ALERTA DE SPOILER: Esta história discute elementos do enredo de “The Fall Guy”, agora em exibição nos cinemas.

Muito antes de Taylor Swift embarcar na Eras Tour, o diretor David Leitch e a produtora Kelly McCormick tiveram a ideia de usar “All Too Well” como um momento chave em “The Fall Guy”.

McCormick, um Swiftie autoproclamado, e Leitch estavam tentando encontrar uma música nova e contemporânea que se encaixasse em uma cena específica.

No filme, Ryan Gosling interpreta Colt Seavers, um dos principais dublês de Hollywood. Depois de sofrer um acidente no set, ele fica fora da rede por 18 meses, transformando-se em fantasma da aspirante a diretora Jody (Emily Blunt), alguém com quem ele também está namorando. Os dois se reencontram desajeitadamente no set de sua estreia na direção e, quando terminam o primeiro dia, Colt se retira para sua caminhonete refletindo sobre os tempos mais felizes com Jody.

McCormick achou que uma música de Swift seria perfeita para aquela cena, e até Gosling concordou. O desafio era decidir qual deles se ajustava melhor. “É difícil colocar Taylor em um filme porque ela é uma contadora de histórias”, diz McCormick. “Então, colocar imagens no topo da história que ela está contando quando você ouve cada palavra é realmente difícil de fazer.”

A letra da música “All Too Well” de Swift de 2012 evocou exatamente o que Colt estava sentindo naquele momento – extremo desgosto. Ele é alguém que perdeu tudo. Enquanto a música toca, Jody o pega cantando junto. Ela pergunta: “Você está chorando com Taylor Swift?” Você pode apostar que ele estava.

Embora o filme esteja chegando aos cinemas enquanto Swift Mania atinge um pico febril, deve-se notar que a cena foi escrita e os direitos da música foram garantidos antes que a Eras Tour se tornasse o ingresso para shows (e filmes) mais quentes do planeta.

“Aconteceu antes do frenesi da turnê”, confirma a supervisora ​​musical Rachel Levy. Com a música sendo parte integrante da narrativa, não havia um plano alternativo para Swift dizer não. Levy acrescenta: “Taylor é amigo da sincronização. Não tivemos muita coisa que tenha sido negada por ela. Ela gosta de colocar suas músicas em filmes e não havia razão para pensar que isso seria negado.”

Em outros lugares, o filme está repleto de clássicos dos anos 80 e sucessos contemporâneos. O uso proeminente da música do Kiss de 1979, “I Was Made For Lovin’ You”, veio de Leitch, que concebeu a ideia enquanto dirigia o carro com McCormick muito antes de começarem a escrever o roteiro.

Ela não estava totalmente convencida, mas Leitch foi insistente. “O que eu gostei em Kiss foi que ele cristalizou o tom do filme para mim, que era igualmente exagerado e legal”, explica ele.

A conversa continuou durante as filmagens e Leitch descobriu durante a pós-produção que Gosling, o presidente da Universal Pictures, Peter Cramer, e (ainda não convencido) McCormick rejeitaram a ideia da música.

“Eu estava tipo, ‘Acho que você deveria parar com esse beijo.’ Peter Cramer disse, ‘Acho que você deveria cortar o Kiss’, e Ryan Gosling disse, ‘Não vejo o Kiss nessa coisa’”, diz McCormick, rindo. Então eles tentaram músicas diferentes, mas nada parecia funcionar. “No final, era a única coisa que unia toda a sala.”

“I Was Made For Lovin’ You” acabou sendo o mais desafiador para Levy conseguir autorização. Mas além de usar a faixa como agulha várias vezes ao longo do filme, o compositor Dominic Lewis desconstruiu a música e a integrou ao seu tema. Em seguida, o cantor Yungblud gravou uma versão cover que toca durante uma sequência de ação envolvendo uma lancha.

O resultado: “I Was Made For Lovin’ You” se tornou o coração pulsante da trilha sonora do filme. McCormick ri: “Todo mundo está dizendo: ‘Claro que é o Kiss. Claro, é que canção.”

Junto com outros retrocessos, como o tema “Miami Vice” (que, junto com a preciosa jaqueta “Miami Vice dublê” de Colt é uma homenagem a Leitch começando a trabalhar em shows de acrobacias), “Against All Odds” de Phil Collins e um karaokê versão de “Genie in a Bottle” de Christina Aguilera, a trilha sonora traz canções originais, incluindo “Unknown Stuntman”, a versão de Blake Shelton do tema do programa de TV “Fall Guy” dos anos 1980.

“Kelly tinha essa conexão com Blake, e era um óbvio sim”, diz Levy. “Não consigo imaginar ninguém melhor para cantar e fazer um cover da música tema original, e essa foi uma das coisas mais fáceis que fizemos porque todos concordaram e ficaram super entusiasmados com isso.”

Levy credita o amor de Leitch pela música por reunir a música do filme. “Se você olhar para o trabalho dele, de ‘Bullet Train’ a ‘Hobbs and Shaw’ e ‘Deadpool’, eles têm grandes momentos musicais com personalidade.” Mas ao montar a trilha sonora espetacular, algumas músicas não chegaram à versão final.

Uma música que Levy liberou, mas não foi usada, é o hino desdenhoso de Alanis Morissette, “You Oughta Know”. Era para ser mais uma música que Jody cantava durante a cena de karaokê do filme. Ela está perdendo o controle lentamente, pois, mais uma vez, Colt não apareceu quando deveria.

“Ela está lentamente perdendo o controle no palco na frente da equipe e não sabe que música cantar”, lembra McCormick. “[Emily] escreveu uma carta para Alanis Morrissette implorando pela música, e Alanis, que historicamente nunca a dá, deu, e nós não a usamos.”

Na verdade, o momento musical chegou à sala de edição enquanto os cineastas reduziam o tempo de execução para 126 minutos cheios de ação. Talvez apareça em “The Fall Guy” (versão de David) (From the Vault)…

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.