Urgente: Polícia cede à pressão e liberta correspondente da IFJ após protestos

Após protestos de algumas organizações da sociedade civil em Abuja, Território da Capital Federal, o jornalista Daniel Ojukwu, da Fundação de Jornalismo Investigativo, que foi raptado pela Equipa de Resposta de Inteligência do Inspector-Geral da Polícia, recuperou a liberdade.

Ojukwu recuperou a liberdade na sexta-feira, após dez dias em cativeiro policial.

A FIFA revelou isso na sexta-feira em seu site.

Ojukwu teria desaparecido na quarta-feira, 1º de maio, seus números foram fechados e seu paradeiro é desconhecido de seus colegas, familiares e amigos.

Vinte e quatro horas após seu desaparecimento, a Federação Internacional de Jornalistas apresentou um relatório de desaparecimento nas delegacias de polícia da área para onde Ojukwu se dirigia.

Além disso, um investigador nomeado pela FIJ localizou a última localização activa dos telefones do jornalista até um endereço em Isheri Olofin, um local que a FIJ acredita agora ter sido o local onde ele foi inicialmente detido pela polícia.

A família de Ojukwu soube posteriormente da sua detenção em Panti, onde entendeu que as autoridades o acusavam de violar a Lei do Cibercrime de 2015.

Entretanto, na manhã de domingo, a Equipa de Resposta de Inteligência do Inspector-Geral da Polícia transferiu-o para o Centro Nacional de Crimes Cibernéticos da Força Policial Nigeriana em Abuja.

A polícia entregou advogados e negociadores do IJC liderados pelo editor do jornal SaharaReporters, Omoyele Sowore; Presidente do Sindicato Nigeriano de Jornalistas na Igreja do Correspondente da FCT Jed Oyekunle; e Bukky Shonibare, Presidente do Conselho de Curadores da Federação Internacional de Justiça (FIJ), impôs condições rigorosas de fiança.

Na quinta-feira, algumas organizações da sociedade civil e jornalistas invadiram o quartel-general da força em Abuja para exigir a libertação de Ojukwu.

Uma faixa exigindo a libertação de Daniel Ojukwu durante um protesto no quartel-general da força em Abuja na quinta-feira (Credit: @BukkyShonibare)Uma faixa exigindo a libertação de Daniel Ojukwu durante um protesto no quartel-general da força em Abuja na quinta-feira (Credit: @BukkyShonibare)
Uma faixa exigindo a libertação de Daniel Ojukwu durante um protesto no quartel-general da força em Abuja na quinta-feira (Credit: @BukkyShonibare)

Entre os manifestantes está o advogado Deji Adeyanju. Activista pró-democracia e candidato presidencial do Congresso de Acção Africana nas eleições gerais de 2023, Sowore; Entre outras coisas.

Os manifestantes foram vistos carregando faixas com os dizeres “Libertem Daniel Ojukwu”, “Não ao estado policial”, “Jornalismo não é crime” e “Acabar com a impunidade”.

No entanto, depois de organizações da sociedade civil terem organizado uma marcha até à sede da força na quinta-feira para pressionar pela sua libertação, a polícia começou a moderar o assunto, levando à sua eventual libertação na sexta-feira.

“O caso de Daniel Ojukwu é um dos casos mais flagrantes de violações dos direitos humanos e abuso de poderes policiais contra jornalistas”, disse Abimbola Ojenyike, sócio-gerente da Slingstone LP e advogado da IFJ.

“Isto não ficará impune. Existe um interesse público significativo nas ações de Daniel para fazer cumprir os direitos humanos, que vai além desta simples violação. O direito constitucional à liberdade de expressão estará morto se os jornalistas não puderem mais expor as irregularidades cometidas por funcionários do governo sem medo ou repressão. ”

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.