Narendra Modi deverá manter conversações formais com o presidente Vladimir Putin na Rússia na terça-feira, enquanto o primeiro-ministro indiano procura fortalecer os laços e acalmar as preocupações sobre a mudança de Moscou em direção à China.

Putin recebeu Modi na segunda-feira em sua residência no subúrbio de Novo Ogaryovo, nos arredores de Moscou, onde os dois homens mantiveram conversas informais enquanto tomavam chá e passeavam no parque. Negociações mais formais são esperadas na terça-feira.

Modi saudou a visita de dois dias como uma “oportunidade maravilhosa para aprofundar relações” em uma postagem na plataforma de mídia social

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, criticou a visita de Modi, descrevendo-a como uma “grande decepção”.

“É uma enorme desilusão e um golpe devastador para os esforços de paz ver o líder da maior democracia do mundo abraçar o criminoso mais mortal do mundo em Moscovo”, escreveu Zelensky no site X. Ele disse na manhã de terça-feira que o bombardeio russo que atingiu um hospital infantil em Kiev e infraestruturas civis e vitais em outros lugares na segunda-feira matou pelo menos 38 pessoas, incluindo quatro crianças, e feriu outras 190.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, à esquerda, e o presidente russo, Vladimir Putin, se abraçam durante uma reunião informal na residência de Novo Ogaryovo, nos arredores de Moscou, na segunda-feira.O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, à esquerda, e o presidente russo, Vladimir Putin, se abraçam durante uma reunião informal na residência de Novo Ogaryovo, nos arredores de Moscou, na segunda-feira.
As relações da Índia com a Rússia tornaram-se particularmente importantes para Nova Deli, à medida que as sanções ocidentais destinadas a isolar a Rússia devido à guerra na Ucrânia empurraram Moscovo para mais perto da China. © Gavril Grigorov/Pool/AFP/Getty Images
Publicidade

Esta é a primeira visita de Modi desde a invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022. A Rússia procura reunir países como a Índia em apoio da visão de Putin de uma “maioria global” liderada por Moscovo para desafiar a hegemonia dos EUA.

A Índia, por outro lado, evitou tomar um lado a favor ou contra na guerra, numa tentativa de proteger os seus laços de décadas com a Rússia, o seu maior fornecedor de armas e uma importante fonte de petróleo barato desde o início do conflito.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que os países ocidentais estavam “com inveja… e com boas razões” pelo fato de Modi ter escolhido a Rússia para sua primeira visita bilateral após as eleições indianas, nas quais Modi ganhou um terceiro mandato de cinco anos no mês passado.

Publicidade

As relações indo-russas tornaram-se particularmente importantes para Nova Deli, à medida que as sanções ocidentais destinadas a isolar a Rússia empurraram Moscovo para mais perto da China. Pequim proporcionou a Moscovo uma tábua de salvação económica, aumentando o comércio bilateral para níveis recorde e tornando-se o principal fornecedor da Rússia de componentes fabricados no Ocidente que podem ser utilizados em campos de batalha.

“A Índia quer dar à Rússia espaço de manobra”, afirma Alexander Gabuev, diretor do Centro Carnegie para a Rússia e a Eurásia em Berlim. “A Índia pode não ter as ferramentas para afastar a Rússia da China, mas quer dar-lhe o máximo de oportunidades. possível para evitar que coloque todos os ovos na cesta chinesa”.

A Índia também está num impasse com a China ao longo da sua disputada fronteira nos Himalaias e considera a neutralidade da Rússia vital para a segurança nacional, disseram as autoridades. “A China é o principal desafio”, disse Pankaj Saran, antigo embaixador da Índia na Rússia. “Realmente não podemos permitir-nos nada que transforme um amigo num inimigo”.

O comércio entre a Índia e a Rússia aumentou para mais de 65 mil milhões de dólares desde a invasão russa total, em grande parte devido a um aumento acentuado nas compras de petróleo com descontos. O petróleo bruto russo representou 43% das importações de petróleo da Índia em junho, de acordo com o fornecedor de dados Vortexa, tornando-o o segundo maior comprador depois da China.

Isto levou a um grave desequilíbrio comercial. O ministro das Relações Exteriores da Índia, Vinay Mohan Kwatra, disse aos repórteres antes da visita de Modi que Nova Delhi deseja aumentar as exportações agrícolas e farmacêuticas para a Rússia.

As sanções também complicaram a capacidade de Moscovo de repatriar as receitas do petróleo para o país devido à fraca convertibilidade da rupia. A repressão dos EUA levou os bancos a reduzir drasticamente as negociações com contrapartes russas, limitando o seu acesso a certas moedas e forçando os comerciantes a realizar transações em rublos ou mesmo a permutar mercadorias, de acordo com financiadores envolvidos no comércio.

Os Estados Unidos e a União Europeia também intensificaram os seus esforços para atingir a frota que transporta petróleo russo, tornando compradores como a Índia vulneráveis ​​a possíveis sanções futuras.

“Os bancos globais estarão relutantes em lidar com quaisquer transações que possam expô-los a medidas coercivas por parte dos Estados Unidos. A campanha alargada de designação de petroleiros poderá tornar-se um problema para os compradores indianos”, disse Benjamin Helgenstock, do Instituto de Economia de Kiev.

Acrescentou que a Índia e a Rússia estão a tentar fortalecer os sistemas de pagamentos nacionais para o comércio, mas fazê-lo em grande escala será difícil devido à capacidade limitada, bem como ao desafio de trocar rublos e rúpias por dólares e euros.

Alguns analistas disseram que a visita de Modi obscureceu o facto de a Índia apostar cada vez mais o seu futuro na cooperação económica e militar com o Ocidente.

Publicidade

A quota da Rússia nas importações de armas indianas caiu para o seu nível mais baixo em quase 60 anos entre 2019 e 2023, de acordo com dados do Instituto Internacional de Investigação para a Paz de Estocolmo, à medida que a Índia procurava tecnologia militar mais avançada de países como os Estados Unidos e Israel.

Modi também levantará preocupações sobre dezenas de seus compatriotas que foram involuntariamente recrutados para o exército russo para lutar na Ucrânia, disse Kwatra.

A crescente dependência de Moscovo dos fornecimentos chineses para a indústria de armas criou outra fonte de preocupação para a Índia, devido às preocupações de que Moscovo não possa manter sistemas de armas ou vender novas armas sem fornecimentos de componentes da China, disse Jabuyev do Carnegie Center.

“A maior parte da relação assenta em bases muito frágeis”, disse Pramit Pal Chowdhury, chefe do Sul da Ásia no Eurasia Consulting Group. “Eu diria que este é um declínio calculado”.

Reportagem adicional de Christopher Miller em Lviv e Isobel Kocio em Kiev

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.