O ícone pornô Rocco Siffredi afirma que depois de fazer cerca de 1.400 filmes hardcore – com títulos como “The Ass Collector” e “Rocco’s Perfect Slaves” – nas últimas quatro décadas, ele finalmente encontrou “a paz dos seus sentidos”.

“Eu poderia fazer uma piada de mau gosto e dizer que não aguento mais”, diz Siffredi, 59, falando em uma videochamada do escritório de Budapeste de sua produtora Rocco Siffredi Production, que abriga a Siffredi Hard Academy, considerada a a primeira “universidade da pornografia” do mundo.

“Mas esse não é o caso. Muito pelo contrário”, apressa-se a acrescentar o trabalhador “Garanhão Italiano”. Perguntei a Siffredi sobre ser – ou ter sido notoriamente – um viciado em sexo. E as muitas vezes que ele anunciou sua aposentadoria como artista pornô, apenas para fazer outro retorno.

“Devo dizer que foi uma mistura de problemas ligados à minha vida pessoal e à dependência que esse trabalho, para o bem ou para o mal, impõe em você quando você está no set 28 dias por mês fazendo duas ou três cenas por mês. dia”, diz Siffredi. “Não sei se foi dependência ou apenas desejo. Mas eu juro, acabou.

Dito isto, ele ainda está feliz em filmar outros atores e criar pornografia. “Mas não sinto necessidade de fazer isso sozinho.”


“Supersex”, a série da Netflix inspirada na vida de Siffredi que será lançada globalmente em 6 de março após estrear no Festival de Cinema de Berlim em fevereiro, começa com Rocco anunciando: “A pornografia para mim acabou. Estou me aposentando”, em uma convenção da indústria pornográfica em Paris, em 2004. Isso realmente aconteceu. Mas em uma reviravolta fictícia escrita pela criadora do programa, Francesca Manieri, Rocco, interpretado pelo astro italiano Alessandro Borghi, então começa a fazer sexo violento na frente de uma multidão de jornalistas e fãs entusiasmados, tendo sido seduzido por uma das anfitriãs da convenção, uma aspirante a atriz pornô que está em busca de uma grande chance.

Manieri, que é uma feminista militante, diz que quando foi abordada pelo produtor Lorenzo Mieli sobre fazer um programa sobre as origens de Rocco Siffredi no set da série de TV sobre a maioridade gay de Luca Guadagnino, “We Are Who We Are” – que ela co- -escreveu — ela achou que Mieli estava brincando. Ele pediu que ela pensasse seriamente no assunto.

Todos lhe disseram que era “muito arriscado”, mas Manieri aceitou porque viu nisso uma oportunidade única.

“Eu disse a mim mesma que se quando as mulheres tiverem a oportunidade de mergulhar no cerne da masculinidade – com toda a sua disfuncionalidade e toxicidade potencial, ou mesmo o seu poder – nós recusarmos, então não poderemos mais culpar ninguém”, ela diz.

Então Manieri decidiu dar forma ao programa de sete episódios sobre como um cara chamado Rocco Antonio Tano, da pequena cidade costeira de Ortona, na empobrecida região italiana de Abruzzo, se tornou a estrela pornô mais famosa do mundo. Ela soube por Siffredi, com quem trabalhou em estreita colaboração, que uma revista de fotos pornográficas intitulada “Supersex”, da qual Rocco era fã desde os 12 anos, desempenhou um papel fundamental em sua carreira. O super-herói protagonista, um alienígena do planeta Eros, foi retratado na revista pelo ator pornô francês Gabriel Pontello, com quem anos depois Siffredi se cruzou enquanto copulava em um clube de sexo parisiense. Foi Pontello, seu ídolo, quem apresentou Rocco, então com 20 anos, aos produtores pornôs. E o resto é história.

O ícone pornô Rocco Siffredi, em quem “Supersex” é baseado
Imagens Getty

“Aquela noite foi como minha formatura do ensino médio e da faculdade reunidas em uma só”, diz Siffredi – que leva o nome do personagem gangster de Alain Delon, Roch Siffredi, no filme francês de 1970 “Borsalino”. “Quando vi o Gabriel naquele clube, soube que diante de mim estava a oportunidade que buscava desde criança. A emoção que senti é indescritível.”

“Supersex” traça a jornada de Siffredi de Ortona a Paris, Roma e depois Los Angeles, onde começou a trabalhar com o pioneiro da pornografia norte-americana John Leslie e o produtor John Stagliano. Ele investiga o relacionamento próximo de Rocco com sua mãe e irmão mais velho, Tommaso (Adriano Giannini), e com a parceira de Tommaso, Lucia, interpretada por Jasmine Trinca, uma jurada de Berlim. Lucia se torna prostituta e é um “espelho para Rocco”. “Ambos são profissionais do sexo”, diz Manieri. “Mas o julgamento social lançado sobre eles é completamente diferente.” Lúcia finalmente consegue encontrar a redenção, embora não inteiramente, “porque a nossa sociedade não permite uma reviravolta tão forte”. Mas sua personagem fornece uma “ponte entre o (reinos) feminino e masculino”.

