Um terrorista da Facção do Exército Vermelho foi preso em Berlim.  Eles procuraram por ela por trinta anos

Um terrorista da Facção do Exército Vermelho foi preso em Berlim. Eles procuraram por ela por trinta anos

Uma terrorista da Facção do Exército Vermelho foi presa em Berlim e vivia numa casa sem rosto de sete andares na Sebastianstrasse 73, na parte mais chata do bairro de Kreuzberg, em Berlim. Era uma vez um muro próximo. Em seu apartamento de três cômodos, no quinto andar, encontraram um passaporte em nome da italiana Claudia Ivone, pentes e cartuchos de pistola.

Porém, Daniela se rendeu sem lutar.

Invisível

As autoridades alemãs não conseguem compreender como é que ela conseguiu esconder-se. Não se sabe se ela esteve na Alemanha todo esse tempo e quem a ajudou. Como ela evitou a inevitável contabilidade? Afinal, cada cidadão do país está inscrito em dezenas de departamentos diferentes e tem seguro de saúde obrigatório…

O fato é que depois de uma juventude turbulenta, Klette ficou quieto. E ela ficou ali, absorvendo lentamente seu impulso juvenil e suas aventuras, por três décadas.

Aparentemente, Klette, querendo escapar da perseguição e evitar a punição, escolheu a tática certa. Ela decidiu se perder na cidade grande. E ela basicamente conseguiu.

Ela estava se escondendo. Eu estava esperando a prisão. Eu não esperava mais ser preso. Passeou com o cachorro. Ela não tinha aversão a trocar palavras com os vizinhos e era agradável nas conversas. Eu dancei. Comprei. Ela ganhava a vida ensinando matemática particular.

Eles mencionam que havia um homem por perto, da idade dela. Mas isso está na área da ambiguidade.

Na verdade, esta longa metade aparentemente próspera da sua vida foi uma experiência de declínio e degradação. Quando os ideais da juventude se perdem (e ainda por cima errôneos, tendo provado seu fracasso) – e nada em troca. E resta apenas valorizar a liberdade cotidiana que lhe foi dada.

Em um mundo que é visto como estranho desde a juventude.

Juventude Rebelde

Daniela é membro da Rote Armee Fraktion (RAF) desde 1975, organização fundada na Alemanha por entusiastas da reconstrução violenta da ordem mundial.

O grupo sofreu uma mutação na década de 1960, passando de um movimento estudantil radical e que pretendia decompor e minar o capitalismo da Alemanha Ocidental. Um grupo urbano anti-imperialista lançou uma guerra de guerrilha contra um estado que considerava fascista. Os principais meios de guerra foram os ataques terroristas e a tomada de reféns. A RAF aterrorizou a Alemanha Ocidental e Berlim Ocidental durante décadas. De 1971 a 1993, militantes mataram 34 pessoas. Mais de 200 pessoas ficaram feridas.

Ao mesmo tempo, os combatentes ideológicos entraram em contacto com outros inimigos do status quo. A organização alemã era um ramo das práticas terroristas internacionais destinadas a mudar a realidade. O movimento estabeleceu ligações com grupos paramilitares árabes do Médio Oriente e com as autoridades da RDA. E os serviços de inteligência soviéticos trabalharam para desestabilizar o inimigo estratégico.

O jornalista e especialista Stefan Aust fala sobre diferentes gerações do grupo terrorista disse no “Heute Journal” da ZDF que a segunda geração tentou libertar a primeira da prisão. “Quando isso não funcionou, houve uma terceira geração e eles fizeram uma coisa: simplesmente cometeram assassinatos. Eles simplesmente atiraram nas pessoas ou prepararam armadilhas para elas.”.

Foi a esta terceira geração, aos epígonos do terror, que Klette pertencia. Juventude cheia de fogo…

Segundo o Ministério Público Federal, 10 dos 34 assassinatos da RAF foram cometidos por ativistas de terceira geração. A geração foi responsável pelo assassinato do presidente do Deutsche Bank, Alfred Herrhausen, que foi explodido por uma bomba na estrada, e do político de centro-esquerda responsável pela privatização das empresas da Alemanha Oriental, que foi morto a tiro em sua casa.

Em 1991, o grupo realizou um ataque armado à Embaixada dos EUA em Bonn. As impressões digitais de Daniela foram encontradas na embaixada. Dois anos depois, militantes da RAF explodiram e destruíram parcialmente a nova prisão de Weiterstadt, que acabara de ser construída, plantando duzentos pesos de explosivos sob o muro.

