O balanço da Usiminas (USIM5) , divulgado nesta sexta-feira (9), surpreendeu positivamente o mercado, com os principais números vindo acima do consenso. Contudo, a reação do mercado foi morna, com as ações oscilando entre leves ganhos e perdas: às 11h11 (horário de Brasília), os ativos tinham leve variação positiva de 0,32%, a R$ 9,43.

Como destaque, analistas mencionaram a performance do braço de mineração da companhia e também uma melhora da margem do – ainda combalido – braço de siderurgia.

A receita líquida da Usiminas ficou em R$ 6,8 bilhões, acima do consenso de R$ 6,3 bilhões da LSEG. O Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) ficou em R$ 625 milhões, ante R$ 16,9 milhões projetados. O lucro líquido foi de R$ 838,8 milhões, sendo que o consenso era de prejuízo de R$ 121,7 milhões.

“A principal razão para a superação veio do negócio de mineração, onde o Ebitda de R$327 milhões superou o nosso consenso em 30,8%, impulsionado por volumes e preços maiores que o esperado, mais do que compensando os custos caixa mais altos”, diz o time de analistas do JP Morgan, liderados por Rodolfo Angele.

A superação, de acordo com eles, foi uma combinação de preços mais altos que o esperado, com a Usiminas vendendo minério 1,84% mais caro do que as projeções, e por volumes mais altos que o esperado. Os volumes alcançaram 2,38 milhões de toneladas no trimestre, ficando 13,5% acima da projeção do JP.

No entanto, o time também menciona que a divisão de aço foi melhor do que o esperado. As siderúrgicas brasileiras vêm sofrendo, já há algum tempo, por conta do aumento da importação de aço chinês, que tem preços mais baixos.

“Embora os números do aço tenham sido melhores do que esperávamos, a divisão continua a enfrentar dificuldades e postou novamente um Ebitda negativo de R$ 42 milhões”, comenta o JP, que, no entanto, via um prejuízo operacional maior, de R$ 168 milhões. Eles, porém, enxergam melhoras para a Usiminas nos próximos trimestres nesta frente, com o fim da reforma do Alto Forno 3.

O time do Bradesco BBI foi na mesma linha, destacando, além dos dois segmentos, a orientação de capex da Usiminas, de R$ 1,9 bilhão, abaixo do projetado.

O Itaú BBA, que previa investimentos de R$ 2,1 bilhões para 2024, apontou que o número projetado melhora suas perspectivas de geração de fluxo de caixa livre. No geral, o banco aponta que o resultado foi melhor do que o esperado, ainda que mantendo recomendação marketperform (desempenho em linha com a média do mercado, equivalente à neutra) para USIM5, com preço-alvo de R$ 9,50. Já a equipe de análise do BBI tem recomendação superar (desempenho acima da média do mercado, equivalente à compra) para USIM5, com preço-alvo de R$ 11,50.

A postagem Usiminas (USIM5): balanço supera projeções com mineração, mas reação do mercado é tímida apareceu primeiro em InfoMoney.

Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.