Em termos de gênero, Manieri chama “Supersex” de um híbrido entre um melodrama e uma história de maioridade. Como referências ela cita o clássico neorrealista “Rocco e seus irmãos”, de Luchino Visconti, e o épico “Era uma vez na América”, de Sergio Leone, clássicos que apresentam respectivamente um feminicídio e um estupro, destaca. Esses filmes retratam “a dinâmica de como a psique masculina é construída”, diz ela. Da mesma forma, a série desconstrói “os limites desse tipo de masculinidade tóxica”.

Tanto Siffredi quanto Manieri dizem que há muito mais da verdadeira jornada de Rocco em “Supersex” do que um programa “apenas inspirado na minha vida”, como diz Siffredi. “As histórias são construídas sobre conflitos”, diz Manieri. “Rocco e eu em uma sala éramos o maior conflito que você poderia imaginar, então foi um ótimo começo.”


Para Borghi – conhecido do público americano por interpretar Bruno, o nativo dos Alpes que teve um colapso no drama masculino “As Oito Montanhas” – “o roteiro de Francesca é provavelmente a razão pela qual escolhi fazer esta série”. O que o interessou na história de um garoto de 8 anos de uma família pobre em Ortona que se torna a maior estrela pornô do mundo é que ela é “tão cheia de mudanças emocionais que têm a ver com dependência e dor e coisas relacionadas com sua família – todo esse lado negro”, diz ele.

“Se tivessem escrito uma série sobre um ator pornô só para mostrar o quanto ele era bom em foder, com certeza eu não teria aceitado”, acrescenta.

O que não quer dizer que não haja muito sexo quente em “Supersex”.

Borghi diz que tem cerca de 40 ou 50 cenas de sexo que “ultrapassam os limites” na série, algumas mais intensas que outras. Mas o fundamental para ele é “que cada cena que tenha a ver com sexo, com pornografia, envolva sempre uma nova reviravolta narrativa para o personagem”, ressalta. “Nunca é porque naquele ponto da narrativa você precisava oferecer um pouco de sexo para o público.” Em vez disso, as cenas quentes “podem ser a consagração de Rocco, sua felicidade ou a maneira como ele enfrenta a dor”.

Para interpretar essas cenas com diversas atrizes – incluindo Gaia Messerklinger, que interpreta a atriz pornô italiana Moana Pozzi, e Jade Pedri e Linda Caridi como mulheres com quem Rocco se envolve romanticamente – os diretores Matteo Rovere, Francesco Carrozzini e Francesca Mazzoleni contaram com um coordenador de intimidade no set. em Roma, Sicília e Paris.

“Fizemos muitas coisas diferentes”, diz Borghi, que descreve o clima instilado no set pela coordenadora de intimidade Luisa Lazzaro.

“Foi engraçado porque nas primeiras semanas estávamos todos um pouco inquietos”, diz ele, “e depois na terceira semana ficamos ali, nus, olhando as cenas no monitor. Então algo deve ter funcionado.”


Não há dúvida de que das muitas mulheres na vida de Rocco Siffredi, a mais importante é sua mãe, Carmela.

“Toda a minha jornada (no mundo da pornografia) começa com aquela mulher e seu sofrimento, meu desejo de sofrer como ela sofreu”, diz ele melancolicamente. “Sempre foi muito importante para mim encontrar a redenção para ajudar minha mãe, inclusive financeiramente.”

“Ela é a maior sorte da minha vida”, ele continua. “Uma mãe que não te julga pela sua escolha, não tenta se opor a ela ou criar problemas.” Pelo contrário: “Não é que ela me empurrou. Mas ela tinha aquela atitude protetora que diz: ‘Rocco, se isso te faz feliz, vá em frente!’”

Seguir em frente levou Siffredi de Ortona para Los Angeles em 1990. Foi muito difícil, lembra ele, devido ao seu sotaque italiano e “porque os americanos estão acostumados a vender, não a comprar”, como ele diz.

“Rocco, esse cara da Itália. Sou o primeiro europeu a desembarcar na América e mudei o pornô”, vangloria-se Siffredi, referindo-se à sua marca registrada de sexo violento na tela, sem mencionar seu pau enorme, que lhe rendeu 150 prêmios da indústria pornográfica.

Então existe uma moral para “Supersex”? Será que isso pode ajudar os adolescentes a compreender a distinção entre pornografia e sexo real? “Esta série pode ajudar os fãs de Rocco a entender melhor quem é Rocco – sua vida, de onde ele vem”, diz Siffredi.

Mas também deve ajudar os espectadores a entender o que é preciso para se tornar uma estrela pornô. “Os caras chegam na minha academia e acham que vão encontrar 10 mulheres com as pernas abertas, prontas para fazer o que quiserem”, destaca Siffredi. Mas não é assim.

De acordo com Siffredi, “a pornografia é um trabalho muito difícil; é uma vocação. Eu sempre falo para os caras: ‘Se você quer fazer isso porque está desempregado e precisa ganhar dinheiro, não vai dar certo. Porque trabalhar com sexo é a pior coisa que você pode fazer na vida.’”

Ele faz uma pausa.

“E eu sou a pessoa mais qualificada para dizer isso.”

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.