O espólio da falecida Sinéad O’Connor denunciou o uso, por Donald Trump, da performance de “Nothing Compares 2 U” do cantor e compositor em seus recentes comícios de campanha.

Numa declaração a Variedadeo espólio de O’Connor e a gravadora Chrysalis Records exigiram que Trump parasse de tocar a música imediatamente.

“Ao longo de sua vida, é sabido que Sinéad O’Connor viveu de acordo com um código moral feroz definido pela honestidade, bondade, justiça e decência para com seus semelhantes. Foi com indignação que soubemos que Donald Trump tem usado a sua performance icónica de ‘Nothing Compares 2 U’ nos seus comícios políticos”, lê-se no comunicado. “Não é exagero dizer que Sinéad teria ficado enojada, magoada e insultada por ter seu trabalho deturpado desta forma por alguém a quem ela mesma se referiu como um ‘demônio bíblico’. Como guardiões do seu legado, exigimos que Donald Trump e seus associados desistam imediatamente de usar a sua música”.

O’Connor morreu em 26 de julho de 2023 em Londres, aos 56 anos. Em janeiro, o Southwark Coroners Court determinou que ela morreu de causas naturais.

O’Connor se destacou internacionalmente com o lançamento de seu segundo álbum, “I Do Not Want What I Haven’t Got”, em 1990. O disco incluía seu arranjo de “Nothing Compares 2 U”, uma canção originalmente escrita por Prince e lançado sob seu projeto paralelo, a Família. Sua versão da música alcançou o primeiro lugar em vários países, incluindo a Irlanda, onde permaneceu no topo das paradas por 11 semanas. A canção ganhou uma indicação ao Grammy de gravação do ano e melhor performance vocal feminina de rock. “I Do Not Want What I Haven’t Got” ganhou o Grammy de melhor performance de música alternativa.

Trump, que foi o 45º presidente dos Estados Unidos de 2017 a 2021, está concorrendo a um segundo mandato, apesar de ter sofrido impeachment duas vezes e ter sido indiciado em vários estados por acusações criminais, incluindo falsificação de registros comerciais, manuseio indevido de documentos confidenciais, conspiração e extorsão. O’Connor se junta a uma longa lista de músicos que se manifestaram contra Trump usando sua música em comícios, incluindo Johnny Marr dos Smiths, que em janeiro foi ao X para expressar sua decepção por Trump tocar “Please, Please, Please, Let Me Consiga o que eu quero.

“Nunca, em um milhão de anos, teria pensado que isso poderia acontecer”, escreveu Marr. “Considere essa merda encerrada agora mesmo.”

Outros artistas que refutaram o uso de suas músicas por Trump incluem Adele, Aerosmith, Beatles, Bruce Springsteen, Elton John, Guns n’ Roses, Leonard Cohen, Linkin Park, Neil Young, Nickelback, Ozzy Osbourne, Panic! at the Disco, Pharrell Williams, Phil Collins, Prince, Queen, REM, Rihanna, Rolling Stones, Tom Petty, Village People e White Stripes.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.