Alucinações de fumaça de velho

A investigação revela que as alucinações de presença, especialmente na doença de Parkinson, levam a uma sobrestimação significativa das pessoas numa sala, testada através de uma nova realidade virtual e técnica robótica, destacando um viés de percepção social e um potencial marcador precoce de declínio cognitivo.

Presenças invisíveis manipulam os mecanismos de contagem social do cérebro.

Se você tivesse que estimar o número de pessoas em uma sala, sem contá-las uma por uma, por natureza você as contaria em excesso. Isto porque, dito de uma perspectiva darwiniana de como evoluímos, é melhor superestimar agentes e predadores potencialmente nocivos do que subestimá-los.

Esse superestimar o comportamento social é demonstrado ser verdadeiro em humanos e também em animais. Certamente é melhor detectar muitos tigres (mesmo que ausentes) durante uma excursão na selva do que perder um tigre faminto!

Agora, os neurocientistas da EPFL mostram que se você tiver alucinações, especialmente quando relacionadas a uma doença como a doença de Parkinson, então você superestimará ainda mais o número de pessoas em uma sala. Eles também mostram que se você tiver alucinações, mas for solicitado a estimar o número de caixas numa sala, que são objetos de controle inanimados, então não ocorre nenhuma superestimação extra, lançando luz sobre a natureza social dessa superestimação. Os resultados são publicados em Comunicações da Natureza.

“O fato de os pacientes com doença de Parkinson terem uma superestimação muito maior na contagem de pessoas é surpreendente porque a doença de Parkinson é classicamente vista como um distúrbio do movimento”, diz Olaf Blanke, que lidera o Laboratório de Neurociência Cognitiva da EPFL, que faz parte do Neuro- X. “Mostramos que o Parkinson também pode ser um distúrbio perceptivo, especialmente de estímulos sociais, e que presenças invisíveis na doença de Parkinson podem prejudicar ainda mais a contagem do cérebro social!”

A categoria de alucinações investigada pelos neurocientistas é chamada de alucinações de presença, nas quais as pessoas relatam uma presença invisível ao seu lado, mesmo que não haja ninguém. Tais alucinações são consideradas menores em comparação com as alucinações visuais, por exemplo. Eles podem ocorrer precocemente em pacientes com doença de Parkinson, às vezes até antes do diagnóstico. As alucinações de presença também são um marcador precoce conhecido de declínio cognitivo na doença de Parkinson.

Os resultados do estudo apoiam a ideia de que a presença invisível (e mecanismos cerebrais relacionados) são responsáveis ​​por essa supercontagem de pessoas. Quando são experimentadas alucinações de presença – seja devido a uma doença ou induzidas artificialmente – esta presença extra é subconscientemente traduzida numa sobrestimação do número de pessoas que pensamos ver. Em essência, a presença invisível é acrescentada no processo de contagem, mas apenas na contagem de pessoas!

O experimento da numerosidade e os tecnodélicos

Para testar a hipótese de que as alucinações de presença levam a uma contagem excessiva de pessoas, os investigadores fundem a realidade virtual com a robótica. Os pesquisadores referem-se a esta combinação única de VR e robótica como “tecnodélicos” para estados alterados de consciência induzidos pela tecnologia, usados ​​no presente estudo para o caso especial de alucinações induzidas pela tecnologia. A realidade virtual é usada para o “experimento de numerosidade humana”, que consiste em mostrar cenas virtuais em 3D de cinco, seis, sete ou oito pessoas em uma sala vazia por uma fração de segundo (200 milissegundos), tantas pessoas e muito rápido contá-los com precisão, um por um. A robótica é usada para induzir artificialmente alucinações de presença, que consiste em um dedo robótico cutucando as costas do usuário, fora de sincronia com o movimento de cutucar do próprio usuário. Ao avaliar a suscetibilidade de uma pessoa às alucinações, os cientistas descobriram que indivíduos saudáveis ​​que tomam tecnodélicos realmente contam demais.

