Roman Polanski foi inocentado das acusações de difamação na França em um caso ligado a uma alegação de estupro apresentada pela atriz britânica Charlotte Lewis.

Como O jornal New York Times relata, Lewis acusou Polanski de estuprá-la em 1983, quando ela tinha 16 anos, durante uma sessão de elenco para o filme Piratas em sua casa em Paris (Lewis apareceu mais tarde no filme). Em entrevista de 2019 à revista francesa Jogo de Paris, Polanski negou a alegação de Lewis, chamando-a de “mentira odiosa”; ele também mencionou uma antiga entrevista de um tablóide de 1999, na qual Lewis falou positivamente sobre ele.

Foram esses comentários que levaram Lewis a abrir um processo por difamação contra Polanski. Em última análise, o tribunal não decidiu sobre a veracidade da alegação de estupro de Lewis contra o cineasta, mas sim se Polanski ultrapassou os limites da liberdade de expressão e difamou Lewis ao responder às suas alegações.

Após a decisão ter sido proferida, a advogada de Polanski, Delphine Millet, disse aos jornalistas: “A questão que o tribunal estava a abordar era se podemos defender-nos publicamente quando somos acusados ​​publicamente. A resposta é sim.”

Lewis, por sua vez, disse que pretendia apelar da decisão, dizendo aos repórteres: “Sinto-me triste, sinto-me desiludida… Para nós, ainda não acabou”.

Durante o julgamento em março, Lewis tomou posição, enquanto Polanski não compareceu ao tribunal. Durante seu depoimento, Lewis disse que, desde que acusou Polanski publicamente pela primeira vez em 2010, ela foi vítima de uma “campanha de difamação” que “quase destruiu” sua vida (via O guardião). Quando questionado sobre a entrevista do tablóide de 1999 (com o agora extinto Notícias do mundo), Lewis disse que suas citações sobre Polanski – como “Eu queria ser amante dele” – não eram precisas.

Embora o caso de difamação tenha começado com uma ação movida por Lewis, na França, essas questões são automaticamente transferidas para um tribunal criminal, em vez de serem levadas a cabo em um tribunal civil, como aconteceria nos EUA. Durante o caso, os promotores envolvidos expressaram dúvidas sobre a alegação de difamação. e não pressionou por uma decisão contra Polanski.

Tendendo

Polanski enfrentou diversas acusações de agressão sexual e estupro ao longo dos anos, incluindo acusações feitas pela atriz alemã Renate Langer, pela atriz francesa Valentim Monniere o artista americano Marianne Barnard (Polanski negou as alegações). O mais infame é que Polanski se declarou culpado em Los Angeles por ter feito sexo com Samantha Geimer, de 13 anos, em 1977, após o que fugiu de volta para o seu país natal, França, que não extradita os seus cidadãos. Polanski ainda é procurado nos Estados Unidos, embora Geimer tenha pedido que o caso fosse arquivado “por misericórdia de mim mesmo”.

Polanski também enfrenta agora um novo processo civil em Los Angeles, movido por uma mulher anônima que acusou o cineasta de lhe dar álcool e estuprá-la em 1973, quando ela era menor de idade. Polanski negou a acusação. O caso está definido para ir a julgamento em agosto de 2025.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.