Ao contrário do que você pode ter ouvido em uma determinada música, existem, na verdade, algumas maneiras de fazer rock. E poucas pessoas sabem disso melhor do que Sammy Hagar.

Ao longo de sua carreira de meio século, Hagar testemunhou ou participou ativamente de quase todas as principais fases do rock and roll. Ele estava lá, ainda adolescente, em San Bernardino, quando os Rolling Stones fizeram sua primeira turnê pelos Estados Unidos. Ele viveu como um músico esforçado em São Francisco durante a era do Verão do Amor no final dos anos 1960. Ele passou a década de 1970 em turnê por salas de concerto em ruínas da América Central como banda de abertura para nomes como Humble Pie, Boston e Foghat. Ele se tornou um artista de arena que vendeu platina durante o vertiginoso pico comercial do rock na década de 1980, juntou-se a uma das maiores bandas da história e depois continuou no atual milênio, reconstruindo sua carreira solo novamente. Ao longo do caminho, tornou-se uma espécie de pioneiro no empreendedorismo musical, estabelecendo uma cadeia de restaurantes, bares e bebidas espirituosas de grande sucesso sob a égide de Cabo Wabo.

E ainda assim, apesar de todas as reviravoltas que sua carreira deu e de todas as mudanças sísmicas que ele resistiu, Hagar ainda acredita na primazia fundamental dos três acordes e na verdade.

“Eu realmente acredito que a música ao vivo provavelmente será o maior salvador da arte”, diz Hagar. “Você pode ter toda essa coisa de IA, você pode fazer tantas coisas com computadores, mas quando você vê um tipo de Bob Dylan sair com um violão e uma gaita no pescoço e começar a cantar sobre algo que importa, com coração e alma e verdade nisso… isso sempre será valioso para as pessoas.

Foi essa convicção na pureza destilada da música que manteve Hagar em seus primeiros anos de altos e baixos. Depois de se apresentar em bandas cover em São Francisco, ele teve sua primeira chance como vocalista do grupo de hard rock Montrose, gravando dois álbuns que conquistaram o respeito dos colegas da banda, embora tenham feito pouco progresso nas paradas. Deixando a banda em 1975, ele passou a meia década seguinte construindo lentamente seguidores como artista solo, resistindo a mudanças de gravadoras e chefes de gravadoras incompreensíveis, e finalmente emergindo na década de 1980 como uma verdadeira estrela do rock, cortesia de sucessos como “Red”, “ One Way to Rock” e “I Can’t Drive 55”.

A sorte de Hagar então mudou inesperadamente para a estratosfera. Após a saída do vocalista David Lee Roth do Van Halen, o guitarrista Eddie Van Halen (um fã de longa data de Montrose) convidou Hagar para se juntar à banda em seu lugar. Foi um casamento improvável no papel – a musicalidade mais séria de Hagar e o apelo despretensioso do homem comum não poderiam ter sido mais distantes da personalidade arrogante de homem selvagem de Roth – mas fenomenalmente bem-sucedido. De 1986 a 1995, o Van Halen liderado por Hagar lançou quatro LPs número 1, cada um ganhando disco de platina várias vezes.

Deixar o grupo foi difícil para Hagar, que de repente se viu mais famoso do que nunca, mas de alguma forma precisava provar seu valor novamente.

É claro que os empreendimentos solo de Hagar pós-Van Halen foram muito bem-sucedidos: ele alcançou sucessos de rock nas rádios com “Little White Lie” de 1997 e “Mas Tequila” de 1999. Mas foi mais uma banda – o supergrupo Chickenfoot, com o guitarrista Joe Satriani, o ex-colega de banda do Van Halen Michael Anthony e Chad Smith do Red Hot Chili Peppers – que viu Hagar retornar aos lugares mais altos das paradas da Billboard nos anos 2000.

“Sem querer bater no peito, mas sou um cara muito fácil de trabalhar”, diz Hagar. “Eu realmente não tenho ego quando se trata de música. Sou sempre melhor com outras pessoas, serei o primeiro a admitir. Eu pessoalmente sei que quando eu escrevia músicas com Eddie ou Joe, elas eram melhores do que eu mesmo poderia fazer.”

Sammy Hagar e Vic Johnson se apresentarão na noite de abertura do Fontana’s Stage Red.
Larry Marano/Getty Images

Foi esse mesmo espírito colaborativo (trocadilho intencional) que viu Hagar dar um de seus golpes mais inesperados a partir da década de 1990. Depois de se apaixonar pela Baja California durante as férias, Hagar se uniu a um desenvolvedor local e abriu seu próprio bar em Cabo San Lucas. Eventualmente, aquele bar floresceu em uma linha de bebidas multimilionária e uma rede de locais satélites Cabo Wabo Cantinas e Sammy’s Beach Bar and Grill na Califórnia, Nevada, Ohio e Havaí. Muito antes de nomes como Jay-Z e Rihanna tornarem esse tipo de empreendimento obrigatório para estrelas pop, Hagar já estava ocupado construindo seu próprio império empresarial no sul da fronteira.

“É engraçado, porque nos últimos anos os rappers meio que fizeram tudo bem”, observa Hagar sobre suas aventuras extramusicais. “Mas quando eu estava fazendo isso, não foi legal. Quando eu estava no Van Halen, costumava ouvir muitas merdas dos caras: ‘Cara, você está sempre tentando começar algum tipo de negócio, por que não se concentra apenas na música?’ Mas o importante para mim é que não endosso nada. Endossos ainda são cafonas pra caralho, não me importo com o que dizem. Por isso, tomei cuidado para não endossar: em vez disso, abri empresas. Eu construí Cabo Wabo. Fui para Jalisco e me encontrei com fazendeiros quando comecei a fazer tequila. Eu tive que fazer tudo e me diverti muito. Foi incrível. Essa é toda a diferença entre o que eu faço e o que muitas outras pessoas fazem: eu construo a empresa, eu crio a coisa.”

E tal como aconteceu nos seus primeiros dias, quando era um miúdo em Fontana que viu Elvis na televisão e imediatamente quis pegar numa guitarra, esse acto de criação continua a ser o motor central de Hagar, independentemente do local ou do público.

“A certa altura, decidi que não queria mais trabalhar em uma gravadora”, diz Hagar sobre sua carreira posterior. “A música estava mudando, o rádio não tocava meu tipo de música, a MTV havia sumido, então foi tipo: ‘Uau, aonde você vai?’ Então eu disse que não me importo, só vou fazer meus próprios discos. Um disco como [2000’s] ‘Dez 13’ ou [2006’s] ‘Livin’ It Up’, esses são ótimos discos. O melhor disco que fiz na vida foi o último: [2022’s] ‘Tempos Loucos.’ Eu discutiria com qualquer um. Está bem lá em cima com [solo breakthrough] ‘Hampton em pé.’ E vendeu cerca de 70.000 cópias, e tudo bem. Eu gravo discos hoje em dia porque tenho ideias criativas e não posso simplesmente ficar parado nelas. Eu tenho que clicar em ‘gravar’.

FOLHA DE DICAS
O QUE: Sammy Hagar ganha uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood
QUANDO: 11h30 do dia 30 de abril
ONDE: 6212 Hollywood Blvd.
WEB: walkoffame.com

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.