Três macacos Vervet com um adulto cuidando de um jovem

Um estudo sobre macacos vervet identificou tradições sociais estáveis ​​dentro de diferentes grupos, particularmente em comportamentos de higiene, indicando que estes animais transmitem costumes sociais através de gerações. Os machos adaptam os seus comportamentos sociais para se conformarem às normas de novos grupos, apresentando uma forma de conformidade social entre primatas não humanos. Crédito: Charlotte Canteloup

indivíduos que residem em comunidades diferentes aderem a tradições ou normas sociais distintas. Por exemplo, em certas áreas é costume cumprimentar todas as pessoas que encontramos na rua, enquanto em outras regiões esse comportamento não é observado. Às vezes, essas variações podem até ser observadas entre diferentes bairros. Pesquisa recente publicada na revista iCiência revelou que grupos vizinhos de macacos vervet exibem comportamentos e costumes sociais igualmente variados.

“Relatamos a existência de tradições comportamentais de costumes sociais em macacos vervet que são estáveis ​​ao longo de 9 anos”, diz Elena Kerjean, da Universidade de Lausanne, na Suíça, e da Universidade Paul Sabatier, em Toulouse, França.

Os investigadores descobriram que tais diferenças nas tradições sociais criam diferenças na “atmosfera social” que podem ser transmitidas de uma geração para a seguinte através da aprendizagem social. Curiosamente, também descobriram que os homens em dispersão adaptaram rapidamente o seu estilo social ao do seu novo grupo, sugerindo que podem experimentar um fenómeno semelhante à conformidade social impulsionada pela pressão dos pares.

Estudo sobre Comportamento Social e Conformidade

Kerjean e colegas, incluindo Erica van de Waal e Charlotte Canteloup, sabiam que outros animais, tal como as pessoas, seguem tradições. Mas a maioria dos estudos centrou-se principalmente na presença ou ausência de tradições como o uso de ferramentas. Eles não exploraram diferenças quantitativas mais sutis no comportamento social que podem levar a diferenças importantes na atmosfera social de um grupo.

Três macacos alistados

Três macacos vervet com um adulto cuidando de um juvenil. Crédito: Charlotte Canteloup

Para explorar ainda mais o novo estudo, os investigadores analisaram mais de 84.000 interações sociais entre quase 250 indivíduos de macacos-vervet recolhidos ao longo de nove anos em três grupos vizinhos. As suas análises revelaram uma diferença inesperada: num dos grupos, apelidado de Ankhase (AK), os macacos eram mais propensos do que nos outros dois grupos a negociar quando se limpavam uns aos outros.

Dinâmicas sociais únicas dentro de grupos

“Descobrimos que os indivíduos de um grupo – AK – apresentam significativamente mais comportamentos afiliativos do que nos outros dois grupos, e esta diferença manteve-se estável ao longo de nove anos de estudo”, diz Kerjean.

O grupo AK não era apenas mais sociável que os outros dois, mas também trocavam cuidados de forma mais reciproca. Quando um macaco cuidava de outro macaco, esse macaco normalmente retribuía o favor. Como resultado, o aliciamento foi trocado de forma mais justa no AK em comparação com os outros dois grupos.

“Você pode pensar nisso como trocas de massagens entre indivíduos”, explicou Kerjean. “Se eu lhe fizer uma massagem 100 vezes por ano, mas você só fizer isso duas vezes, posso achar que nossa relação é bastante injusta. Esse é o tipo de diferenças que observamos entre nossos grupos.”

Adaptação e Conformidade Social

Os investigadores também descobriram que seis homens que mudaram de um grupo para outro adaptaram as suas interações sociais para melhor corresponderem aos seus novos grupos. Essas mudanças também foram observadas em ambas as direções. Ao sair do grupo AK, os homens tornaram-se menos sociais e menos propensos a preparar uma parceira de forma justa. Os homens que deixaram um dos grupos menos sociais para AK mostraram exactamente a tendência oposta.

“Os homens adaptaram a sua sociabilidade ao grupo ao qual se integraram, o que acreditamos ser um bom exemplo de conformidade social”, diz Kerjean. “Esta regra normativa – agir como os outros – provavelmente os ajuda a se integrarem melhor em um novo grupo. Este efeito de conformidade já havia sido demonstrado através de um novo experimento alimentar, mas esta é a primeira vez que observamos isso com o comportamento social.”

As descobertas mostram que os grupos não só têm tradições sociais diferentes, mas que essas tradições também podem ser estáveis ​​ao longo do tempo de formas que são provavelmente mediadas socialmente. Os investigadores sugerem que estas diferenças são transmitidas através da aprendizagem social, embora não possam excluir que também possam existir outras diferenças no ambiente de trabalho.

Agora que sabem da existência destas tradições sociais, dizem que gostariam de saber mais sobre como são introduzidas e transmitidas. Eles observam que estão especialmente curiosos para explorar o papel de indivíduos ou líderes-chave na pressão sobre os recém-chegados para que sigam em frente.

Referência: “A dinâmica social dos macacos vervet depende da identidade do grupo” por Elena Kerjean, Erica van de Waal e Charlotte Canteloup, 19 de dezembro de 2023, iCiência.
DOI: 10.1016/j.isci.2023.108591



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.