Resumo do envelhecimento do relógio de ponto

Um novo estudo revela que a nossa percepção do tempo está interligada com o sentido do tato, apoiado pela dupla funcionalidade do córtex somatossensorial. Utilizando a optogenética, a pesquisa demonstrou que os neurônios do córtex somatossensorial contribuem tanto para as sensações táteis quanto para a percepção do tempo, sugerindo que a percepção do tempo está enraizada em uma ampla rede de áreas cerebrais. Crédito: SciTechDaily.com

As experiências sensoriais e a percepção do tempo estão intrinsecamente ligadas no córtex somatossensorial do cérebro. Aqui, as representações neurais de ambas as sensações estão interligadas, sendo “multiplexadas” dentro de uma rede neural compartilhada.

O tempo é sentido, visto e ouvido, mas não existem receptores sensoriais específicos dedicados à percepção do tempo, ao contrário daqueles para o tato, a visão, a audição e o olfato. Este facto há muito que atormenta os neurocientistas com a possibilidade de que a percepção do tempo possa “pegar carona” nas verdadeiras modalidades sensoriais. Na verdade, novas pesquisas demonstram que a percepção do tempo incorporada em uma experiência tátil está enraizada na dupla funcionalidade do córtex somatossensorial.

O professor Mathew Diamond e sua equipe de pesquisa SISSA publicaram recentemente suas descobertas em Comunicações da Naturezalançando luz sobre a intrincada interação entre o sentido do tato e o sentido do tempo.

À medida que processamos estímulos recebidos através da pele, os neurônios no córtex somatossensorial representam de forma robusta as características detalhadas dos estímulos, culminando na experiência subjetiva do toque. Contudo, o estímulo foi breve ou prolongado no tempo? Como surge a percepção do tempo decorrido? Os resultados da equipe de pesquisa indicam como o córtex somatossensorial contribui para a percepção do tempo.

Experimentando a passagem do tempo Mouse

Utilizando a optogenética, uma técnica que permite a modulação da atividade neuronal através da aplicação de luz ao córtex, o estudo estabeleceu uma ligação entre duas experiências aparentemente distintas – o “quê” e o “quanto tempo” de um estímulo. Crédito: Mathew Diamond

Utilizando a optogenética, uma técnica que permite a modulação da atividade neuronal através da aplicação de luz ao córtex, o estudo estabeleceu uma ligação entre duas experiências aparentemente distintas – o “quê” e o “quanto tempo” de um estímulo. Em ratos treinados para avaliar a intensidade da vibração desconsiderando a duração, a intervenção optogenética influenciou a intensidade percebida.

Por outro lado, em animais treinados para avaliar a duração da vibração desconsiderando a intensidade, a intervenção optogenética influenciou a duração percebida. Estas descobertas não só afirmam a função esperada do córtex somatossensorial na construção do sentido tátil, mas também apoiam a noção de que a percepção do tempo está enraizada numa ampla rede de áreas cerebrais com diversas funções, incluindo o tato. Esta pesquisa estabelece as bases para estudos futuros que explorem a intrincada relação entre experiências sensoriais e a percepção do tempo.

Uma rede generalizada para percepção do tempo

“Os mecanismos neuronais subjacentes à percepção da duração dos eventos sensoriais ainda não são totalmente conhecidos”, explica o professor Mathew Diamond, coordenador da investigação. “Acredita-se que, em vez de depender de um único centro cerebral dedicado, a percepção do tempo emana de redes de neurônios distribuídas por diversas regiões cerebrais. As descobertas do estudo demonstram que o estágio de processamento sensorial do córtex é um componente da rede. Isto significa que uma população de neurônios corticais pode dar origem a duas experiências sensoriais distintas, enfatizando a natureza interconectada da percepção do tempo e do tato.”

Um estudo explorando a optogenética

Trabalhos anteriores do grupo de pesquisa SISSA sugeriram a integração e acumulação de impulsos na via de processamento sensorial como um mecanismo potencial subjacente à percepção do tempo. Agora, técnicas optogenéticas foram empregadas para testar diretamente essa hipótese, permitindo a manipulação da atividade neuronal em um local alvo específico. Diamond explica: “Se houver um efeito comportamental da intervenção optogenética, a única explicação é que os neurônios-alvo estão de alguma forma envolvidos. Visar conjuntos semelhantes de neurônios nos dois grupos de ratos produziu dois resultados diferentes em seu comportamento. O aumento do disparo neuronal pela optogenética aumentou a duração percebida nos ratos de “duração” e aumentou a intensidade percebida nos ratos de “intensidade”. Como ambas as percepções envolvem um conjunto sobreposto de neurônios, descrevemos os dois sinais como “multiplexados” no córtex somatossensorial. Como etapa final, construímos um modelo matemático que vai desde a fisiologia dos neurônios corticais até a percepção final. O modelo aponta para potenciais mecanismos celulares para a construção de percepções elaboradas a partir do disparo neuronal.”

A Coreografia de Duas Percepções

O estudo conclui que a percepção do tempo está intrinsecamente entrelaçada com o toque, emergindo na representação sensorial tátil. Esta visão abre a porta para explorar a experiência do tempo através das lentes da codificação sensorial, oferecendo novos caminhos para a compreensão da complexa relação entre sentir o mundo externo e sentir o tempo.

Referência: “Contribuição direta do córtex sensorial para o julgamento da duração do estímulo” por Sebastian Reinartz, Arash Fassihi, Maria Ravera, Luciano Paz, Francesca Pulecchi, Marco Gigante e Mathew E. Diamond, 24 de fevereiro de 2024, Comunicações da Natureza.
DOI: 10.1038/s41467-024-45970-0



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.