TEL AVIV (Israel) – O presidente dos EUA, Joe Biden, conversou novamente com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, informou a Casa Branca no domingo. A pressão está aumentando sobre Israel e o Hamas Chegar a um acordo que libertaria alguns reféns israelenses e alcançaria um cessar-fogo dentro de aproximadamente sete meses A guerra em Gaza.

A Casa Branca disse que Biden reiterou a sua “posição clara” enquanto Israel planeia invadir a cidade de Rafah, no extremo sul da Faixa de Gaza, apesar da preocupação global com mais de um milhão de palestinianos ali abrigados. Estado unido Opõe-se à invasão por razões humanitáriasO que levou a relações tensas entre os aliados. Entre os países que o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, visitará está Israel Retorna ao Oriente Médio na segunda-feira.

Biden também sublinhou que o progresso na entrega de ajuda humanitária a Gaza deve ser “sustentado e melhorado”, de acordo com o comunicado. A chamada durou pouco menos de uma hora e eles concordaram que a responsabilidade de aceitar a oferta final nas negociações continuava a ser do Hamas, de acordo com um responsável dos EUA que falou sob condição de anonimato porque o responsável não estava autorizado a comentar publicamente. Não houve comentários do gabinete de Netanyahu.

Alto funcionário de Corretor principal CatarAo mesmo tempo, instou Israel e o Hamas a mostrarem “mais compromisso e mais seriedade” nas negociações. O Qatar, que acolhe a sede do Hamas em Doha, desempenhou um papel activo ao lado dos Estados Unidos e do Egipto na ajuda à negociação de um acordo. Uma breve pausa na luta Em novembro, o que levou à libertação de dezenas de reféns. Mas, num sinal de frustração, o Qatar anunciou este mês que o tinha feito. Reavaliar seu papel.

Espera-se que uma delegação israelense chegue ao Egito nos próximos dias para discutir o assunto Últimas propostas Nas negociações, o alto funcionário do Hamas, Bassem Naim, disse numa carta à Associated Press que uma delegação do grupo armado também irá ao Cairo. O canal de satélite estatal egípcio Cairo News informou que a delegação chegaria na segunda-feira.

As declarações do porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Catar, Majid Al-Ansari, foram publicadas em entrevistas ao jornal diário liberal Haaretz e à rádio pública israelense Kan na noite de sábado.

Al-Ansari expressou a sua decepção para com o Hamas e Israel, dizendo que cada lado tomou as suas decisões com base nos interesses políticos e não tendo em conta o interesse dos civis. Ele não revelou detalhes sobre as negociações, exceto para dizer que elas haviam “efetivamente parado” e que “ambos os lados estão mantendo suas posições”.

Os comentários de Al-Ansari foram feitos depois de uma delegação egípcia ter discutido com autoridades israelenses uma “nova visão” para um cessar-fogo de longo prazo em Gaza, de acordo com uma autoridade egípcia que falou sob condição de anonimato para discutir livremente os desenvolvimentos.

O responsável egípcio disse que as autoridades israelitas estão abertas a discutir a possibilidade de um cessar-fogo permanente em Gaza como parte da segunda fase do acordo. Israel recusou-se a acabar com a guerra até derrotar o Hamas.

O responsável acrescentou que a segunda fase terá início após a libertação dos reféns civis e pacientes e incluirá a negociação da libertação dos soldados. Os prisioneiros palestinos seniores serão libertados e o processo de reconstrução terá início.

As negociações no início deste mês concentraram-se em seis semanas Proposta de cessar-fogo A libertação de 40 reféns civis e pacientes detidos pelo Hamas em troca da libertação de centenas de prisioneiros palestinos nas prisões israelenses.

Pessoas protestam contra o governo do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e pedem a libertação dos reféns detidos pelo Hamas na Faixa de Gaza em Tel Aviv, Israel, sábado, 27 de abril de 2024. (AP Photo/Ohad Zwigenberg)

Uma carta escrita por Biden e outros 17 líderes mundiais instou o Hamas a libertar imediatamente os seus cidadãos. Nos últimos dias, o Hamas publicou novos vídeos Três refénsNuma clara tentativa de pressionar Israel a fazer concessões.

A crescente pressão sobre o Hamas e Israel para chegarem a um acordo de cessar-fogo também visa evitar um ataque israelita a Rafah, a cidade na fronteira com o Egipto, onde mais de metade dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza procuram abrigo. Israel mobilizou dezenas de tanques e veículos blindados. A incursão planejada provocou alarme global.

O Presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, afirmou durante a sessão de abertura do Fórum Económico Mundial na Arábia Saudita que “basta um pequeno ataque para forçar todos a deixar a Palestina”, acrescentando que acredita que uma invasão acontecerá dentro de alguns dias.

Mas o porta-voz de segurança nacional da Casa Branca, John Kirby, disse à ABC que Israel “nos garantiu que não entrará em Rafah até que tenhamos a oportunidade de partilhar com eles as nossas opiniões e preocupações”. Então, veremos até onde isso vai.”

O reforço das forças israelitas pode ser uma forma de pressionar o Hamas nas negociações. Israel considera Rafah o último grande reduto do Hamas. Compromete-se a destruir as capacidades militares e governamentais do grupo.

Grupos de ajuda alertaram que uma invasão de Rafah pioraria a já desesperada situação humanitária em Gaza. A fome é generalizada. Cerca de 400 toneladas de ajuda chegaram no domingo ao porto israelense de Ashdod – o maior carregamento até agora por via marítima via Chipre – segundo os Emirados Árabes Unidos. Não ficou imediatamente claro como e quando seria entregue a Gaza.

Também no domingo, a World Central Kitchen disse que retomaria as operações em Gaza na segunda-feira, encerrando uma suspensão de quatro semanas após drones militares israelenses. Sete trabalhadores humanitários foram mortos. Um comunicado afirma que a organização tem 276 camiões prontos para entrar pela passagem de Rafah e também enviará camiões da Jordânia para Gaza. Também estuda a possibilidade de utilizar o porto de Ashdod para descarregar suprimentos.

A guerra foi desencadeada por um ataque do Hamas no sul de Israel, em 7 de Outubro, que matou 1.200 pessoas, a maioria civis, segundo as autoridades israelitas, que afirmam que outras 250 pessoas foram feitas reféns. As autoridades israelenses dizem que o Hamas e outros grupos mantêm cerca de 130 pessoas, incluindo os restos mortais de cerca de 30 pessoas.

O ataque retaliatório de Israel ao Hamas levou à morte de mais de 34 mil pessoas, a maioria mulheres e crianças, segundo as autoridades de saúde de Gaza, que não fazem distinção entre civis e combatentes nas suas estatísticas.

O exército israelita responsabiliza o Hamas pelas baixas civis e acusa-o de estar presente em áreas residenciais e públicas. Afirma ter matado pelo menos 12 mil militantes, sem fornecer provas.

___

Jon Gambrell relatou de Jerusalém e Sami Magdy relatou do Cairo. Ellen Knickmeyer, Aamer Madhani e Matthew Lee contribuíram para este relatório de Washington.

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre a guerra em

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.