Quem não gostaria de envelhecer como um bom vinho, tornando-se mais tranquilo e sereno com o passar dos anos? Parece uma felicidade, não é?

Mas, vamos encarar isso.

A realidade muitas vezes parece diferente. À medida que envelhecemos, a vida às vezes pode parecer mais caótica do que pacífica.

Por que é que?

Bem, você pode nem perceber, mas certos hábitos podem estar atrapalhando a sua tranquilidade.

Aqui está o que eu sugiro. Se você está se esforçando para ficar mais tranquilo à medida que envelhece, é hora de se despedir de alguns hábitos arraigados.

Vamos mergulhar em sete hábitos que podem estar roubando sua paz e como você pode trabalhar para abandoná-los. Apertem os cintos, porque um futuro sereno espera por você!

1) Pensar demais

Vamos começar com um grande problema.

Pensar demasiado.

Este hábito é um notório ladrão da paz. É quando sua mente se apega a um pensamento e simplesmente não o abandona. Soa familiar?

Você se pega repetindo cenários em sua cabeça, questionando decisões, se questionando e imaginando os piores resultados.

O problema de pensar demais é o seguinte: raramente leva a ações positivas. Em vez disso, mantém você preso em um ciclo de estresse e preocupação.

Então, como você pode superar isso?

O primeiro passo é a conscientização. Reconhecer quando você está pensando demais é fundamental. Quando estiver ciente, você poderá trabalhar ativamente para mudar seu foco para algo mais construtivo.

Lembre-se de que envelhecer em paz não significa não ter preocupações ou medos. Em vez disso, trata-se de não permitir que eles controlem sua vida.

2) Negligenciar o autocuidado

Deixe-me compartilhar um pouco da minha história com você.

Durante anos, fiquei preso no ciclo de negligenciar meu autocuidado. Eu sempre fui o ‘ocupado’. Trabalho, família, compromissos sociais – você escolhe, eu estava fazendo malabarismos com tudo.

Mas aqui está o que aprendi.

Negligenciar o autocuidado não faz de você um herói. Em vez disso, isso esgota você, deixando você se sentindo exausto e longe de estar em paz.

Percebi que para me sentir mais sereno era preciso começar a cuidar de mim. Isso significava estabelecer limites, dizer não quando necessário e reservar tempo para atividades que me rejuvenescessem.

Seja um banho relaxante, um passeio tranquilo na natureza ou simplesmente a leitura de um bom livro – priorize o seu autocuidado. E lembre-se, cuidar de si não se limita a si mesmo…

3) Guardar rancor

Aqui está uma pergunta difícil.

Rancores.

Esses pesos pesados ​​e teimosos que carregamos. São como âncoras, não são? Mantendo-nos amarrados às mágoas e ofensas do passado, impedindo-nos de seguir em frente.

Eu estive lá. Guardando rancor como se fosse uma tábua de salvação. Mas você sabe o que? Não era uma tábua de salvação, era uma corrente.

A verdade sobre os rancores é que eles não machucam a pessoa que nos ofendeu. Eles nos machucaram.

Apegar-se ao ressentimento é como beber veneno e esperar que a outra pessoa fique doente. A única pessoa que está realmente prejudicando é você.

Então, aqui está meu conselho.

Deixa para lá.

Não para eles. Mas para você. Para sua tranquilidade.

Perdoar não significa desculpar seu comportamento ou esquecer o que aconteceu. Significa escolher liberar esse fardo para o seu próprio bem-estar.

É difícil, eu sei. Mas também é libertador. E é um dos passos mais poderosos que você pode dar para se tornar mais pacífico à medida que envelhece.

4) Comparando-se com os outros

Você já se pegou navegando pelas redes sociais, olhando a vida de outra pessoa e pensando: “Por que minha vida não é assim?”

Acho que todos nós já passamos por isso.

O jogo de comparação.

É fácil cair nisso, especialmente nesta era digital, onde os melhores momentos de todos estão à mostra. Mas aqui está a dura verdade: comparar-se com os outros é uma maneira infalível de roubar a paz.

Por que?

Porque a comparação muda seu foco de sua própria jornada e conquistas para a de outra pessoa. E essa é uma corrida que você nunca vencerá.

Então, da próxima vez que você se encontrar entrando no armadilha de comparação, lembre-se disso: sua jornada é única. Não foi feito para se parecer com o de outra pessoa.

Comemore suas conquistas, por menores que pareçam. Encontre alegria em seu crescimento e progresso. Porque é aí que reside a verdadeira paz: apreciar a sua própria jornada e não compará-la com a de outra pessoa.

5) Ignorando o momento presente

Imagine que você está caminhando em uma linda praia. O sol está se pondo, pintando o céu com tons de rosa e laranja. Mas você está tão preocupado em pensar na sua lista de tarefas para o dia seguinte que mal percebe a beleza ao seu redor.

Isso soa familiar?

Muitas vezes ficamos tão consumidos pelo nosso passado ou futuro que nos esquecemos de viver no presente. E aqui está algo interessante—pesquisar sugere que somos mais felizes quando estamos totalmente envolvidos no momento presente.

