Você já sentiu que você ou alguém que você conhece está preso em um ciclo interminável de reclamações, sem tomar nenhuma medida real para mudar as coisas?

Eu mesmo estive lá e, deixe-me dizer, não é um lugar divertido para se estar.

Mas por que fazemos isso? Por que ficamos presos no ciclo de reclamações constantes sem realmente fazer nada para melhorar a nossa situação? E como podemos mudar?

Bem, notei alguns comportamentos importantes que parecem andar de mãos dadas com esse padrão frustrante.

Com base em experiências pessoais e observações de outras pessoas, elaborei uma lista de comportamentos que revelam o reclamante que nunca muda.

Vamos nos aprofundar nesses sinais – todos nós podemos aprender a ser um pouco mais felizes se soubermos sobre eles.

1) Uma perspectiva sombria

Em primeiro lugar, há o pessimismo perpétuo. É como se todo lado positivo também tivesse um lado de ‘blá’.

Certa vez, tive um colega de quarto que incorporou isso com perfeição.

Não importava que boas notícias surgissem em seu caminho, ela sempre poderia encontrar uma maneira de transformá-las em algo negativo. Recebeu uma promoção no trabalho? Ótimo, agora há mais responsabilidade e estresse. Finalmente saiu com sua paixão? Incrível, mas ele provavelmente não ligará de volta.

Estar perto daquela energia era emocionalmente desgastante, para dizer o mínimo. É difícil permanecer alegre quando você é constantemente ofuscado pelas nuvens sombrias de tempestade de outras pessoas.

Não se trata apenas de ver arco-íris e luz do sol no mundo, apesar da realidade, mas sim, nas palavras de William Arthur Ward:

“O pessimista reclama do vento; o otimista espera que isso mude; o realista ajusta as velas.”

2) Falta de riso

O que me leva ao próximo ponto: o déficit de riso.

Você já percebeu como os reclamantes crônicos raramente abrem um sorriso genuíno? Muito menos uma gargalhada.

Lembro-me de ter passado por uma fase difícil em que fiquei fixado em tudo que estava dando errado na minha vida e no mundo.

Eu estava tão consumido pela minha própria miséria que não conseguia nem assistir a um filme engraçado ou sair à noite com os amigos. Meu senso de humor desapareceu, deixando-me em alerta total para mergulhar nas tristezas da vida.

Olhando para trás, percebo o quanto estava perdendo por não me permitir vivenciar aqueles pequenos momentos de leveza e alegria.

3) Sentindo-se com menos sorte

Depois, há a mentalidade de “ai de mim”.

Pessoas que reclamam muito tendem a se ver como vítimas perpétuas das circunstâncias. O interessante é que a forma como você percebe sua vida e sua sorte afeta o quão sortudo você é.

Isso me lembra um experimento do hipnotizador e mentalista Derren Brown, onde ele fez com que um grupo de pessoas autoproclamadas “azaradas” se juntasse ao seu grupo de sorte.

Como um teste para ver como eles se viam, ele lançava oportunidades de “sorte”, como uma nota de US$ 50 no chão ou chances de participar de uma loteria grátis.

As pessoas mais autoproclamadas azaradas perderam quase todas as oportunidades.

Mas é aqui que as coisas ficam estranhas. Algumas pessoas começaram a acreditar que de fato tiveram mais sorte. Derren Brown os levou ao recinto de feiras para jogar jogos com 100% de chance. E, inacreditavelmente, aqueles que agora acreditavam que tinham sorte venceram com mais frequência.

Isto deve dar-nos uma pausa para pensar e uma razão para garantir que os nossos pensamentos positivos não sejam oprimidos pela negatividade.

E realmente, tudo isso não é uma metáfora para o reclamante crônico? Eles ficam tão sobrecarregados com a vida e com as ofensas percebidas que deixam de reconhecer as oportunidades e bênçãos que estão bem diante deles. E por acreditarem nisso, eles têm menos sorte.

