Esta postagem contém spoilers do final de Shogun.

Muitos anos atrás, quando terminei de ler o épico histórico de James Clavell Shogun, Fiquei um pouco confuso. O romance levou bem mais de 1000 páginas para construir uma guerra civil no Japão feudal entre o sábio Lord Toranaga e seu ambicioso rival Lord Ishido, e então parou quando a guerra estava começando, oferecendo apenas um breve epílogo detalhando o que aconteceu a seguir. Como foi essa boa narrativa?eu me perguntei. Talvez haja uma sequência que eu não conheço?

Logo, porém, comecei a reconhecer que retratar as batalhas estava totalmente fora de questão. Shogun é uma história de guerra, mas onde a guerra é vencida ou perdida antes mesmo de as espadas serem desembainhadas. Trata-se de Toranaga, o mestre do xadrez, ver 12 lances à frente e garantir que o tabuleiro estará a seu favor quando seu oponente começar a pressionar o ataque. Vemos tudo o que Toranaga faz em relação a Ishido; ao intruso marinheiro inglês John Blackthorne; à leal mas frustrada advogada Mariko; ao dúbio Yabushige; e mais. Mesmo que você não conheça a verdadeira história japonesa que inspirou o livro, o desfecho é inevitável. O epílogo apenas confirma o que já sabemos que vai acontecer.

Grande orçamento do FX Shogun a adaptação, cujo final começou a ser transmitido ontem no Hulu, não se preocupou com o epílogo. Em vez disso, termina com Blackthorne (interpretado por Cosmo Jarvis) resgatando os destroços de seu navio, o Erasmo, com a ajuda dos homens de Toranaga. Ele olha para Toranaga (Hioryuki Sanada), e os dois aliados inquietos compartilham um momento silencioso de compreensão, acenam levemente um para o outro e então Blackthorne retorna ao seu navio enquanto Toranaga olha para o céu, sereno e confiante no que está por vir. para ele.

Neste caso, porém, pode haver uma sequência. Tem havido muita especulação em Hollywood sobre se o FX poderia enviar Shogun ao Emmy nas categorias de séries dramáticas, e não como uma série limitada. Parte disso seria habilidade de jogo – o campo da minissérie está extremamente lotado este ano, enquanto o final de Sucessão deixou o mundo do drama tão aberto como há muito tempo. Mas seria necessário que a FX fizesse algum tipo de esforço de boa fé para que este fosse um programa que teria mais de uma temporada. Portanto, embora todos possamos dizer o que está por vir, com base na masterclass que testemunhamos até agora – tanto por Toranaga quanto pelos criadores da série Rachel Kondo e Justin Marks – poderíamos eventualmente ver a própria guerra acontecendo em nossas telas.

E mesmo que Clavell não precisasse retratar isso, esta adaptação ganhou o direito de fazê-lo se Kondo, Marks e companhia quiserem.

Muitos críticos (inclusive eu) compararam Shogun para A Guerra dos Tronos por causa do senso de escala. A sequência do terremoto no meio da temporada é um espetáculo de cair o queixo que a TV já viu fora de Westeros. Mas como Pegou no seu melhor, Shogun foi incrível não pelas imagens massivas que colocou na tela, mas pelo nível de detalhe com que desenhou cada um dos jogadores em seu jogo e como nos permitiu reconhecer e apreciar cada movimento e contra-ataque. É sem dúvida ainda mais emocionante ver Toranaga desencadear seu último plano, assistir Yabushige (Tadanobu Asano) tentar se alinhar com ambos os lados ao mesmo tempo ou ver Mariko (Anna Sawai) provar ser infinitamente leal ao seu senhor, mesmo quando ele recusou-se a conceder-lhe a morte que ela desejava desde a desgraça de sua família anos antes.

Como costuma acontecer com esses tipos de dramas nobres, o penúltimo episódio, “Crimson Sky”, acabou sendo o clímax emocional da história, com Mariko se sacrificando para ajudar a colocar os aliados de Ishido contra ele. O final, “Dream of a Dream”, foi em grande parte sobre como todos responderam à sua morte e sobre como colocar os personagens em posição para a batalha pendente, seja ela dramatizada ou não em uma segunda temporada.

