Shelley Duvall, a atriz que cativou os espectadores nos clássicos de Robert Altman e trouxe terror aos olhos arregalados de Stanley Kubrick O brilhomorreu aos 75 anos.

O parceiro de Duvall, Dan Gilroy, confirmou a morte da atriz para O repórter de Hollywoodacrescentando que ela morreu durante o sono devido a complicações de diabetes em sua casa em Blanco, Texas, para onde Duvall se mudou depois de deixar Hollywood em meados dos anos noventa.

“Minha querida, doce e maravilhosa companheira de vida e amiga nos deixou. Sofreu muito ultimamente, agora ela está livre. Voe para longe, linda Shelley”, disse Gilroy em uma declaração.

Publicidade

Duvall, nascida em Fort Worth, Texas, tropeçou na carreira cinematográfica em 1970, quando conheceu o diretor Robert Altman enquanto ele estava filmando Brewster McCloud no Lone Star State; ele posteriormente escalou Duvall para o papel coadjuvante de um guia turístico do Astrodome. Essa comédia de humor negro deu início a uma longa colaboração entre o diretor e a atriz, com Duvall aparecendo em sete filmes de Altman na década seguinte.

Seguindo Brewster McCloudDuvall co-estrelou em seguida o filme de faroeste do cineasta em 1971 McCabe e Sra. Millerdécada de 1974 Ladrões como nósépico da música country de 1975 Nashvilledécada de 1976 Buffalo Bill e os índios, ou a história de Sitting Bulle um dos titulares 3 mulheres naquele drama psicológico de 1977. No mesmo ano, Duvall fez sua primeira aparição em um filme não Altman, aparecendo em Woody Allen Annie Hall como um Pedra rolando repórter.

Três anos depois, no entanto, Duvall conseguiria seu papel mais duradouro, coestrelando ao lado de Jack Nicholson no clássico de terror de Stanley Kubrick O brilhoonde interpretou a atormentada esposa (tanto na tela quanto fora das câmeras) Wendy Torrance na adaptação de Stephen King.

O terror de Duvall é palpável ao lado do Jack ameaçador e armado com um machado, interpretado por Nicholson, mas sua própria atuação foi influenciada em grande parte pelo que ela suportou entre as muitas, muitas tomadas da filmagem notoriamente árdua de Kubrick.

“Passar por dias de trabalho excruciante era quase insuportável”, Duvall disse a Roger Ebert em dezembro de 1980. “O personagem de Jack Nicholson tinha que ser louco e raivoso o tempo todo. E no meu personagem eu tinha que chorar 12 horas por dia, o dia inteiro, os últimos nove meses seguidos, cinco ou seis dias por semana. Fiquei lá um ano e um mês, e deve haver algo na terapia do grito primal, porque depois que o dia acabou e eu chorei por minhas 12 horas… Depois de todo esse trabalho, quase ninguém criticou minha atuação nele, mesmo para mencioná-lo, parecia. As críticas eram todas sobre Kubrick, como se eu não estivesse lá.”

Publicidade

Tendendo

Esta história está se desenvolvendo…

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.