4) Postura curvada

Até mesmo a maneira como os reclamantes crônicos se comportam pode ser reveladora. O peso da sua negatividade está literalmente arrastando-os para baixo.

Certa vez, tive um colega de trabalho que era conhecido por suas reclamações constantes. E toda vez que eu o via, seus ombros estavam caídos e seu rosto estava coberto por uma carranca permanente. Uma espécie de cara de “derrota em repouso”. Sua linguagem corporal parecia gritar suas inseguranças.

Mas o problema é o seguinte: nossa postura realmente influencia nosso humor. Estudos têm mostrado que simplesmente ficar em pé e colocar um sorriso no rosto pode fazer com que seu cérebro se sinta mais feliz e confiante.

Portanto, se você estiver curvado sob o peso de suas próprias reclamações, tente ajustar sua postura. Isso pode lhe dar o impulso necessário para começar a resolver seus problemas.

Muitas pessoas trabalham com um terapeuta corporal dedicado e descobrem que, ao trabalhar sua postura, isso muda seu ser e resolve problemas em suas vidas.

5) Preso em um loop

É claro que uma das coisas mais frustrantes sobre os reclamantes crônicos é a tendência de ficarem presos nas mesmas questões repetidamente. Recorde quebrado, alguém?

Eu mesmo fui culpado disso. Houve momentos em que fiquei tão fixado em um problema ou queixa específica que não consegui enxergar além dele.

Eu desabafaria sobre a mesma coisa para qualquer um que quisesse ouvir, mas na verdade não estava fazendo nada para mudar minhas circunstâncias. As pessoas pararam de querer dar conselhos porque sabiam que não fazia sentido.

É fácil ficar confortável com nossa própria miséria. Mas se quisermos que as coisas melhorem, temos de estar dispostos a sair da nossa zona de conforto, experimentar coisas novas e agir.

6) Falar como se o pior fosse inevitável

Outra característica comum entre os queixosos crónicos é uma perspectiva fatalista.

Eu namorei um cara assim uma vez. Sempre que eu ficava entusiasmado com uma viagem ou oportunidade futura, ele imediatamente começava a listar todas as maneiras pelas quais isso poderia dar errado.

“Não tenha muitas esperanças”, ele alertava. “Alguma coisa sempre dá errado.”

Com esse tipo de atitude, não é de admirar que ele estivesse preso a uma rotina. Se você está constantemente antecipando o pior, perderá toda a alegria e emoção que a vida tem a oferecer.

Da mesma forma, meu pai tende a ser muito fatalista, suspeitando que tem uma doença fatal desde os 40 anos (ele tem 80 anos agora e ainda está bem). E presumir o pior sobre os comportamentos e intenções de outras pessoas.

Devemos ser compassivos conosco e com os outros que fazem isso, pois é uma forma de nos protegermos do perigo; sempre suspeite do pior e você poderá se surpreender se for melhor

Embora isso pareça útil, na realidade, como vimos, pode realmente atrapalhar experiências positivas e felicidade.

Se as pessoas não têm senso de agência, não acreditam que elas ou qualquer outra pessoa possam mudar para melhor.

7) Eles costumam ficar inquietos

Aqueles que reclamam muito muitas vezes lutam para encontrar contentamento nas circunstâncias atuais. Eles estão sempre procurando a próxima coisa que acham que finalmente os fará felizes. Ou manter-se ocupado para evitar a necessidade de olhar para dentro.

Eu mesmo caí nessa armadilha. Eu estabeleceria esses padrões arbitrários para minha própria satisfação – “Ficarei feliz quando conseguir essa promoção”, “Ficarei satisfeito quando me mudar para um novo país”, etc.

Mas a trave estava sempre em movimento. Não importa o que eu conseguisse ou adquirisse, sempre havia algo mais que eu achava que precisava para me sentir completo.

Não me interpretem mal, certas mudanças na vida foram ótimas para mim. Adoro viver em climas quentes perto da água, por exemplo.