“A vantagem do nosso ambiente tecnodélico é que ele nos dá uma forma objetiva de medir alucinações, que são estados altamente subjetivos”, explica Louis Albert, principal autor do estudo. “Estamos essencialmente projetando alucinações, induzindo alucinações e obtendo uma leitura clara e implícita da suscetibilidade à alucinação em um determinado momento.”

A plataforma oferece uma forma quase automatizada de determinar se alguém é suscetível a alucinações, em contraste com os métodos atuais que vão desde simplesmente perguntar a alguém se ele tem alucinações, até questionários ou outros métodos que envolvem análise subjetiva por médicos especialistas.

Monitore alucinações em casa

Para o estudo, os pesquisadores também desenvolveram uma versão simplificada do experimento de numerosidade, que pode ser feito em laboratório, mas também online, de forma discreta, no conforto da própria casa e sem exigir treinamento extra da equipe médica.

“Agora temos um teste online que pode determinar se alguém é propenso a alucinações, uma ferramenta objetiva muito necessária para medir a suscetibilidade a alucinações em pacientes”, continua Albert. “O teste pode ser realizado de forma independente pelos pacientes, diretamente de casa no seu computador ou tablet, tendo assim o potencial de atingir um grande grupo demográfico a um custo mínimo. Sem a necessidade de equipamento específico ou de pessoal especializado para testes e entrevistas de alucinações, e sem a necessidade de os pacientes se deslocarem até à clínica, este teste é acessível e pode chegar a pessoas que vivem longe dos centros médicos e em países de baixo rendimento.”

Cerca de 170 pacientes com doença de Parkinson foram recrutados para o teste online, dos quais 69 tiveram presença de alucinações. Com esta versão do teste, os cientistas também descobriram que os pacientes com alucinações de presença contam mais do que os pacientes sem alucinações. Alguns pacientes relataram ter visto até 11 ou mais pessoas quando apenas 8 foram mostradas.

“Temos estratégias para determinar se um paciente com doença de Parkinson apresenta ou não alucinações de presença, o que significa que no futuro deveremos ser capazes de identificar e monitorar aqueles que são mais propensos ao declínio cognitivo para tratamento precoce”, diz Fosco Bernasconi, co -autor do estudo.

Da propriedade do corpo aos tecnodélicos

Há quase uma década, os cientistas da EPFL conceberam uma tarefa robótica para fazer algo totalmente diferente do que avaliar a suscetibilidade a alucinações, um lembrete da sorte fortuita da ciência. A tarefa robótica foi inicialmente projetada para explorar a incorporação e como a mente usa as informações sensoriais para criar um sentimento de propriedade do corpo. Mas quando os participantes da tarefa relataram repetidamente sentimentos assustadores de estarem acompanhados por fantasmas, os pesquisadores da EPFL perceberam – em vez de descartar isso como uma coincidência – que eles haviam tropeçado em um mecanismo para provocar alucinações de presença em pessoas saudáveis ​​com possíveis aplicações em pessoas com doenças. A essa altura, os pesquisadores sabiam que tinham uma forma subjetiva de induzir alucinações de presença, graças à tarefa robótica que confunde os sentidos do usuário.

Referência: “Estimativa de numerosidade de humanos virtuais como um marcador robótico digital para alucinações na doença de Parkinson” por Louis Albert, Jevita Potheegadoo, Bruno Herbelin, Fosco Bernasconi e Olaf Blanke, 12 de março de 2024, Comunicações da Natureza.
DOI: 10.1038/s41467-024-45912-w



Share. Facebook Twitter Pinterest LinkedIn Tumblr Email

Formado em Educação Física, apaixonado por tecnologia, decidi criar o site news space em 2022 para divulgar meu trabalho, tenho como objetivo fornecer informações relevantes e descomplicadas sobre diversos assuntos, incluindo jogos, tecnologia, esportes, educação e muito mais.