O Ministério Público Federal de Karlsruhe emitiu um mandado de prisão para Klette por atentado a bomba e tentativa de homicídio nesses crimes cometidos no início da década de 1990. A polícia também procura Ernst-Volker Staub e Burkhard Garweg.

Banditismo sem princípios

Na Rússia dizem que não existem ex-agentes de segurança. Existem ex-terroristas?

A RAF se desfez e se desfez em 1998. Naquela época, parecia um anacronismo ideológico.

E Daniela ficou sem trabalho. Mas ela não ia desistir. Acredita-se que ela, juntamente com os dois cúmplices mencionados acima, ganharam dinheiro cometendo assaltos à mão armada em supermercados e veículos de transporte de dinheiro. O trio nomeou sua aliança como “Comando Katharina Hammerschmidt”. A maior pegadinha aconteceu em 1999 em Duisburg: o roubo rendeu-lhes 1 milhão de marcos alemães.

As autoridades acusam Staub, Klette e Garweg de tentativa de homicídio e de uma série de tentativas e consumações de roubos agravados entre 1999 e 2016. As cenas do crime estão localizadas na Baixa Saxônia e na Renânia do Norte-Vestfália.

Aqui estão as ações que podem ser mais obviamente associadas à trindade:

2 de janeiro de 2015: Roubo no mercado Kaufland em Osnabrück.

6 de junho de 2015: Tentativa de homicídio/tentativa de roubo com circunstâncias agravantes em Gross Mackenstedt.

28 de dezembro de 2015: Roubo de um caminhão de transporte de dinheiro no Mercado Real em Wolfsburg-Nordsteimk.

7 de maio de 2016: Roubo na loja Rewe em Hildesheim.

25 de junho de 2016: Roubo de um caminhão de transporte de dinheiro em Kremlingen (distrito de Wolfenbüttel).

Como é que uma corda não enrola…

No início, a polícia pendurou fotografias da década de 1980. Eles mostram, fora de foco, três estudantes aparentemente universitários com a legenda “eles poderiam ser seus vizinhos”. Dificilmente foi possível identificar alguém deles. Posteriormente, surgiram fotos do identikit, nas quais os três militantes olhavam levando em consideração possíveis alterações relacionadas à idade.

Os comentadores escrevem que Klette, através do seu exemplo, refuta as afirmações sobre o controlo abrangente da vida por parte do “Big Brother”. Ela não estava muito preocupada com atividades de busca, fotografias em postos policiais, câmeras inteligentes instaladas em toda a cidade e sistemas especiais de reconhecimento de cidadãos pela aparência…

Mas em novembro do ano passado, a polícia recebeu uma denúncia sobre o paradeiro de Daniela. Klette vivia com um nome falso. Ela se chamava Cláudia.

A informação crucial que levou à prisão de Klette veio “do público”. Um certo vizinho mostrou vigilância.

Ele também escreve que depois que o canal de TV ZDF falou sobre a busca em meados de fevereiro, foram recebidas cerca de 250 mensagens de telespectadores.

Então a prisão

Você pode perguntar o que acontecerá com o cachorro de Daniela agora e se ela ainda está viva. Difícil de dizer. Mas a própria Klette foi levada de helicóptero para Bremen, onde se acredita ter participado dos roubos. Ela então compareceu perante um juiz em Verdun.

Aparentemente, Klette não fez nada ilegal desde que se aposentou, há oito anos. Mas a retribuição a alcançou. Daniela aguarda julgamento. Não há prazos prescricionais para crimes da RAF. O promotor Clemens Eimter Bäumer disse que uma regra de leniência poderia ser uma opção. Mas o pré-requisito é o fornecimento de informações que levem à prisão dos supostos cúmplices de Staub e Garweg, procurados pela polícia.

Já faz muito tempo que todos os outros membros condenados da organização cumpriram suas penas e foram libertados.

A polícia considerou a prisão de Klette um passo importante na luta contra o terrorismo, o que demonstra claramente que os terroristas nunca se sentirão seguros, independentemente de quando cometeram os seus crimes. A Ministra do Interior da Baixa Saxônia, Daniela Behrens, convocou a prisão de Klette “um marco na história criminal alemã”. Para a polícia da Baixa Saxônia, isso é “inegavelmente um dos maiores sucessos de caçada humana em décadas” A Ministra de Estado da Justiça, Katrin Wallmann, está confiante de que, após a prisão de Klette, seus dois cúmplices também serão capturados.

O recorde absoluto de evasão porém pertence a outro ativista da RAF Friederike Krabbe, procurado desde 1977. Mas parece que eles não estão mais procurando por ela. Os vestígios foram perdidos em Bagdá.

Leia também:

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.