Mas, além de certo ponto, temos que saber que a felicidade é um trabalho interno. Não podemos confiar em circunstâncias externas para nos proporcionar alegria e paz duradouras. Não sabemos o que o tempo trará amanhã. Em vez disso, temos que aprender a cultivar sentimentos pacíficos a partir de dentro.

8) Sempre procurando a próxima coisa para se consertar

O que me leva ao meu ponto final: a solução rápida e indescritível.

Os reclamantes crônicos que querem mudar, mas não o fazem, muitas vezes são atraídos por qualquer coisa que prometa resolver magicamente todos os seus problemas.

Eles podem saltar de uma tendência de autoajuda para outra, acreditando que o próximo livro, seminário ou ‘guru’ do Instagram será aquele que finalmente transformará suas vidas. Em suas mentes, é sempre o próximo plano, a próxima mudança, que contém a chave para sua felicidade.

E é sempre o caso de “se ao menos” – se ao menos eu morasse em outro lugar, se ao menos eu tivesse um emprego diferente, se ao menos…

No entanto, no fundo, ou se sentem incapazes de mudar, ficam impressionados com a ideia do enorme esforço que isso exige ou simplesmente ainda não estão preparados para dar um passo em frente.

Quer seja o seu mecanismo de defesa para uma melhor ligação ou o resultado de um stress duradouro, compreender a raiz das suas queixas constantes pode ajudá-lo a encontrar formas mais eficazes de gerir as suas frustrações.

Mas aqui está a dura verdade: o crescimento pessoal e a mudança positiva são importantes, mas exigem tempo, esforço e consistência.

Trata-se de comparecer todos os dias (ou o máximo que puder) e fazer o trabalho, mesmo quando for desconfortável ou inconveniente.

Considerações finais para quem quer se livrar das reclamações e ter mais alegria

Acredite em mim, já passei por muitas tocas de coelho infrutíferas no desenvolvimento pessoal. Mas foi só quando comecei a me concentrar em hábitos pequenos e sustentáveis ​​e em mudanças de mentalidade que comecei a ver resultados reais. Como fazer um diário matinal ou sair de casa logo depois de acordar.

Portanto, se você se encontra preso em um ciclo de reclamações constantes, saiba que você tem o poder de se libertar. Isso não acontecerá da noite para o dia, mas com autoconsciência, determinação e compromisso de agir, você poderá começar a criar mudanças positivas em sua vida.

Identifique os pensamentos e comportamentos que o mantêm preso e substitua-os por outros que atendam aos seus objetivos e valores.

Cerque-se de pessoas e influências que o elevem e o inspirem a dar o melhor de si.

Se necessário, procure um treinador ou terapeuta. Ou dê uma olhada na microdosagem e na terapia com cogumelos com psilocibina, que tem sido comprovado cientificamente para ajudar a redefinir padrões de pensamento negativos e dar às nossas mentes uma nova lousa.

Perdeu seu senso de propósito?

Nesta era de sobrecarga de informação e pressão para satisfazer as expectativas dos outros, muitos lutam para se conectarem com o seu propósito e valores fundamentais. É fácil perder a bússola interior.

Jeanette Brown criou este PDF gratuito de descoberta de valores para ajudar a esclarecer suas motivações e crenças mais profundas. Como experiente coach de vida e professora de autoaperfeiçoamento, Jeanette orienta as pessoas em grandes transições, realinhando-as com seus princípios.

Seus exercícios de valores exclusivamente perspicazes iluminarão o que o inspira, o que você representa e como pretende operar. Isso serve como um filtro refrescante para desligar o ruído social, para que você possa fazer escolhas baseadas no que é mais importante para você.

Com seus valores claramente ancorados, você ganhará direção, motivação e bússola para tomar decisões a partir do seu melhor – em vez de emoções passageiras ou influências externas.

Pare de vagar sem propósito. Redescubra o que faz você ganhar vida com o guia de clareza de valores de Jeanette Brown.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.