A Recording Industry Association of America anunciou a abertura de dois processos de violação de direitos autorais contra os serviços de música de IA Suno e Udio, com base no que descreve como “a violação em massa de gravações sonoras protegidas por direitos autorais, copiadas e exploradas sem permissão por dois grupos multimilionários. serviços de geração de música.”

Publicidade

Os casos são a última salva na batalha da indústria musical para impedir o uso não licenciado de gravações sonoras protegidas por direitos autorais para “treinar” modelos de IA generativa.

O caso contra a Suno, Inc., desenvolvedora do Suno AI, foi aberto no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito de Massachusetts e o caso contra a Uncharted Labs, Inc., desenvolvedora do Udio AI, foi aberto no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Sul de Nova York. Os demandantes nos casos são empresas musicais que detêm direitos sobre gravações sonoras violadas pela Suno e pela Udio – incluindo Sony Music Entertainment, Universal Music Group e Warner Records.

De acordo com o edital, os casos buscam: (1) declarações de que os dois serviços infringiram as gravações sonoras protegidas por direitos autorais dos demandantes; (2) liminares que proíbem os serviços de infringirem as gravações sonoras protegidas por direitos autorais dos demandantes no futuro; e (3) danos pelas infrações já ocorridas.

“A comunidade musical abraçou a IA e já estamos fazendo parcerias e colaborando com desenvolvedores responsáveis ​​para construir ferramentas de IA sustentáveis ​​centradas na criatividade humana que colocam artistas e compositores no comando”, disse o presidente e CEO da RIAA, Mitch Glazier. “Mas só poderemos ter sucesso se os desenvolvedores estiverem dispostos a trabalhar conosco. Serviços não licenciados como Suno e Udio, que afirmam que é ‘justo’ copiar o trabalho da vida de um artista e explorá-lo para seu próprio lucro sem consentimento ou pagamento, atrasam a promessa de uma IA genuinamente inovadora para todos nós.”

Publicidade

De acordo com o anúncio, os principais trechos das reclamações incluem:

  • “As empresas de IA, como todas as outras empresas, devem cumprir as leis que protegem a criatividade e a engenhosidade humanas. Não há nada que isente a tecnologia de IA da lei de direitos autorais ou que isente as empresas de IA de seguir as regras. º[ese] ação judicial[s] ver[k] para fazer cumprir esses princípios básicos.” (Reclamações ¶ 2.)
  • “[T]aqui há promessa e perigo com a IA. À medida que surgem ferramentas de IA mais poderosas e sofisticadas, aumenta a capacidade da IA ​​de se integrar nos processos de criação, produção e distribuição musical. Se desenvolvidas com a permissão e participação dos proprietários dos direitos autorais, as ferramentas generativas de IA serão capazes de ajudar os humanos na criação e produção de músicas novas e inovadoras. Mas se forem desenvolvidas de forma irresponsável, sem levar em conta as proteções fundamentais dos direitos de autor, essas mesmas ferramentas ameaçam causar danos duradouros e irreparáveis ​​aos artistas, às editoras discográficas e à indústria musical, reduzindo inevitavelmente a qualidade da nova música disponível aos consumidores e diminuindo a nossa cultura partilhada.” (Reclamações ¶ 3.)
  • “Construir e operar [these services] requer, desde o início, a cópia e a ingestão de grandes quantidades de dados para “treinar” um “modelo” de software para gerar resultados. Para [these services]esse processo envolveu copiar décadas das gravações sonoras mais populares do mundo e depois ingerir essas cópias [to] gerar resultados que imitam as qualidades de gravações sonoras humanas genuínas.” (Reclamações ¶ 7.)
  • “Quando aqueles que desenvolvem tal [services] roubar gravações sonoras protegidas por direitos autorais, o [services’] produções musicais sintéticas poderiam saturar o mercado com conteúdos gerados por máquinas que irão competir diretamente, baratear e, em última análise, abafar as gravações sonoras genuínas nas quais o [services were] construído.” (Reclamações ¶ 4.)
  • “Dado que a base [these businesses] tem sido explorar gravações sonoras protegidas por direitos autorais sem permissão, [they have] sido deliberadamente evasivo sobre o que exatamente [they have] copiado. Isto não é surpreendente. Afinal, responder honestamente a essa pergunta seria admitir violação intencional de direitos autorais em uma escala quase inimaginável.” (Reclamações ¶ 8.)
  • “Claro, é óbvio o que [these services are] treinado. [They] copiou as gravações sonoras protegidas por direitos autorais dos Requerentes bastante e os ingeriu em [their] Você tem um modelo[s]. [These] produtos[s] só pode funcionar do jeito [they do] copiando grandes quantidades de gravações sonoras de artistas de vários gêneros, estilos e épocas. (Reclamações ¶ 9.)
  • “[These services are] não está isento das leis de direitos autorais que protegem a autoria humana. Como qualquer outro participante do mercado, [they] não pode reproduzir obras protegidas por direitos autorais para fins comerciais sem permissão. Desconsiderando este princípio básico, [their] a cópia não autorizada corrói o valor e a integridade das gravações sonoras protegidas por direitos autorais dos Requerentes, com impacto rápido e devastador. [These] serviço[s] generoso[e] música com tal velocidade e escala que corre o risco de invadir o mercado com música gerada por IA e geralmente desvalorizar e substituir o trabalho criado pelo homem.” (Reclamações ¶ 12.)
  • “[The services] não pode evitar a responsabilidade por [their] violação intencional de direitos autorais ao reivindicar uso justo. A doutrina do uso justo promove a expressão humana ao permitir o uso não licenciado de obras protegidas por direitos autorais em certas circunstâncias limitadas, mas [the services] desligado[r] música imitativa gerada por máquina – não criatividade ou expressão humana.” (Reclamações ¶ 14.)
  • “Desde o dia [they] lançado, [the services have] desrespeitou os direitos dos proprietários de direitos autorais na indústria musical como parte de uma corrida louca para se tornar o serviço dominante de geração de música com IA. Nenhum [these services] nem qualquer outra empresa de IA generativa pode avançar em direção a esse objetivo atropelando os direitos dos proprietários de direitos autorais.” (Reclamações ¶ 81.)

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.