Satélite ERS-2 19 de fevereiro

Imagem de radar do satélite ERS-2 de 19 de fevereiro de 2024: Módulo solar intacto. Crédito: Fraunhofer FHR

O Agência Espacial Europeia (ESA) e o Centro Conjunto de Consciência Situacional Espacial contrataram o Fraunhofer FHR para acompanhar a reentrada do satélite ERS-2 aposentado. Com seu radar de observação espacial exclusivo TIRA (Tracking and Imaging Radar), as órbitas finais foram medidas com alta precisão e as últimas imagens do ERS-2 foram geradas. Pela primeira vez, as mudanças na estrutura durante a reentrada foram capturadas em imagens.

Após uma missão extremamente bem-sucedida e quase 30 anos em órbita, o ERS-2 da ESA entrou na atmosfera em 21 de fevereiro de 2024, por volta das 18h17 CET (17h17 UTC). Antes disso, investigadores do Instituto Fraunhofer de Física de Alta Frequência e Técnicas de Radar (FHR) mediram o satélite da ESA várias vezes durante cerca de uma semana. As últimas imagens do ERS-2 voando pelo céu foram registradas pelo sistema de antena de 34 metros do TIRA por volta das 8h00 CET do dia 21 de fevereiro, cerca de 10 órbitas antes da reentrada. Curiosamente, os painéis solares do ERS-2 parecem já estar dobrados e parcialmente separados do resto do satélite naquele momento.

Satélite ERS-2 20 de fevereiro

Imagem de radar do satélite ERS-2 de 20 de fevereiro de 2024: Módulo solar dobrado. Crédito: Fraunhofer FHR

“Em nossos dados, podemos ver uma curvatura clara nos painéis solares, por um lado, e artefatos que podem ser causados ​​por ‘vibração’ rápida e descontrolada, por outro lado”, diz Felix Rosebrock, especialista em radar do Fraunhofer FHR. “Isto é particularmente notável porque as alterações na estrutura foram capturadas em imagens pela primeira vez durante a reentrada.”

Satélite ERS-2 21 de fevereiro

Imagem de radar do satélite ERS-2 de 21 de fevereiro de 2024: Módulo solar quebrado. Crédito: Fraunhofer FHR

Ao prever a trajetória de reentrada de um satélite, os analistas o tratam como um objeto rígido até o fim. Se o painel solar do ERS-2 já estivesse solto e móvel numa fase anterior, a órbita do satélite poderia ter sido influenciada de forma imprevisível pela fricção atmosférica. Os especialistas estão agora a analisar os dados recolhidos durante a reentrada do ERS-2 para confirmar os danos iniciais nos painéis solares. Se isto estiver relacionado com o facto de a reentrada ter ocorrido um pouco mais tarde do que o previsto, esta investigação poderá ajudar a melhorar as previsões de futuras reentradas naturais.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.