Consorte e Lula Tênis

A lula consorte pode ser consideravelmente maior que o tênis quando amadurece, crescendo em média até 300 milímetros (comprimento do manto) em comparação com 150 mm. No entanto, descobriu-se que a lula tênis tem espermatozoides maiores e mais duradouros. Crédito: 2024 Nicola Burghall

As lulas lança machos adotam os papéis de “tênis” ou “consortes” com base no momento do nascimento, e permanecem assim.

O dia em que uma lula macho eclode determina qual tática de acasalamento ela usará ao longo de sua vida, de acordo com uma nova pesquisa. Lula lança (Heterololigo clareador) que eclodem no início da temporada tornam-se “consortes” que lutam por oportunidades de acasalamento. Aqueles que eclodem mais tarde tornam-se “tênis”, que usam táticas de acasalamento mais clandestinas.

Os pesquisadores descobriram que a tática de acasalamento determinada pela data de nascimento era fixada para toda a vida da lula. Compreender como as táticas de acasalamento são influenciadas pela data de nascimento e pelas condições ambientais da época pode ajudar os investigadores a considerar como as lulas podem ser afetadas pelas alterações climáticas e as implicações para a gestão dos recursos marinhos.

O que sua data de nascimento diz sobre você? Talvez você sinta que isso revela algo sobre sua personalidade, ou talvez até mesmo sobre seu destino. Para a lula macho, isso pode nos dizer muito sobre sua vida amorosa!

Uma equipe de pesquisadores no Japão descobriu que as táticas de acasalamento das lulas são fortemente influenciadas pelo dia em que nasceram. Essas lulas podem ser classificadas em dois tipos de acordo com suas técnicas de acasalamento: consortes, que lutam contra os rivais para colocar seu esperma dentro de uma fêmea e depois a protegem enquanto ela põe seus ovos; e os tênis, que, como o nome indica, roubam oportunidades de acasalamento depositando secretamente o esperma na parte externa da fêmea, perto de onde ela põe os óvulos, na esperança de fertilizá-los.

Anéis de crescimento de estatólitos

Os estatólitos estão envolvidos em ajudar as lulas a manter o equilíbrio. Eles têm um depósito espesso, chamado “cheque de eclosão”, que marca o dia em que a lula nasceu. Depois disso, ocorre um incremento de crescimento por dia, sendo possível estimar a idade das lulas por meio da contagem. Crédito: 2024 Hosono

Curiosamente, este estudo descobriu que, uma vez determinada a tática de acasalamento das lulas pela data de nascimento, elas continuaram com ela. As lulas machos nascidas entre o início de abril e meados de julho crescem antes de iniciar a reprodução e se tornarem consortes. As lulas que eclodem mais tarde, entre o início de junho e meados de agosto, são menores quando começa a época de acasalamento e tornam-se tênis. No entanto, mesmo que uma lula nascida precocemente crescesse o suficiente para se tornar um tênis no início da estação reprodutiva, ela adiaria a maturação e continuaria a crescer até se tornar grande o suficiente para ser um consorte. A lula nascida no início de julho tinha cinquenta por cento de chance de usar qualquer uma das táticas.

Impacto das condições ambientais nas lulas

“Nossos resultados mostraram que a data de eclosão determina toda a trajetória de vida neste espécies”, disse a professora associada Yoko Iwata, do Instituto de Pesquisa da Atmosfera e do Oceano da Universidade de Tóquio. “A diferença na data de eclosão significa que a lula vivencia diferentes condições ambientais no início da vida, o que pode influenciar a trajetória de crescimento. Se um evento ambiental extremo, como uma onda de calor oceânica, acontecer durante a época de incubação, poderá afetar o tamanho do corpo maduro da lula e as subsequentes táticas de acasalamento. Isso também teria um impacto enorme na quantidade que poderia ser capturada comercialmente.”

No total, a equipe analisou mais de 350 lulas, que eles próprios capturaram ou capturaram comercialmente entre 2020 e 2023. Estes são os primeiros resultados relatados que apoiam a “hipótese da data de nascimento” num invertebrado aquático. Esta hipótese propõe que a data de nascimento influencia as táticas reprodutivas do macho e anteriormente só havia sido registrada em peixes. Esta nova descoberta sugere que pode realmente ocorrer numa variedade maior de animais do que se pensava anteriormente.

Lula Lança

Nativa do oeste do Oceano Pacífico, ao longo da costa da Ásia, a lula vive apenas um ano e é um alimento popular no Japão. Crédito: 2024 Shota Hosono

Uma descoberta surpreendente foi que a taxa de crescimento da lula diferia daquela que a equipe esperava. Estudos anteriores demonstraram que as lulas são muito sensíveis às condições ambientais, especialmente à temperatura da água. Portanto, a equipe esperava ver isso influenciar o crescimento das lulas. No entanto, os resultados mostraram que a taxa de crescimento no início da vida não foi tão diferente entre consortes e sapatilhas, apesar de terem crescido em estações diferentes. Isto levanta novas questões sobre o que mais pode estar a afectar o crescimento e a reprodução das lulas, o que os investigadores consideram que pode dever-se a uma combinação complexa de factores ambientais.

Agora a equipe está analisando uma estrutura dentro da lula chamada estatólito. Os estatólitos crescem diariamente e foram usados ​​no presente estudo para estimar a idade de uma lula contando o número de camadas, semelhante à datação dos anéis das árvores. Além de estimar a idade, os microelementos contidos no estatólito podem ser usados ​​para estimar a condição do oceano vivida pela lula no momento em que parte do estatólito se desenvolveu. Por exemplo, o elemento estrôncio pode ser usado para estimar a temperatura da água experimentada. Ao analisar estes microelementos, os investigadores querem determinar quais os ambientes que cada lula experimentou ao longo da sua infância e criar uma imagem mais clara de como isso pode ter influenciado as suas táticas de acasalamento.

“Estou interessado na evolução das estratégias de sobrevivência e reprodução dos animais, ou seja, na sua história de vida; e também a plasticidade fenotípica, ou seja, como os indivíduos respondem às mudanças ambientais”, disse Iwata. “Por várias razões, penso que a lula é um organismo ideal para estudar como as condições ambientais e ecológicas podem afectar a história de vida.”

Referência: “As táticas reprodutivas alternativas dos machos de lula são determinadas pela data de nascimento” por Shota Hosono, Yoshio Masuda, Shun Tokioka, Tomohiko Kawamura e Yoko Iwata, 24 de abril de 2024, Anais da Royal Society B.
DOI: 10.1098/rspb.2024.0156

Financiamento: Bolsa KAKENHI da Sociedade Japonesa para a Promoção da Ciência para pesquisa científica para YI, Associação de Apoio à Sustentabilidade Ambiental Yanmar para SH, programa de pesquisa e avaliação de recursos pesqueiros, Agência de Pesca do Japão, para ST



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.