David Israelite é o presidente e CEO da National Music Publishers’ Association, a associação comercial que representa as editoras musicais americanas e seus parceiros de composição. A Variety aceita comentários responsáveis. Envie ideias para [email protected].

Os compositores sempre lutaram para serem tratados com justiça. Ao longo da história da indústria musical, os direitos daqueles que compõem as letras e melodias são frequentemente tratados com menos respeito do que os direitos dos artistas mais famosos que dão vida às suas canções. Isso nunca foi mais verdadeiro do que na atual disputa entre TikTok e Universal Music Group.

Para quem não está familiarizado com a situação, as gravadoras da UMG retiraram os direitos de suas gravações sonoras do TikTok depois que as partes não conseguiram chegar a um acordo. Como o Universal Music Publishing Group – editora da Universal – também não conseguiu chegar a um acordo, os direitos das músicas que possuíam e controlavam também foram retirados (mas posteriormente devido a uma diferença nos períodos contratuais).

Quando os artistas e as gravações sonoras da Universal Music foram derrubados, não faltaram opiniões sobre os méritos de tal ação ou o impacto que ela teria… nos artistas. Na enxurrada de discussões, houve pouca menção ao impacto que a remoção das gravações sonoras da Universal teria sobre os compositores que escreveram essas músicas e não faziam parte da família Universal Music.

Um mês depois, a Universal Music Publishing fez o mesmo com a remoção das músicas escritas por compositores da Universal. De repente, houve uma grande discussão sobre o que a remoção das músicas UMPG significaria para os artistas de gravadoras não-Universal.

O próprio TikTok divulgou um comunicado quando começou a remover todas as músicas escritas (ou co-escritas) por compositores assinados com a UMPG, afirmando que as ações da UMPG “não afetam apenas os compositores e artistas que eles representam, mas agora também impactam muitos artistas e compositores não assinou contrato com a Universal.” Vários meios de comunicação juntaram-se ao coro, reportando sobre os artistas de outras gravadoras que seriam impactados pela remoção das músicas da UMPG, em vez de se concentrar nas razões importantes pelas quais a UMPG estava removendo suas músicas do TikTok.

Presente nesta discussão – ou na falta de discussão – está o claro preconceito de que de alguma forma os direitos dos compositores não têm o mesmo peso que os direitos dos artistas conhecidos. Tenho visto esse preconceito com frequência ao longo dos meus 20 anos representando editoras musicais e seus parceiros compositores. Está errado e precisa ser denunciado.

Primeiroé importante ressaltar que os direitos autorais da música carregam igual peso aos direitos autorais da gravação de som. Aos olhos da lei, um não é mais valioso ou importante que o outro. Quando um direito autoral é violado, os danos legais disponíveis sob a lei são os mesmos, quer se trate de um direito autoral de composição ou de uma gravação sonora. Também é verdade que os direitos de remoção e de exigência de uma política de infração reincidente sob a Lei de Direitos Autorais do Milênio Digital também são os mesmos.

Segundo, além de a lei dar peso igual aos dois, o mercado livre também tem historicamente valorizado igualmente os dois interesses diferentes. Quando um filme, programa de TV ou comercial deseja usar música, há uma negociação de livre mercado tanto com a editora musical que controla a música quanto com a gravadora que controla a gravação sonora. Nessas negociações de livre mercado, o valor é sempre equivalente.

Finalmente, quando se trata do processo criativo de fazer música, a composição não pode ser subestimada. Para qualquer artista que esteja chateado porque a luta de um compositor para ser compensado de forma justa possa manter suas gravações fora de uma plataforma específica, dê um passo atrás e lembre-se de como essas músicas são importantes para o seu sucesso. Há uma razão pela qual muitas das canções mais populares e icônicas foram escritas por compositores profissionais.

Os compositores precisam de artistas para dar vida às suas canções. Mas artistas de sucesso também precisam de ótimas músicas. São duas faces iguais da moeda criativa. Um não deve ser elevado acima do outro.

Na cobertura e análise contínua de TikTok vs. Universal – onde UMG e UMPG têm todo o direito de defender o valor de seus artistas e do trabalho de compositores – espero que ouçamos mais discussões sobre o impacto sobre os compositores, e não apenas sobre os artistas afetados. . A indústria só funciona quando ambos são reconhecidos e respeitados.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.