Em um novo episódio de O último showo apresentador Stephen Colbert enfatizou a necessidade de “falar sobre o que todo mundo está falando” e abriu o programa comentando a morte de sete trabalhadores da Cozinha Central Mundial em Gaza esta semana.

“Espero que haja uma coisa em que todos possamos concordar: os seres humanos devem ter comida e água”, disse Colbert depois de reconhecer as vastas divisões de opiniões sobre o actual conflito entre Israel e o Hamas. “O problema é o seguinte: na segunda-feira, sete funcionários auxiliares da Cozinha Central Mundial foram mortos por um ataque aéreo israelense em Gaza. Nossos pensamentos estão com as famílias e os entes queridos desses heróis.”

O anfitrião leu os nomes dos trabalhadores, acrescentando “Como algo assim pôde acontecer? Apesar do facto de a Cozinha Central Mundial ter coordenado os seus movimentos com os militares israelitas e a equipa estar a deixar o armazém no centro de Gaza depois de descarregar carregamentos de alimentos, eles foram atingidos por múltiplos ataques de drones israelitas de precisão.”

Colbert relatou a resposta do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanhayu, ao ataque, na qual afirmou: “Isto acontece na guerra”. “Então talvez considere acabar com a guerra”, respondeu Colbert. “Porque este não é um incidente isolado.”

Explicou que mais de 200 trabalhadores humanitários internacionais foram mortos em Gaza desde o início do conflito, bem como milhares de pessoas inocentes. Colbert observou que a World Central Kitchen é “próxima e querida” em seu coração, pois é liderada por seu amigo José Andrés. “Eles chegam lá com a comida e fazem o trabalho”, disse ele sobre a WCK, que não toma partido nos seus esforços para alimentar as pessoas em locais de desastre. “Eles são como Seal Team DoorDash.”

“Em vez de serem bem-vindos, foram atacados pelas FDI e o Hamas transportou membros da sua equipa para interrogatório”, continuou Colbert. “Portanto, independentemente do que vocês achem que deveria acontecer em Israel e em Gaza, espero que todos possamos concordar que as pessoas deveriam poder comer.”

Os trabalhadores da WCK viajavam em dois carros blindados com o logotipo da instituição de caridade em uma zona sem conflitos quando foram mortos, disse a WCK em um comunicado. declaração emitido na manhã de terça-feira. “Apesar de coordenar os movimentos com as FDI, o comboio foi atingido quando saía do armazém de Deir al-Balah, onde a equipa tinha descarregado mais de 100 toneladas de ajuda alimentar humanitária trazida para Gaza pela rota marítima”, confirmou a organização.

Ontem, Andrés disse numa entrevista à Reuters que os trabalhadores foram atacados “sistematicamente, carro por carro”. “Esta não foi apenas uma situação de azar em que ‘oops’ jogamos a bomba no lugar errado”, disse Andrés. “Mesmo que não estivéssemos em coordenação com (as Forças de Defesa de Israel), nenhum país democrático e nenhum militar pode ter como alvo civis e humanitários.”

Tendendo

O fundador também publicou um artigo de opinião em O jornal New York Times na quarta-feira, recordando as vítimas como mais do que “trabalhadores humanitários genéricos ou danos colaterais na guerra”.

“Nas piores condições que você possa imaginar – depois de furacões, terremotos, bombas e tiros – o melhor da humanidade aparece. Não uma ou duas vezes, mas sempre”, escreveu Andrés. “As sete pessoas mortas numa missão da Cozinha Central Mundial em Gaza na segunda-feira foram o melhor da humanidade. Eles não são sem rosto ou sem nome.”

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.