiro.

Tendendo

Uma parte essencial do argumento da defesa gira em torno do momento em que Baldwin recebeu a arma de fogo e o termo da indústria “arma fria” foi anunciado. “O que significa”, explicou Spiro, “que ela foi verificada, e checada duas vezes, pelos responsáveis ​​para garantir que a arma estava segura. Era apenas um adereço. Todos eles pensaram que era apenas um adereço e não poderia causar danos.”

Esta história está se desenvolvendo…

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.