O que não quer dizer que “Dream of a Dream” faltou grandes momentos. Blackthorne foi o mais fraco dos personagens principais da série, o que fala menos do trabalho sólido de Cosmo Jarvis do que da forma como a série, compreensivelmente, gravitou mais em torno de Mariko e dos outros nativos, e da maneira como seus desejos muitas vezes entraram em conflito com as tradições japonesas de honra. durante este período. Mas Blackthorne consegue uma cena de destaque no final, onde se oferece para cometer o suicídio ritualizado de seppuku se isso significar que Toranaga poupará o povo da vila de pescadores que esteve sob o domínio do traidor Yabushige. Sua compreensão da língua ainda é, na melhor das hipóteses, primitiva, mas ele realmente aprendeu a cultura e as tradições com Mariko, com sua consorte viúva Fuji (Moeka Hoshi) e observando o próprio Toranaga. Blackthorne é, claro, mais uma peça no tabuleiro para Toranaga – ou a torre, que se move em linha reta com força bruta, ou o cavalo, que se move de maneiras imprevisíveis em comparação com seus aliados – e isso, como Toranaga secretamente organizando para o queima do Erasmo, é mais um teste de lealdade. Mas mostra o quão longe Blackthorne se afastou do homem que veio para o leste acreditando que os japoneses eram menos que humanos.

E há a cena totalmente triste e adorável no final, onde Yabushige se prepara para seppuku antes de Toranaga, mas primeiro solicita a indulgência de ouvir mais sobre exatamente como seu senhor conseguiu superar Ishido e seus aliados. A atuação de Tadanobu Asano – muito inspirada no trabalho da lenda japonesa Toshiro Mifune em sua juventude (e que interpretou Toranaga na adaptação para TV de 1980) – é a mais puramente divertida da série. Mas, durante todo o processo, ele é capaz de moderar a arrogância do personagem com o reconhecimento de que este é um ser humano que está com medo da posição tênue em que se encontra e que escolheu assumir esse papel de duas caras porque não consegue pensar em nada melhor. Ele está triste por morrer, mas também satisfeito por poder apreciar mais plenamente o gênio de Toranaga antes de partir. “Qual é a sensação”, ele se pergunta, “é moldar o vento de acordo com sua vontade?” Toranaga tenta ignorar o elogio, insistindo que apenas estuda o vento, em vez de controlá-lo. Mas a observação modesta é quase imediatamente enfraquecida quando ele reconhece quão habilmente utilizou Mariko como a arma que acabaria por levar à ruína do seu oponente. “Eu nunca poderia enviar um exército para Osaka”, explica ele, “então enviei uma mulher para fazer o que um exército nunca poderia”.

Anna Sawai em ‘Shōgun’

Katie Yu/FX

E que mulher! Embora Blackthorne e Toranaga sejam os protagonistas da série, Mariko era o coração pulsante e Anna Sawai apresentou sua atuação mais complicada, fascinante e comovente. Como membro do círculo íntimo de Toranaga com o melhor domínio do inglês, Mariko deve servir como guia de Blackthorne para este mundo, assim como para o nosso. Mas ela também está lutando contra a desonra de sua família, seu ódio pelo marido abusivo Buntaro (Shinnosuke Abe), sua atração inesperada por esse ocidental rude, a tristeza de ser combatida pelo ex-amigo de infância Ochiba (Fumi Nikaido) e muito mais. Ela fala muito, mas quase sempre mantendo suas verdadeiras emoções escondidas atrás da “cerca óctupla” que ela ensina a Blackthorne. Então Sawai tem que revelar muito do que está acontecendo sob aquela superfície educada com seus olhos e com mudanças quase imperceptíveis na linguagem corporal.

Tendendo

No meio de “Crimson Sky”, Mariko enfrenta algumas dezenas de membros da guarda pessoal de Ishido. Eles fazem um trabalho rápido com seus próprios guardas, e logo é apenas essa mulher pequena e aparentemente recatada enfrentando esses grandes homens violentos, determinada a fazer um show para todos os outros “convidados” de Ishido, para que eles apreciem plenamente seu trabalho. verdadeiro status como reféns. Naquele momento, o desempenho de Sawai é tão grande que não seria chocante se ela de alguma forma ultrapassasse seus inimigos e saísse do palácio por conta própria. Em vez disso, ela recebe a melhor recompensa possível: uma morte que a liberta de uma vida que ela há muito considera dolorosa, e que apoia a causa de seu senhor, mas também uma causada por outros, para que ela não seja condenada ao Inferno de acordo com os princípios de sua religião católica. Ainda mais do que Toranaga, Mariko consegue tudo o que deseja.

Uma segunda temporada hipotética teria que ser feita sem Sawai e Asano (exceto algum tipo de linha do tempo desnecessariamente fraturada que não nos diria nada que já não saibamos). Isso pode ser razão suficiente para deixar as coisas como estão e sair mais ou menos onde Clavell saiu. Mas o próprio Sanada é ótimo e carismático, e as cenas de Jarvis nesses episódios finais sugeriram que um Blackthorne que se submeteu principalmente à tradição local é um personagem atraente por si só. Se “Dream of a Dream” foi tudo o que ela escreveu Shogun, então a história foi contada de maneira satisfatória e muitas vezes extraordinária. E podemos estudar o vento para ver se as condições são favoráveis ​​para que essa história continue.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.