Viver no agora nos permite vivenciar e apreciar plenamente o que está acontecendo ao nosso redor. Ajuda-nos a cultivar a gratidão, reduz o estresse e melhora nosso bem-estar geral.

Então, tente praticar a atenção plena. Preste atenção ao que está ao seu redor, aos seus sentimentos e aos seus pensamentos. Aprecie o agora.

Porque o momento presente é tudo o que realmente temos. E abraçá-lo é uma maneira infalível de trazer mais paz para sua vida à medida que envelhece.

6) Ser muito duro consigo mesmo

Vamos falar sobre aquela vozinha na sua cabeça. Aquele que diz que você não é bom o suficiente ou que deveria ter feito melhor. Aquele que está sempre pronto para criticar e nunca para apreciar.

Todos nós temos essa voz, não é?

Mas aqui está a questão. Essa voz não define você. Isso não decide o seu valor.

Você é humano e não há problema em cometer erros. Não há problema em não ter tudo planejado. Não há problema em ser um trabalho em andamento – é isso que todos nós somos.

Ser gentil consigo mesmo não significa ignorar suas falhas ou fracassos. Trata-se de reconhecê-los, aprender com eles e então dar a si mesmo a graça de seguir em frente.

Então, da próxima vez que aquela vozinha começar a tagarelar, lembre-a – e a você mesmo – de que você está fazendo o seu melhor. E o seu melhor é suficiente.

Seja seu próprio líder de torcida, não seu próprio crítico. Porque tratar-se com gentileza é ingrediente chave na receita para uma vida tranquila.

7) Resistir à mudança

A vida é um fluxo e refluxo constante. As estações mudam, as pessoas vêm e vão, envelhecemos. A mudança, como dizem, é a única constante na vida.

No entanto, muitas vezes resistimos a isso. Nós nos apegamos às nossas zonas de conforto, temendo o desconhecido. Mas esta resistência só gera estresse e ansiedade.

Abraçar a mudança, por outro lado, abre novas possibilidades. Isso nos permite aprender, crescer e evoluir.

Portanto, lembre-se disto: a mudança não é algo a ser temido. É algo a ser abraçado.

Quanto mais aberto você estiver às mudanças da vida, mais tranquila será sua jornada à medida que envelhece. Porque a paz não vem de uma vida estática e imutável, mas de um coração que está aberto a cada reviravolta ao longo do caminho.

Abraçando a paz

Se você reconheceu alguns desses hábitos em sua vida, saiba que não está sozinho.

A jornada para uma existência mais pacífica é apenas isso – uma jornada. Não se trata de perfeição, mas de progresso.

Lembre-se de que os hábitos que discutimos não são sentenças de prisão perpétua; eles são apenas padrões de comportamento. E os padrões podem ser alterados.

O primeiro passo é a conscientização – detectar quando esses hábitos surgem em sua vida. O próximo passo? Escolhendo ativamente um caminho diferente.

Pergunte a si mesmo: “Será que guardar esse rancor está me trazendo paz?” ou “Comparar-me com os outros contribui para o meu bem-estar?”

Essas perguntas podem ajudar a orientá-lo em direção a escolhas que promovam a paz e a tranquilidade.

A mudança pode não acontecer da noite para o dia, e tudo bem. Seja paciente e gentil consigo mesmo. Pequenos passos podem levar a mudanças substanciais ao longo do tempo.

E o mais importante?

Lembre-se de que a paz não é um destino – é uma jornada. Está presente nas escolhas cotidianas que fazemos. Quanto mais escolhemos ações alinhadas com a paz, mais pacíficas se tornam as nossas vidas.

Ao navegar em seu caminho, mantenha este pensamento em mente: você tem o poder de cultivar uma vida de tranquilidade e paz. Começa dizendo adeus aos velhos hábitos e abraçando uma nova forma de ser. Sua jornada em direção a uma existência mais pacífica começa agora.

Perdeu seu senso de propósito?

Nesta era de sobrecarga de informação e pressão para satisfazer as expectativas dos outros, muitos lutam para se conectarem com o seu propósito e valores fundamentais. É fácil perder a bússola interior.

Jeanette Brown criou este PDF gratuito de descoberta de valores para ajudar a esclarecer suas motivações e crenças mais profundas. Como experiente coach de vida e professora de autoaperfeiçoamento, Jeanette orienta as pessoas em grandes transições, realinhando-as com seus princípios.

Seus exercícios de valores exclusivamente perspicazes iluminarão o que o inspira, o que você representa e como pretende operar. Isso serve como um filtro refrescante para desligar o ruído social, para que você possa fazer escolhas baseadas no que é mais importante para você.

Com seus valores claramente ancorados, você ganhará direção, motivação e bússola para tomar decisões a partir do seu melhor – em vez de emoções passageiras ou influências externas.

Pare de vagar sem propósito. Redescubra o que faz você ganhar vida com o guia de clareza de valores de Jeanette Brown.



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.